Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

A Aposta de Pascal

deus_dados.jpgConsideremos este ponto e digamos o seguinte: “Ou Deus existe ou não existe.” Mas qual das alternativas devemos escolher? A razão não pode determinar nada: existe um infinito caos a nos dividir. No ponto extremo desta distância infinita, uma moeda está sendo girada e terminará por cair como cara ou coroa. Em que você aposta?

Blaise Pascal, Pensamentos (edição póstuma, 1844)

De acordo com Pascal, de um jeito ou de outro, todos nós jogamos dados com Deus, mesmo ele não jogando dados com o Universo. 😉

Pascal admitiu que é impossível “provar” que Deus existe – de fato, afirmou ele, a razão humana é incapaz de provar qualquer coisa com certeza. Isso daria a pensar que Pascal era agnóstico, mas não é verdade. Afinal, para ele, a principal pergunta residia no fato se convinha a alguém acreditar na existência de Deus, e sua resposta era que você seria tolo se não acreditasse. Isso faz de Pascal um teísta, posto que ele tentou mostrar matematicamente que seria um péssimo negócio não acreditar em Deus.

A matemática que Pascal empregou trabalhava no campo das Probabilidades, que ele ajudou a inventar (ele esperava convencer especialmente seus amigos aristocráticos, que eram jogadores fanáticos). Bom, no modo de ver de Pascal, a crença ou a descrença que você possa ter em Deus implica uma aposta.

Ora, se Deus existe e a “Sagrada Escritura” são verdadeiros, sua crença vai dar-lhe (em tese) infinita felicidade após a morte. Se Deus não existe, tudo o que você teria a perder acreditando no dito cujo seriam os prazeres finitos de uma vida finita. Mesmo porque, se você acha que as chances da existência de Deus são próximas de zero – Pascal sugere que elas estão perto de 50 % – a única coisa racional que você pode fazer é jogar o jogo. E como qualquer percentagem finita do infinito tende a ser infinita também, o raciocínio mediante este conceito mostra que você deve acreditar em Deus.

Indo pelo outro lado da moeda, se você se recusar a acreditar em Deus e estiver errado, você será condenado às penas infernais, pois será um pecador. E tomando por base que as probabilidades que isso aconteça são enormes, não restaria nada mais a você do que seguir o glorioso Deus e viver feliz para sempre.

E claro que você poderia ainda resistir à razão, mas isso só aconteceria se você permitisse que suas paixões sufocassem o que você tem de melhor. De acordo com nosso amigo Pascal, os desejos podem ser controlados se você proceder como se acreditasse em Deus e participar de bons rituais cristãos. E se você se acostuma com isso, termina por descobrir que, largando seus hábitos pouco saudáveis, você fica até mesmo mais feliz que antes e isso, na visão de Pascal, é o verdadeiro pagamento da aposta. Interessante, não é mesmo?

Se você é um desavisado, o argumento de Pascal pode soar “arrumadinho”, mas devemos imaginar que ele era um grande matemático e sabia trabalhar com números infinitos, e como tal processo acaba por se tornar uma tarefa ardilosa. Pela lógica de Pascal, você seria levado à busca de qualquer promessa de felicidade infinita, religiosa ou não, como a coisa mais racional a ser feita, em caso de haver uma remota chance de sucesso. (Digamos que exista 1% de probabilidade de que a Fonte da Juventude exista; você deveria largar tudo agora e ir em busca dela).

Muito bem, para que a Aposta de Pascal funcione, você tem que tomar como certas muitas das coisas que ele quer provar – que, se Deus existe, Ele é infinito, onisciente, onipotente, e o verdadeiro autor da Bíblia. Mas, naturalmente, existe um número infinito de outras possibilidades – por exemplo, que Deus exista mas que, na realidade, não ligue muito para o comportamento das pessoas ou (o mais danoso para o argumento de Pascal) que Deus exista mas não seja realmente um ser infinito.

Ainda há o caso de que Deus exista, mas é totalmente diverso de tudo que se imaginou a respeito dele, parecendo-nos tão estranho quanto nossos pensamentos, sensações e desejos seriam a uma ameba. E ninguém (muito menos Pascal) poderia provar que uma dessas descrições de Deus seja mais acertada do que outra. Mesmo porque, ninguém andou batendo um papinho como o Todo-Poderoso nos últimos milênios, a despeito do quer o pessoal tem alegado. Alegado, mas sem provas.

Voltando ao assunto, é muitíssimo mais difícil agir com base em crenças que você não tem do que Pascal gostaria de admitir. (E supõe-se que Deus haveria de saber se você estava sendo sincero ou só jogando, afinal ele é onisciente, certo?)

No âmbito da natureza humana, prazeres certos geralmente prevalecem sobre os incertos, por mais sedutores que sejam estes últimos. No calor da paixão, possibilidades infinitas podem vir a parecer bem infinitesimais. A crença em alguém que lhe proverá de bênçãos e presentes e não sei mais o quê mostra que, no fundo, as pessoas acreditam para ter algo em troca. O que é ridículo e justifica a frase de Einstein: “Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.”

Imaginar que devemos acreditar num Deus, apostando todas as fichas nele porque essa seria a melhor idéia mostra o quão tola e egoísta é essa mente. E mais: prova que Deus não pode ser bondoso, ao final das contas. Se eu preciso acreditar nele para ter certeza de ter uma vida plena de satisfação e bem-aventurança, com uma promessa de um pós-vida assegurado, mostra que ele (Deus) é rancoroso, mau e que não ama tanto assim seus filhos.

Afinal, ele é (em tese) onisciente e sabe de antemão qual número eu apostarei na roleta celestial.

Tão bondosos assim, só os donos de Cassino… 😉

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

  • Pingback: E se você estiver errado? » Ceticismo.net()

  • Pingback: O caso do cabare religioso e o cristao ateu » Ceticismo.net()

  • Cícero

    Caro André,
    então assim, Deus seria o culpado por todos os atos criminosos e errados dos homens?? parece muito fácil e simplório culpar a Deus não achas?? será que Deus criaria robôs?
    parece muito justo Deus dar liberdade de escolhas aos homens e estes serem responsáveis por seus atos.

    Pryderi respondeu:

    Vamos trabalhar com o seu mito.

    1) Deus é onisciente, logo ele sabia com milênios de antecedência o que ia acontecer, antes mesmo do Homem aparecer na Terra.

    2) Nada existe no Universo sem que Deus não queira

    Assim, se o Homem fez merda é porque Deus quis que ele fizesse merda, porque ele o idealizou isso milênios com antecedência e o Homem jamais poderia fazer algo diferente.

    Ou pode-se fazer algo que Deus não quer?

  • E como provas que é um mito ou inexistente?

    Sem evidências, sem confirmação. Apenas um livreco escrito na Idade do Bronze diz que é de um jeito. Milhões de provas apontam as contradições. E tda sociedade tem um mito próprio. Estão todas certas?

    acaso foi vc que originou o universo e a vida? ou estavas lá pra ver como foi?

    Sim, estava. 🙂

    Agora, quero ver você provar que eu não estava. 😀

    Ora, Deus criou as criaturas boas com uma qualidade chamada livre-escolha, e é bom ser livre, mas com a liberdade vem a possibilidade do mal, então Deus é responsável por tornar o mal possivel, mas as criaturas livres são responsáveis por torná-lo REAL.

    Mas, seguiondo o seu mito, seu deus sabia com séculos de antecedência o que cada criatura ia azer. Ou ele não é onisciente? Deus sabe ou não sabe de todas as coisas?

    Por acaso seria justo forçar você, a crer em Deus e segui-Lo?

    Seu livro diz que mesmo que eu seja uma boa pessoa, mas não seguir o seu deus, ele me matará de forma grotesca. Sorte nossa que ele não existe.

    Somente pelo seu próprio interesse de conhecê-lo que é a forma justa.

    Mas eu não preciso conhecer nem o seu deus mnem uma velhinha morando na Ucrânia para ser um homem justo. mas conheço muitos cristãos injustos que seu deus não pune.

    Se há uma coisa que Deus respeita e muito, é nossa INDIVIDUALIDADE, somos livres, mas responsáveis por nossas próprias decisões.

    Não quando ele me dá ordens, como rezar pra ele e guardar o sábado. Tipo… por que guardar o sábado só pra ele? sso me faz uma pessoa ruim?

    Ele só vai agir em nossas vidas se pedirmos para ele interferir, e Ele jamais passa por cima de nossa razão, pois ele nos deu isso para pesquisarmos e indagarmos, não somos robôs inanimados e Ele nem quer isso.

    AHHHHHHHHHHHHHHH. Então basta pedir que eçle interferirá? Ok. Peça pra todas as pessoas doentes no Instituto Nacional do Câncer serem curadas AGORA. Você sabe… não tem apenas ateus lá.

    A bíblia diz: “Vinde e argui-me diz o Senhor”. E ele não olha para nossa condição ou situação.

    Também diz que moças que forem estupradas serão apedrejadas por adultério.

    A onisciência de Deus representa apenas conhecimento, mas o AGIR DELE depende de nós.

    Ou seja, EU sou mais poderoso que seu deus vagabundo. 🙂

    Por isso somos semelhantes a Ele: no sentido moral, espiritual, volitivo. Temos vontades e liberdades pessoais.

    Nunca tive escravos, nunca matei homossexuais, nunca matei pessoas que rezam pra deuses, nunca matei estrangeiros, nunca mateiu adúlteros, nunca saqueei, roubei, matei, estuprei, chacinei, guerreei, esmaguei criancinhas em penhascos, aniquilei cidades, rasguei barriga de mulheres grávidas entre outras coisas que seu deus manda fazer. Realmente, sou melhor que ele.

    Se sofremos consequencias severas ao desobedecer autoridades constituidas dos homens. Por que seria diferente da Autoridade Máxima do Universo?

    Porque as autoridades existem e as leis não são idiotas como matar alguém que esteja trabalhando num sábado.

    Quando os israelistas pecavam Deus punia, quando Israel se arrependia, Deus se arrependia do mal que traria. Deus muda seus juízos cfe. o homem muda seus atos.

    Mas se deus muda de opinião, porque a Bíblia diz que ele não muda de opinião? Tipo: vc mora no 20º andar, vê seu filho subir na jaela, pérstes a despencar. O que vc faz?

    1) Vai lá e tira-o rápido.

    2) Deixa ele cair, pois o moleque apenas colheu o que plantou.

    O Conselho Tutelar sabe a resposta.

    Seria justo só eu desobedecer todas as leis de trânsito, civis, fiscais, federais, roubar, enganar etc e ficar impune?

    Quando a lei é retardada, como matar pessoas que foram vítimas de violência? Sim.

    Deus não forçou a existência do mal (nas merdas dos homens); mas se o mal não fosse permitido (nas más escolhas dos homens), então as virtudes mais elevadas da Perfeição Dele não poderiam ser atingidas.

    O mal existe porque seu deus quer que exista. Todo mundo seria bom e tudo viveria em paz. Sorte que esse deus psicopata é invenção. E Jó, o justo que foi sacaneado por causa de uma aposta, não teve que sofrer nada.

  • Wellington Silva

    Não viaja. Seu Delz (ser imaginário) não deu livre arbítrio para ninguém. Esqueceu que ele matou praticamente a toda humanidade, pois não concordava com as escolhas.

  • Wellington Silva

    Delz nunca deu livre arbítrio. Simplesmente matou a todos quando não concordou com suas escolhas.

    Sou Ateu e sei que não existe seres imaginários, mas o argumentos dos cristãos e a aposta de pascal só demonstrada que a realidade destrói qualquer ser imaginário.