Cientistas ajudam a fazer batata frita no espaço

Em tempos de mandarmos sondas, rovers e satélites para Marte, enquanto o Brasil investe em um satélite que mais serviu de míssil balístico, estamos apenas esperando o momento em que pudermos mandar um astronauta para o Planeta Vermelho. O problema está que a viagem é longa e o máximo que se puder tornar a vida dos tripulantes o mais confortável possível, mais garantida será o sucesso da missão, pois se comida de hospital já é uma bosta, imaginem aqueles trecos que são servidos na Estação Espacial Internacional.

É importante para o psicológico das pessoas estarem o máximo em sintonia com a vida na Terra, e como quase todo mudo gosta de fritura (se pode comer é outra história), fica a pergunta: conseguiríamos arrumar alimentos que pudessem ser fritos no interior de uma nave espacial, sem risco de explosão ou todo mundo ficar fedendo a gordura? No que depender de alguns cientistas, fritar batata em Marte não será problema.

Continuar lendo “Cientistas ajudam a fazer batata frita no espaço”

Uma viagem pelos confins do Universo

Eu sou um admirador do Universo. Todo ele, como uma coisa única,. um sistema único, algo incomparável, até que me mostrem outro universo. Seu tamanho é absoluto, suas dimensões causam um nó no nosso pensamento primitivo, incapaz de racionalizar com perfeitção algo que escape do alcance de nossos olhos.

Eu os convido para uma viagem por ele, entre aglomerados globulares, galáxias e tudo que estiver pelo caminho.

Continuar lendo “Uma viagem pelos confins do Universo”

Substância promete fazer astronautas hibernarem em viagens longas

Não conheço um autor de ficção científica que não use o método de hibernação para astronautas em suas histórias. Desde Alien – o 8º Passageiro até Eclipse Mortal, passando pelo Fim da Infância, de Arthur Clarke, entre muitas outras obras, usam esse artifício. Mas por quê?

O Universo é vasto, muito vasto. Uma nave espacial não teria como cruzá-lo. Buracos de Verme são apenas uma suposição, ou seja, aqueles “atalhos” que ligam diferentes partes do Universo. Naves, como nós concebemos HOJE (frisem bem esse “hoje”), não podem viajar em velocidade Warp me Einstein é implacável nisso: NADA pode viajar à velocidade da luz, a não ser a própria luz. Sendo assim, para uma possível colonização espacial, a Ciência caminha lado-a-lado com a Ficção (ou será vice-versa?).

Cientistas estão testando se seria possível colocar astronautas em animação suspensa, de modo que “acordem” quando chegarem ao seu destino. Maluquice? Pode er. Assim como um navio andando debaixo d’água era algo inconcebíbel no tempo de Leonardo DaVinci ou o homem sair da Terra, caminhar na lua e voltar para contar a história… Continuar lendo “Substância promete fazer astronautas hibernarem em viagens longas”