Avô estupra neta e põe a culpa no Diabo

O mundo é louco e desmedido. Por mais que eu fique zuando às vezes, tem notícias que me faz pensar “que merda deu na humanidade?”. Se bem que eu paro mais dois minutos e chego na conclusão: “Çaporra sempre foi assim, principalmente depois que surgiu a Humanidade”. Não que outros animais não ajam feito animais (DSCLP), mas animais não inventam merda de desculpa furada, como é um caso de um maníaco de 54 anos que achou uma excelente ideia estuprar a neta de 7.

A desculpa para este ato vil? Ah, ele estava tentado pelo demônio. Mal aê!

Encapetado, desejando que Belzebu adentre o ânus de estupradores com seu tridente gigante, esta é a sua SEXTA INSANA!

Continuar lendo “Avô estupra neta e põe a culpa no Diabo”

O Experimento do Acidente de Carro

Você vê um acidente. Claro, como você não é cego, você sabe dizer muito bem o que aconteceu, certo? Você viu, está ali. Você é capaz de dizer a gravidade do acidente, não é mesmo? Bem capaz de você achar que sim, mas não é verdade. Você pode ser facilmente influenciável já na hora de tomar depoimento.

Isso tem algo demais? Tem sim, pois um depoimento manipulado pode mudar todo curso de uma investigação e mandar pessoas para a cadeia por uma falsa acusação de assédio sexual.

Continuar lendo “O Experimento do Acidente de Carro”

Reino Unido apresenta um caso de mutilação genital feminina a cada duas horas

A religião faz as pessoas mais éticas e mais ciosas da moralidade das ações, e bons exemplos. É o que vivem dizendo para pessoas como eu que acham que religiões são um câncer sociológico (eu diferencio religiosidade, a tendência do ser humano a se conectar com algo fora da Natureza, de religião, o sistema organizado de controle). O tempo que perdem falando isso para mim poderiam usar para explicar aos próprios religiosos.

Obviamente, não aceitam isso; daí acontece um aumento absurdo de mutilação genital na Inglaterra e em toda Grã Bretanha, devido à onda de refugiados de religião muçulmana. Mas é a religião deles, temos que respeitar.

Continuar lendo “Reino Unido apresenta um caso de mutilação genital feminina a cada duas horas”

Homem acusado de estuprar crianças foi linchado. Ele era inocente

As pessoas acham lindas essas fanfics retardadas com crianças de 4 anos dando lições de moral por aí. Inventar histórias pode não dar em nada, mas pode acabar em tragédia. Você pensa que a mídia tem responsabilidade de não veicular qualquer coisa, mas não é verdade e um dos mais evidentes casos de como o jornaleirismo irresponsável pode acabar com a vida de alguém é o caso da Escola Base. Alguém tirou da cavidade retal que era um lupanar, um antro de devassidão, com uma legião de pedófilos que abusava sexualmente de criancinhas pequenas. Nenhuma prova, mas se o jornal falou é verdade. A vida dos diretores do colégio foi destruída, nunca mais se reergueram, apesar de ganharem ações judiciais. Ainda assim foi pouco pelo que eles passaram.

Ontem li uma notícia sobre um caminhoneiro que tinha sido acusado de sequestrar e violentar duas crianças. As testemunhas relataram que o pegaram no flagra. Mais pessoas se juntaram e meteram a porrada no sujeito que foi em estado grave para o hospital, acabando por falecer lá.

Exames indicaram que não houve violência sexual.

Continuar lendo “Homem acusado de estuprar crianças foi linchado. Ele era inocente”

O Problema com os Refugiados

Com a imensa massa de refugiados, o medo paira sobre as cidades. Não só o medo do terrorismo ou da vingança de grupos extremistas, mas da onda xenofóbica de outros grupos extremistas, que acham que não deveriam receber aquela massa de pessoas.

Vários casos de estupro  foram denunciados. O percentual aumentou absurdamente. Países estão pedindo para moças se vestirem sem usar roupas curtas para não ofender a população islâmica que está chegando e não pode ser ofendida.

O pavio foi aceso e os djinns estão prontos para o caos, e vamos entender o porque nete vídeo, edição extra.

Continuar lendo “O Problema com os Refugiados”

Mundo Ético: Foca fofinha passa o rodo em pinguins sexys

O mundo de Hades prova que toda a tosqueira que vemos por aí não é nada comparado com o que a Natureza pode prover. São chimpanzés assassinando, besouros guerreando,  formigas escravizando e, agora, o mundo internético está de pernas pro ar ao saberem (depois de muito tempo, mas só agora saiu nos sites de notícia) que foquinhas lindinhas estupram os coitados dos pinguins.

Muitos, como eu, estão achando muito engraçado. Outros estão achando que isso incentiva homens a estuprarem mulheres e, bem, o feminismo está aí, né?

Continuar lendo “Mundo Ético: Foca fofinha passa o rodo em pinguins sexys”

Entidades de defesa da mulher lutam contra o “Bolsa Estupro”

Com colaboração de Rafael Zeitouni

E no mundinho ridículo chamado Brasil, onde até mesmo o bizarro é corriqueiro, a bancada evangélica se mostra mais tosca, ridícula, estúpida e absurda do que de costume.

Dois deputados da bancada evangélica para terem o prazer (ops) de impedir a lei que regulariza o aborto, inventaram algo que é digno de risos, se não fosse um acicate às mulheres: O Bolsa Estupro!

Os nomes dos dois irresponsáveis são Henrique Afonso (PT-AC) e Jusmari Oliveira (PR-BA). O relator, José Linhares (PP-CE), padre da Igreja Católica, deu parecer favorável ao pagamento da mensalidade. Guardem estes nomes.

Exatamente. Eles prevêem uma pensão para mães de crianças nascidas fruto de violência sexual. Algo no mínimo deplorável e no máximo de uma atitude vil e selvagem, assim como o criminoso que perpetra tal crime. Entidades de defesa da mulher entraram no combate e a porradaria começou (em termos metafóricos, mas bem que os dois boçais merecem apanhar literalmente). Continuar lendo “Entidades de defesa da mulher lutam contra o “Bolsa Estupro””

A epidemia do estupro étnico

criancamuculmana.jpegNa Austrália, Noruega e Suécia, há um crime racial específico ocorrendo: homens islâmicos estupram mulheres ocidentais por razões étnicas. Isso é sabido porque os criminosos declaram abertamente suas motivações sectárias.

Adolescentes australianas foram sujeitadas a horas de degradação sexual durante uma série de violações em grupo em Sydney, entre 1998 e 2002. Os criminosos moldaram a razão para suas ações em termos explicitamente étnicos: as vítimas eram chamadas de “sluts” e “porcas australianas” enquanto abusadas. Na corte suprema australiana em dezembro de 2005, um estuprador paquistanês declarou que suas vítimas não tinham direito de dizer “não”, porque não escondiam o rosto sob o véu. Continuar lendo “A epidemia do estupro étnico”