Aposta de Pascal em vídeo

A Aposta de Pascal é uma das principais formas de argumento religioso para (tentar) justificar que é mais fácil acreditar em Deus do que enfrentar uma realidade. Na verdade, uma covardia, pensando Oh Céus, se eu não acreditar em Deus, eu poderei ir pro Inferno.  Se Deus não existir não perderei nada.

Mas e se existir um deus fora do da Bíblia que está bem irritado com você nesse instante? É o que discutiremos em mais este vídeo.

Continuar lendo “Aposta de Pascal em vídeo”

O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial

No alvorecer da Revolução Industrial (você aprendeu isso no colégio), o mundo mudou a forma como encarava os sistemas de comércio e produção. O que você não estudou foi como isso mudou a vida dos trabalhadores, que já não era lá essas coisas, mas ficou muito pior. Surgiu algo que já se conhecia há muito tempo, mas começou a se espalhar: A Automação. Surgiu, então, a figura de Ned Ludd, a quem se atribuiu o ataque a uma fábrica de meias, destruindo as máquinas. Todos os ataques desse gênero ficaram conhecidas como obra de seus seguidores: os luditas. Hoje, o termo "ludita" é relacionado a pessoas que têm aversão à tecnologia. Qualquer tipo, já que "tecnologia" não quer dizer "computadô", meus pobres ignorantes.

A bola da vez é a Inteligência artificial (IA). Um monte de gente mostrando-se preocupadas com o advento do que poderia ser um Skynet ou algo semelhante. Curiosamente, não o seu Manoel da padaria, mas pessoas que estão intimamente ligadas às modernas tecnologias. Afinal, o que temos a temer?

Continuar lendo “O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial”

Tem medinho de aranha? Reclame com seus ancestrais

Um monte de gente tem medo daquelas coisas cabeludas que se esgueiram por perto da gente, sem que percebamos. Não, não é um aluno do curso de Sociologia. São aquelas coisinhas ruins, peçonhentas, com um monte de pernas e zoiúdas. Sim, elas. As aranhas. Quase todo mundo tem medo de aranha, mesmo que diga "Pfff, que mané medo! Mato e pronto". Sim, É MEDO, SIM!

Uma pesquisa realizada pelo pessoal da Universidade de Columbia mostra que esse nosso medo é muito mais enraizado do que algum trauma com milhões de aranhas eclodindo debaixo do seu colchão, de forma com que todas elas cubram o seu corpo para depois devorá-lo. O motivo bobo de você ter medo por pouca coisa pode estar escrito no seu DNA.

Continuar lendo “Tem medinho de aranha? Reclame com seus ancestrais”

Estudo comprova que peixe bêbado não tem medo de nada

Eu gosto da Ciência e vocês estão carecas de saber isso. Mas o que eu gosto mesmo é como algumas pesquisas parecem ser bem doidas. Por exemplo, pesquisadoras de Nova York estudam como peixes reagem frente a predadores. Ok, não se espera outra coisa além de saírem correndo. Mas uma coisa causou um diferencial: quando deixavam os peixes encachaçados, eles ficavam mais poderosos.

Não é um primor de pesquisa?

Continuar lendo “Estudo comprova que peixe bêbado não tem medo de nada”

Cérebro feminino é mais propenso a se assustar com filmes de terror

Não há nada melhor que filmes de terror. Ainda mais quando você vê outra pessoa berrar de medo e quase subir pelas paredes de pânico, a ponto de passar a noite em claro. Isso, obviamente, se você não mora com essa pessoa, caso contrário você não dormiria também.

Mulheres são fortes, aguentam dores incríveis de todas as maneiras. Desde rituais de auto-mutilação, como fazer as sobrancelhas, até o parto (maldita ancestral faminta!), mulheres aguentam muito mais dores que homens; mas, em compensação, possuem a tendência de fugirem de seres demoníacos, como aquelas baratinhas que aparecem no ralo do banheiro para dar um "olá". Um estudo recente demonstrou que, em geral, mulheres se assustam mais do que homens quando assistem filmes de terror, porque nós, cabra-machos, somos mais menos propensos a antecipar as cenas assustadoras.

Continuar lendo “Cérebro feminino é mais propenso a se assustar com filmes de terror”

Homens e mulheres reagem de forma diferente frente ao perigo

Uma equipe de Cracóvia, na Polônia, utilizou imagens de ressonância magnética funcional (fMRI) para avaliar a atividade do cérebro de 40 voluntários ao serem mostradas várias imagens. De acordo com o estudo, os cientistas determinaram o óbvio: Homens e mulheres possuem mais uma diferença (fora aquela). Homens e mulheres respondem de forma diferente ao perigo, e isso é fácil de perceber apenas colocando uma barata no ambiente.

O estudo, apresentado à Sociedade Radiológica da América do Norte, encontrou mais atividade nos centros emocionais do cérebro das mulheres, enquanto que os homens apresentaram atividade em áreas que tratam de medidas que deve-se tomar para evitar ou enfrentar o perigo. Isso, no modo de pesquisa entomológico significa que ao ver a monstruosa barata, as mulheres berram feito loucas e homens procuram logo um chinelo para acertar a maldita (a barata e não a sua devotada esposa).

Com licença, enquanto eu tomo umas vassouradas, já que não sou uma barata. Continuar lendo “Homens e mulheres reagem de forma diferente frente ao perigo”