Dasht-e Lut, o lugar mais quente da Terra

Quando falamos de deserto, vêm-nos à mente o deserto do Saara, o segundo maior deserto do mundo em extensão. Sim, eu sei que você vai me corrigir, mas quando se fala em "deserto", devemos compreender que nem todo deserto é quente. Há um deserto bem maior que o Saara, tão desolado quanto, mas não tão quente. A bem da verdade, não é nada quente. Estou falando da Antártida (sim, aquilo é considerado um deserto e se você pensar bem, vai entender o porque).

O Saara só pode ser considerado como o maior deserto, se considerarmos apenas o deserto mais quente. Entretanto, não é o mais vazio (e se levar em conta a SAARA no Centro do Rio, aí mesmo que isso não se aplica), não é o mais seco e, com certeza, não é o mais quente de todos. O mais quente fica no Irã e é o Dasht-e Lut, do qual você saberá um pouco mais no LIVRO DOS PORQUÊS.

Continuar lendo “Dasht-e Lut, o lugar mais quente da Terra”

Do desastre que causa um desastre ainda pior

A prefeitura da cidade do Rio de Janeiro já está com o dito cujo na mão. Todo ano acontece as mesmas chuvas, com as mesmas perdas, com a mesma ação (ou inação) das autoridades. Todo ano as chuvas causam estragos, desabamentos, mortes e o máximo que as "autoridades" fazem é apelar para fundações da cobra sei-lá-das-quantas a fim de pedir, de pés juntinhos, que não chova 3 dias sem parar, independente de qualquer mágoa. O próprio ministro Aloizio Mercadante, afirmou que o governo não tem como impedir mortes neste verão e nos próximos. Se bem que agora ele mudou a conversa dizendo que fará de tudo para conter as tragédias. Políticos e suas volatilidades…

Se você pensa que isso é ruim o suficiente, tenho – não o prazer – mas o dever de lhe trazer mais más notícias (que linda construção para pessoas que não sabe escrever!): estudos indicam que não basta ter uma chuvarada se a Natureza pode nos brindar com algo pior. De acordo com cientistas, chuvas torrenciais não só levam sua casa embora como podem causar até mesmo terremotos.  A Natureza é um primor de perfeição!

Continuar lendo “Do desastre que causa um desastre ainda pior”

Grandes Nomes da Ciência: Al-Biruni

Um artigo que me deu trabalho e gosto de escrever foi os dos 1001 anos da Ciência Islâmica, onde os entelequituais do Orkut acham que estava errado pois muçulmanos sempre foram terroristas e “sabemos” que a ICAR foi quem construiu universidades na Europa, apesar de eu ter refutado bobagens e embasado todo o texto com fontes. Leitura? Para quê? Mas faltou muita coisa naquele texto, e eu pretendo sanar isso aos poucos (de preferência quando me der vontade). Assim, teremos algo sobre um dos maiores gênios da sabedoria árabe. Seu nome é Al-Biruni e ele simplesmente mostrou o tamanho não só do Império Árabe como de todo o planeta.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Al-Biruni”

A estrela que nos guia

Por muito tempo, o Sol foi a única estrela de real importância para nós. Depois que adquirimos membros, aprendemos a caminhar pela terra e depois resolvemos nos voltar para o mar, milhões de anos que nossos primos cetáceos, percebemos que era preciso algo que nos ajudasse a enfrentar o desconhecido, que nos guiasse por terras e mares inexplorados e, principalmente, algo que nos ajudasse a voltar para casa. ao olhar para terra ou mar, vimos que não adiantava muito, pois nada nos era familiar. Portanto, olhamos para cima e vimos algo que estaria sempre ali, para nos dar conforto e a chance a promessa de segurança e um retorno garantido.

Continuar lendo “A estrela que nos guia”

Pesquisa mostra que Mar Mediterrâneo sofreu uma grande enchente

Segundo Daniel García-Castellanos, membro do grupo de pesquisa do Instituto de Ciências da Terra Jaume Almera, de Barcelona, o Mar Mediterrâneo se encheu em menos de dois anos com as águas do Oceano Atlântico que atravessaram o estreito de Gibraltar com um volume mais de mil vezes superior ao atual do Amazonas. Isso, com toda a certeza, fará com que um bando de idiotas criaBURRIcionistas aleguem que está definitivamente provada a ocorrência do Dilúvio.

Só tem um probleminha nisso: tal fato aconteceu há 5,33 milhões de anos. Nessa época ainda não haviam Homo sapiens; logo, Noé continua sendo apenas conto da carochinha. Amarguem mais uma, crias. :mrgreen: Continuar lendo “Pesquisa mostra que Mar Mediterrâneo sofreu uma grande enchente”

A conquista do Pólo Norte e os problemas de acreditar sem provas

Li um artigo de John Tierney para o The New York Times em sua coluna Findings sobre a suposta conquista do Pólo Norte por Frederick A. Cook e Robert E. Peary. O artigo era intitulado “A Clash of Polar Frauds and Those Who Believe”, que em uma tradução séria seria vertido para “Um choque de fraudes polares e aqueles que acreditam”, onde o Terra teve a delicadeza de alterar para “Chegada ao Pólo Norte em 1909 foi maior fraude da Ciência“. Claro que não perderei meu tempo com tradutores e suas manchetes bombásticas, já que eles precisam chamar a atenção e, bem, sabemos como brasileiro adora mudar títulos e o cinema é uma prova maravilhosa disso.

O artigo versa sobre como os dois exploradores arrancaram uma grana de alguns patrocinadores – o The New York Times (vamos abreviar para NYT) era patrocinador de Robert Peary, e aposto que ainda deve guardar rancor até hoje – sem que tivessem realizado absolutamente nada. O artigo menciona que isso foi “uma grande fraude na ciência”, mas que a tradução retardada do Terra traduziu como “uma grande fraude da ciência”. Aliás, é um artigo interessante, ainda mais que ele exprime algo que nós, difusores do pensamento científico, tanto adoramos: provas e evidências. E foi justamente isso que os dois pseudo-exploradores não apresentaram. Continuar lendo “A conquista do Pólo Norte e os problemas de acreditar sem provas”

Megainundação foi responsável pela separação da Inglaterra da Europa

É fácil cairmos em alguma armadilha intelectual ao sugerirmos uma mentira, entremeada com um mundo de fatos verdadeiros. O nosso velho conhecido Dilúvio, onde o pessoal age de subterfúgios como, por exemplo, alegar que acharam fósseis de animais marinhos em montanhas. Realmente, é verdade. Eles só “esquecem” de mencionar que tais fósseis datam de MILHÕES de anos! Muito, mas muito antes dos seres humanos aparecerem na Terra. O fato de haverem inundações tremendas no passado não significa que foi aquela inundação descrita no mito Bíblico. Continuar lendo “Megainundação foi responsável pela separação da Inglaterra da Europa”