Morreu mas passa bem

Por algum motivo que eu não sei, meu windows entrou e deu pau na memória e morreu. Puta que me pariu, será  que ficou corongado? Tentei restaurar o maldito, e nada. Ele não passava da ferramenta de diagnóstico, a qual eu tentei todas as macumbarias  para burlar, aquele maldito. Graças ao Nosso Senhor SSD, reinstalei tudo e entrou em atividade rápido, ainda mais que os discos de dados, MESMO estão em dois HD no gabinete.

Continuar lendo “Morreu mas passa bem”

Equipe restaura computador do projeto Apolo

Em 1976, em um armazém no Texas, um camarada chamado Jimmie Loocke comprou duas toneladas de equipamentos descartados da NASA. Anos depois, ele percebeu que incluía um computador de um módulo lunar do projeto Apollo, idêntico ao que foi usado para guiar o módulo de pouso até a superfície Lunar durante na missão Apollo 11.

Cinquenta anos depois especialistas em restauração de computadores no Vale do Silício estão tentando fazer este computador voltar a funcionar.

Continuar lendo “Equipe restaura computador do projeto Apolo”

Modelagem computacional para saber como detonar com câncer

Todo mundo sabe que câncer não é legal. A não ser se você for um dos desclassificados que usaram a doença para promover sua fosfoetanolamina, que cura tudo, menos doença alguma. Como já falei antes, o grande problema do câncer é que não existe “O” câncer, mas quase 200 doenças diferentes, uns mais agressivos que os outros. O câncer faz muitas vítimas, mas 80% dos casos é curável se descobertos a tempo; e a chave do problema é essa: descobrir a tempo.

Bola levantada, pesquisadores correm para criar sistemas e modelos computacionais para modelar a progressão e a destruição do tumor pelo sistema imunológico. Isso é importante na hora de examinar como anda suas linhas de defesa, adaptando táticas e medicamentos para mandar o caranguejo do mal pro ralo.

Continuar lendo “Modelagem computacional para saber como detonar com câncer”

Não adianta mentir. Computadores já interpretam gestos

Eu me lembro de um antigo livro chamado O Corpo Fala: A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal, de Pierre Weil. Neste livro ele aborda situações e como reagimos instintivamente, de forma que pudesse ser interpretado como mensagens. Sacam o seriado Lie To Me? Pois, é. Daí fica o pensamento. E se nós montássemos um banco de dados com situações e gestos, analisando o significado e montando uma espécie de tradutor de linguagem corporal?

Pesquisadores tiveram esta mesma ideia, e desenvolveram um sistema em que um computador fosse capaz de compreender poses, gestos e movimentos do corpo de várias pessoas por meio de um vídeo em tempo real.

Continuar lendo “Não adianta mentir. Computadores já interpretam gestos”

Disney faz de novo: Algoritmo renderiza arcada dentária mediante fotos e vídeos de celular

Disney não faz só filmes, desenhos e animações. Eles prometem algo diferente (e entregam): Disney produz magia. Mas não é só isso! Para se fazer magia, é preciso de muita tecnologia na hora de modelar seus personagens, seja para algo mais da linha como Moana, como algo mais real na base de Mogli. Sendo assim, renderizar o corpo humano de forma a ter o maior realismo possível consome zilhões em termos de equipamentos e pessoal, além de pesquisa hardcore em termos de matemática e computação.

Agora, Disney, que segundo uma lenda estúpida que inventei agora tem uma caveira de camundongo consagrada aos Ainür, trabalha com digitalização, modelagem e renderização de… dentes.

Continuar lendo “Disney faz de novo: Algoritmo renderiza arcada dentária mediante fotos e vídeos de celular”

Nós Vivemos na Matrix?

Algumas teorias dizem que chegará a um momento em que poderemos simular verdadeiros mundos com todos os detalhes possíveis. Já conseguimos chegar bem perto com o Second Life, por exemplo. Mas aí vem o questionamento.

Um computador hiperpoderoso poderia simular esta realidade que aqui vivemos. Nós mal seríamos capazes de distinguir o que é real do que é simulado, e isso nos faz pensar: Isso que nós vivemos é real ou será que nós vivemos numa simulação por computador?

Seria possível que nós estejamos na Matrix? A resposta está bem no vídeo.

Continuar lendo “Nós Vivemos na Matrix?”

Pesquisadores estudam cérebro para fazer coisa melhor artificialmente

Inteligência Artificial é algo que vem sendo pesquisado há muito, muito tempo; e continuará sendo pesquisado por mais tempo ainda. Dois dos pioneiros em pesquisa de IA foi Ray Solomonoff e Marvin Minsky(este falecido no dia 25/01). Minsky achava que computadores iam ultrapassar seres humanos, mas eu acho bem difícil disso acontecer. O cérebro humano é muito complexo e plástico, moldando-se e adaptando-se, criando ligações sinápticas e várias novas conexões para sinais eletroquímicos. Nenhum processo artificial pode sequer chegar perto do cérebro humano. Pelo menos, atualmente.

Bem, se não se pode fazer algo melhor que o cérebro humano hoje, então o segredo é entender como o cérebro realmente funciona em maiores detalhes.

Continuar lendo “Pesquisadores estudam cérebro para fazer coisa melhor artificialmente”

Problemas com vírus no computador? Chame a feiticeira!

As pessoas são extremamente burra, estúpidas, iletradas, ignorantes, nekulturnys, idiotas, e absurdamente burras (sim, tão burras que menciono duas vezes). A tendência em achar que o Sobrenatural de Almeida vai resolver todos os problemas é uma arma ótima para esconder a sua estupidez e preguiça.

Agora, além de ter cartomante, quiromante, pai-de-santo, pastores, padres e enganadores em geral nas mãos de quem pessoas fracas depositam sua confiança em resolver problemas (muitas das vezes inexistentes). Agora nós temos bruxas que removem vírus de computador por meio de magia!

Continuar lendo “Problemas com vírus no computador? Chame a feiticeira!”

O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial

No alvorecer da Revolução Industrial (você aprendeu isso no colégio), o mundo mudou a forma como encarava os sistemas de comércio e produção. O que você não estudou foi como isso mudou a vida dos trabalhadores, que já não era lá essas coisas, mas ficou muito pior. Surgiu algo que já se conhecia há muito tempo, mas começou a se espalhar: A Automação. Surgiu, então, a figura de Ned Ludd, a quem se atribuiu o ataque a uma fábrica de meias, destruindo as máquinas. Todos os ataques desse gênero ficaram conhecidas como obra de seus seguidores: os luditas. Hoje, o termo "ludita" é relacionado a pessoas que têm aversão à tecnologia. Qualquer tipo, já que "tecnologia" não quer dizer "computadô", meus pobres ignorantes.

A bola da vez é a Inteligência artificial (IA). Um monte de gente mostrando-se preocupadas com o advento do que poderia ser um Skynet ou algo semelhante. Curiosamente, não o seu Manoel da padaria, mas pessoas que estão intimamente ligadas às modernas tecnologias. Afinal, o que temos a temer?

Continuar lendo “O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial”

“Ela” e o que nos faz humanos

Eu vi o filme “Ela” (Her) e o achei ficção científica de primeira qualidade. Trata-se de um cara cuja profissão é escrever bilhetes para os outros, o tipo de emprego que será muito requisitado no futuro, dada a quantidade de analfabetos e analfabetos funcionais que andam aparecendo por aí. Parece meio como a personagem da Fernanda Montenegro em Central do Brasil, mas diferente do filme brasileiro, o personagem de Joaquin Phoenix foi bem desenvolvido.

Eu não pretendo discutir qualidades técnicas do filme, nem se será justo a posição eu ele terá no Oscar (estou escrevendo antes do resultado). O que eu quero examinar é como será nossa relação com a Inteligência Artificial. Nós, pessoas comuns, e não cientistas.

AVISO: TEREMOS SPOILERS DAQUI EM DIANTE!

Continuar lendo ““Ela” e o que nos faz humanos”