Mitos científicos no cinema

Ok, você acha que eu vou falar sobre sons no Espaço ou como o Super-Homem jamais poderia levantar um prédio sem se enterrar no chão. Você acha que eu falarei sobre viagem no tempo etc, mas não. Vou usar outros exemplos. Não, Gavisti não significa desejo por vacas, carbono 14 não analisa metal alienígena e biólogos não são retardados de meter o mãozão em qualquer bicho esquisito que apareça na frente dele.

Sabemos, claro que cinema é apenas entretenimento, e se você quer alguma mensagem, procure os Correios, como diria Samuel Golwin (dos estúdios Metro Goldwin Meyer), mas de vez em quando é divertido apontar isso e se tem muita gente que fala o mais do mesmo, por que eu não posso apontar algumas bobagens também?

Continuar lendo “Mitos científicos no cinema”

Mitos da Medicina 2

Eu sei que vocês gostam da série Mitos. Mostram o quanto achamos que sabemos, e muito disso está errado. Ideias e “informações” que passam de pai pra filho, pra neto, bisneto etc.Ler no escuro faz mal? Mulheres engravidam no período menstrual? Pelos ficam mais grossos se os raspamos? E quer dizer do alto índice de suicídios em épocas festivas? Tudo isso é verdade? É mito? Historinha pra boi dormir?

Neste vídeo apontamos que nada disso é verdade. São apenas histórias que ouvimos e muitas vezes repetimos, mas sem nenhuma comprovação.

Continuar lendo “Mitos da Medicina 2”

Pesquisa levanta dúvidas sobre dados de câncer de próstata na Inglaterra

Câncer de próstata é uma bosta, como todos os cânceres que acometem pessoas que foram desenhadas por um projetista inteligente, mas tão inteligente que fez a uretra passar por esta droga de órgão. E se você é homem, toma vergonha e consulte um urologista. O recomendado é exame, SIM AQUELE EXAME, aos 50 anos; ou aos 45 se tiver casos na família (majoritariamente pai e irmão). Se não tiver, um exame PSA é o suficiente para se ter uma ideia. Lembre-se: pare de frescura que o médico não vai contar para ninguém. Ele não conta nem sobre o seu péssimo gosto para cueca e o estado dela.

Normalmente, homens negros são três vezes mais propensos a desenvolver câncer de próstata do que outras etnias. A questão é que eles acabam sub-representados e os dados acabam se tornando falhos. Isso porque remédios acabam não tendo a mesma eficácia para pessoas de etnias diferentes. Racismo? Não, genética. Vá discutir com sr. DNA.

Continuar lendo “Pesquisa levanta dúvidas sobre dados de câncer de próstata na Inglaterra”

Maconha medicinal não é esse remédio todo, diz pesquisa

A tara do pessoal, principalmente de Humanas, atualmente é sobre o uso da maconha medicinal. Alegam servir pra tudo, de espinhela caída até treco, ziquizira, mau olhado e uma ou outra doença, inclusive câncer; afinal, todo remédio milagroso TEM que curar o câncer. Maconha medicinal parece que veio junto com as tábuas da Lei (se bem que tem quem diga que Moisés realmente estava zuadão na erva que passarinho não fuma).

O problema é, mais uma vez, uma coisinha chata chamada "realidade". Uma revisão de 79 ensaios clínicos realizados entre 1975 e 2015, que avaliaram os canabinóides enquanto medicamentos mostrou que ele não é essa coca-cola toda.

Continuar lendo “Maconha medicinal não é esse remédio todo, diz pesquisa”

Menina de 10 anos “inventa” molécula e eu quero matar alguém

Pelo amor de Hades, gente, façam uma forcinha: NÃO ESCREVAM SOBRE O QUE NÃO SABEM!

Recebo um e-mail do nosso leitor Alexandre indicando um artigo onde uma menina de 10 anos "descobre" uma nova substância química. Lendo o festival de idiotice, só me resta um facepalm hipermegateexconjuroatômico. Afinal, estamos com mais um gênio da Ciência ou com mais um exemplo da estupidez alheia? Oh, bem, a resposta é bem deduzível, não é?

Continuar lendo “Menina de 10 anos “inventa” molécula e eu quero matar alguém”

Juiz encontra nove erros em filme que deu Nobel a Al Gore

gore.jpgUm juiz da Alta Corte britânica identificou “nove erros científicos” no filme Uma Verdade Inconveniente, que rendeu ao ex-vice-presidente americano Al Gore o Oscar de melhor documentário neste ano.

O juiz Burton analisava se o documentário sobre mudança climática realizado por Gore – que sustenta a tese da ação humana como causa do aquecimento global – poderia ser exibido em salas de aula.

A sentença considerou o filme tendencioso, mas permitiu sua exibição sob condição de que os professores apontem os trechos polêmicos e apresentem os argumentos contrários às informações. Continuar lendo “Juiz encontra nove erros em filme que deu Nobel a Al Gore”