Os buracos da autoestrada da informação

Estamos na Era da reclamação. Isso é um ponto indiscutível. Antes, a gente entrava na Internet para buscar informações; e encontrávamos! Hoje, entramos na Internet para dizer que não encontramos informação alguma, que é um absurdo, como assim me pedem coisas que eu não sei, como irei aprender, bláblábláblá.

Continuar lendo “Os buracos da autoestrada da informação”

Por que a Internet não é um Nirvana

Depois de duas décadas on-line, estou perplexo. Não é que eu não tive um bom tempo na internet. Conheci grandes pessoas e até peguei um hacker ou dois. Mas hoje, estou desconfortável com essa comunidade mais moderna e supervalorizada. Os visionários veem um futuro de trabalhadores fazendo home office, bibliotecas interativas e salas de aula multimídia. Eles falam de reuniões eletrônicas de cidades e comunidades virtuais. Comércio e negócios mudarão de escritórios e shoppings para redes e modems. E a liberdade das redes digitais tornará o governo mais democrático.

Besteira. Os nossos especialistas em computadores não simancol? A verdade é que nenhuma base de dados on-line irá substituir o seu jornal diário, nenhum CD-ROM pode substituir um professor competente e nenhuma rede informática irá mudar a forma como o governo funciona.

Continuar lendo “Por que a Internet não é um Nirvana”

Internet Brasileira 2.0: Nada de criança assistindo

Já faz longos 10 anos que publicamos A nova Internet brasileira: Um guia ilustrado!, uma sátira às leis idealizadas pelo Eduardo Azeredo. Todo mundo achou engraçado na época, mas o tempo passa e as “boas” ideias sempre votam à baila. Assim, temos vindo aí o projeto de lei 2.390/2015 (viram a data? Pois é). Este projeto de lei altera a Lei nº 8.069, de 12 de julho de 1990, criando o Cadastro Nacional de Acesso à Internet, com a finalidade de proibir o acesso de crianças e adolescentes a sítios eletrônicos com conteúdo inadequado.

O que é considerado inadequado? Calma que tenho que perguntar ao Grande Irmão!

Continuar lendo “Internet Brasileira 2.0: Nada de criança assistindo”

Qual será o futuro do Martelo?

Meu site é um site de Ciência e pensamento crítico. Já demonstrei várias vezes que podemos (e devemos) ter pensamento crítico com qualquer coisa. O ato de pensar não depende das aulas toscas do pessoal da Filosofia, uma área importantíssima mas que só forma professores de Filosofia que aprendem a ensinar o quanto Filosofia é importante. Então, pensemos na nossa moderna tecnologia. Pensemos em tudo o que nos cerca. Pensemos em como as coisas estão magníficas, como os lançamentos que a moderna tecnologia tem nos apresentado, Vamos apresentar as perspectivas para um futuro próximo (e talvez imaginando um futuro distante) de uma das maiores maravilhas criadas pelo homem.

HAMMER TIME!!

Continuar lendo “Qual será o futuro do Martelo?”

Segundo Papa, internet fragmenta a cultura e faz críticas descuidadas

É público e notório que o Império do Mal Vaticaniano nunca foi muito fã da cultura e divulgação científica. patrocinou muitas Universidades, claro; mas fundamentalmente para servirem de instrumentos de fé, preferindo abolir o que chamavam de Quadrivium, isto é, o ensino de aritmética, geometria, música e astronomia, preferindo em seu lugar o Trivium gramática, dialética (ou lógica) e retórica. Isso por motivo de formar melhores debatedores sobre as questões eclesiásticas.

No início, a invenção da Imprensa foi vista como inimiga da fé, pois popularizaria ensinamentos não aprovados pela Igreja. A partir daí surgiu o Index Librorum Prohibitorum (Índice de Livros Proibidos), que por sinal ainda existe e está lá guardadinho nos arquivos secretos do Vaticano. Além de registrar os livros que os fiéis NÃO DEVIAM ler (como se todo mundo fosse alfabetizado na época), ele visava que as pessoas um pouquinho mais esclarecidas tomassem conhecimento do que andava acontecendo, bem como sobre o avanço do protestantismo.

Atualmente, a briga é por outra fonte de popularização do conhecimento: A Internet! O Papa Chico Bento XVI afirmou que a internet se transformou em um instrumento de fragmentação da cultura, e que a crítica e o discernimento das tradições acadêmicas e éticas são, às vezes, descuidados. A declaração foi feita nesta segunda-feira (11/05), durante a visita dele a Jerusalém. Continuar lendo “Segundo Papa, internet fragmenta a cultura e faz críticas descuidadas”