Diferença entre Ciência e Pseudociência

Ouvimos toda hora que Astrologia é pseudociência, assim como esses “tratamentos” médicos como reiki, toque terapêutico, acupuntura etc. Têm este nome porque não possuem nenhum respaldo científico, isto é, não segue o mínimo dos preceitos que classificam o que é ciência, restando a serem tidos apenas como uma mera enganação. A questão é que, para se fazer isso, é preciso separar o que é Ciência e o que não, sendo esse “o que não é” chamado de Pseudociência.

Para entender melhor, vamos na base do “não entendeu? Quer um vídeo?”. Sim, eu sei que você quer.

Continuar lendo “Diferença entre Ciência e Pseudociência”

A diferença de químicos para físicos. Ou resposta à pergunta do Felipe do Café e Ciência

Perguntas são interessantes pelo ponto que exercitam nossa imaginação e conhecimento. Eu gosto de perguntas. A ciência gosta de perguntas e procura achar a resposta. Por isso, vi com muita satisfação a pergunta que o Felipe do Café & Ciência fez. A resposta, entretanto, era clara e óbvia, mas só para quem realmente entende o Método Científico e seus meandros. A pergunta foi

https://platform.twitter.com/widgets.js

Continuar lendo “A diferença de químicos para físicos. Ou resposta à pergunta do Felipe do Café e Ciência”

O Experimento do Arroz Sensível – Final

Em junho eu tinha aceitado o desafio do arroz. Alguns idiotas acham que só colocar palavras de amor e compreensão deixam o arroz num pote intacto, mas se você colocar xingamentos e ofensas, o arroz fica nojento.

Bem, eu chamei na chincha e pus a besteirada do Massaru Emoto ao crivo do Método Científico. Eu chamei este experimento de O Experimento do Arroz Sensível. Bem, este vídeo é a consumação do experimento. Eu gostaria de ter ficado surpreso, mas, nhé, foi o que eu esperava, mesmo.

Continuar lendo “O Experimento do Arroz Sensível – Final”

Método Científico

O método científico é o ABC de como proceder numa pesquisa. É um exercício intelectual, a estipulação das hipóteses, o levantamento de uma ideia, o raciocínio sobre o  que está acontecendo. Depois, vem as análises, os experimentos, as comprovações ou não de resultados.

A ciência nunca foi anárquica. Pelo menos, não quando ela deixou de ser mera curiosidade para uma busca de entendimento da Natureza. Hoje, temos milhões de cientistas em todo o mundo e todos eles seguem os preceitos básicos do Método Científico, e é isso que nos salva de charlatões.

Continuar lendo “Método Científico”

Maconha medicinal não é esse remédio todo, diz pesquisa

A tara do pessoal, principalmente de Humanas, atualmente é sobre o uso da maconha medicinal. Alegam servir pra tudo, de espinhela caída até treco, ziquizira, mau olhado e uma ou outra doença, inclusive câncer; afinal, todo remédio milagroso TEM que curar o câncer. Maconha medicinal parece que veio junto com as tábuas da Lei (se bem que tem quem diga que Moisés realmente estava zuadão na erva que passarinho não fuma).

O problema é, mais uma vez, uma coisinha chata chamada "realidade". Uma revisão de 79 ensaios clínicos realizados entre 1975 e 2015, que avaliaram os canabinóides enquanto medicamentos mostrou que ele não é essa coca-cola toda.

Continuar lendo “Maconha medicinal não é esse remédio todo, diz pesquisa”

Médiuns de araque passam vergonha na Inglaterra

O problema de médiuns (com pão e manteiga) é… bem, fora sua desonestidade, não consigo pensar em outro. Eu fico em dúvida se o cara realmente acredita que tem poderes mágicos, adivinhacionais, futurobservacionais e coisas correlatas. Enquanto isso, um bando de espíritos-de-porco (o tipo de ispritu que médium não consegue "controlar") resolvem colocar o pessoal à prova.

Sociedade de Céticos de Merseyside resolveu botar na mesa (o desafio. Eles são ingleses. Sabem como é…) e chamou médiuns para o Desafio Halloween, de forma que os videntes possam demonstrar seus poderes mágicos. Os resultados foram mais que óbvios.

Continuar lendo “Médiuns de araque passam vergonha na Inglaterra”

IgNobel de 2010 premia pesquisa relacionada com palavrões

A essa atura do campeonato, você já sabe o que é o IgNobel, principalmente se você for alguém antenado e que acessa o Cet.net, demonstrando seu bom gosto. É um prêmio concedido anualmente para as pesquisas mais esquisitas, bizarras, doidas e totalmente hilárias. Ainda assim são científicas, e passam por revisão de pares. Nem pra isso o CriaBURRIcionismo prestou. A pesquisa desse ano tem mais contemplados, inclusive um deles foi agraciado por ter estudado o efeito pacifista de xingar com palavrões cabeludérrimos (não necessariamente “nu tuíter”).

O discurso que abriu o Ig Nobel, com a saudação “Senhoras, senhores e distintas bactérias”, deu o tom da noite. Antes do início da cerimônia, as pessoas eram convidadas a limpar as mãos utilizando álcool-gel distribuído por atores no palco. Além disso, uma mini ópera, executada em quatro atos, contava a história de um grupo de bactérias que vivia na superfície do dente de uma mulher e tencionava dominar o mundo. Grupos de estudantes passavam na frente da plateia com cartazes pedindo o fim do “germicídio”, como bem preza a cultura vegan. Como é de praxe no IgNobel, o evento sempre é apresentado por um cientista que ganhou o prêmio Nobel (o verdadeiro). Este ano contou-se com a participação do dr. Sheldon Cooper, digo, dr. Sheldon Glashow, ganhador do Nobel de Física, em 1979, entre outros ganhadores do Nobel. Confiramos os premiados, irmãos. Envelope, por favor. And the IgNobel goes to…

Continuar lendo “IgNobel de 2010 premia pesquisa relacionada com palavrões”