Os muitos quilômetros de beleza da Noruega

E começa mais um ano. Um ano que eu espero que seja de muitas maravilhas, naturais ou produzidas pelo homem. Eu, particularmente, ainda estou de férias (e trabalhando mais em casa do que quando estou no serviço). Ainda assim ando bem vendo essa zoeira aí de vocês, pois, zoeira é que nem ano: mal acaba uma já emendam outra. De qualquer forma, compartilharei com vocês um vídeo que o Carlos me mandou. São as maravilhas da Noriega, cheias de curvas, de uma forma toda especial.

Continuar lendo “Os muitos quilômetros de beleza da Noruega”

Grandes Nomes da Ciência: Mary Anning

A moça caminha pela costa, com o som do mar reverberando. Seu cão corre saltitante e o vento farfalha a roupa da moça, com seu vestido longo, mangas compridas e chapéu cobrindo quase todo o rosto. Moças como ela trariam uma sombrinha, mas não aquela moça. Ela trazia algo um tanto diferente: uma picareta. Não, esta não é uma história de assassinato, vingança ou filme de zumbi. Esta é um pouco da história de uma das maiores paleontólogas da História, ainda que quase desconhecida em sua época, em que mulheres ficavam em casa e geravam criancinhas. Esta é a história de Mary Anning.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Mary Anning”

Um passeio pelo vulcão Barðarbunga

Os martelos de Hefestos ressoam. O ribombar de suas forjas enchem de medo a paisagem circundante. O fumo sobe do topo da montanha, cujas nuvens de cinzas e gás se iluminam pelas entranhas da Terra. Um grito de vitória vem das profundezas. Mais uma armadura está pronta, com a qualidade de que só o deus das armas seria capaz de fazer. Hefestos, filho de Zeus e Hera, caído em desgraça por ser feio, tornou-se o deus dos ferreiros, artesãos, escultores, metais e da própria metalurgia. O deus da  tecnologia, capaz de mil proezas com suas poderosas ferramentas. E no âmago da Terra, Hefestos trabalha em um calor inclemente, com um poder tão grande e antigo quanto o próprio mundo. Hefestos, deus dos Vulcões.

Com os poderes das profundezas da Terra, vulcões esmigalham nossa arrogância em achar que o mundo foi feito para nós, ridículas amebas de 2 pernas, muito boas para serem cozidas por uma nuvem piroclástica. Nossa tecnologia é incapaz de detê-los, mas não tão inferior que não possamos ver o que acontece dentro deles. Foi o que uma empresa que comercializa drones resolveu experimentar.

Continuar lendo “Um passeio pelo vulcão Barðarbunga”

Sealand: o menor país mundo e que não tem terras

Pense como seria jogar Rise of Nations na vida real. Pense que se você se apropriar de um determinado território, alguém irá querer lhe derrubar e você terá que lutar para expulsar os invasores. Pense que você terá que criar uma espécie de capitania hereditária, cunhar sua própria moeda, redigir leis e relegar aos seus descendentes o controle total sob o o lugar.

Isso até poderia ser a história do Brasil (e, em parte, é), mas estou falando de algo um tiquinho menor. Estou falando de uma micronação, Sealand e como a Inglaterra tomou na cabeça mais uma vez, envergonhando as rainhas Elizabeth I e Vitória.

Continuar lendo “Sealand: o menor país mundo e que não tem terras”

Por que as águas dos rios Negro e Solimões não se misturam?

Desde pequenos aprendemos fatos básicos de Geografia. Sabemos que o ponto mais alto do Brasil é o Pico da Neblina, como seus 2.993 metros de altura. Sabemos que ele fica no Amazonas, que também é o maior estado brasileiro, o qual também abriga o maior rio em volume de água do mundo, o Amazonas, o qual alguns dizem ser o maior rio em comprimento, embora a maioria concorde que o mais longo é realmente o Nilo (thanks, Raccoon).

Você sabe, porque frequentou colégio, que o Rio Amazonas só recebe este nome depois do encontro como o Rio Negro e o Rio Solimões. E também já ouviu falar que a água dos dois rios não se misturam. É verdade ou farsa do colégio? Só o Livro dos Porquês para responder!

Continuar lendo “Por que as águas dos rios Negro e Solimões não se misturam?”

USGS produz Mapa Geológico de Marte

Depois que Pedro Álvarez Cabral, fidalgo português que estudou na escola de Sagres (que sabemos nunca ter existido), chegou à Ilha de Vera Cruz, o rei, D. Manuel, o Venturoso (que título ridículo, Jisuis!), mandou organizar uma outra esquadra (já que Cabral fatalmente tirou da reta, pois de navegação e briga de galo não entendia nada) para dar uma fofocada por aqui. O sortudo foi Gaspar de Lemos, que veio pra cá na Primeira Expedição Exploradora, que durou entre 1501 e 1502.

Expedições assim eram para fazer reconhecimento do local, cartografar e descobrir as riquezas pelo lado de acá! Os caras eram macho bagarái, pois sequer tinham ideia do que iriam encontrar e o tipo de terreno.

Hoje, no século XXI, algum explorador que vá para Marte não precisará ter (muito) medo, pois nossa Ciência já é capaz de cartografar e fazer levantamentos geológicos de outros planetas, e é isso que foi feito para com o planeta vermelho!

Continuar lendo “USGS produz Mapa Geológico de Marte”

As misteriosas luvas-garras peruanas

Há muita coisa que nós não sabemos. Arqueólogos precisam montar cada pecinha de cerâmica mais velha que a sua avozinha para saber o que ela representa (a cerâmica, não a sua avozinha). Cada osso, cada fragmento de madeira, cada pedaço de tecido podem nos dizem muito sobre a civilização local, mas, por vezes, damos de cara com uma parece misteriosa. Algo que nunca se viu antes e tem um formato estranho, jamais visto. Esse é o caso de misteriosas luvas que parecem garras de um urso, encontradas no Peru e datam de 1500 anos. Um pouquinho mais velhas que a sua avozinha.

Continuar lendo “As misteriosas luvas-garras peruanas”

O poder ininterrupto do Klyuchevskaya Sopka

Um fumo negro sobe das montanhas do Leste. Nas terras de Mordor, onde as sombras se deitam, o horror é forjado a ferro e fogo. Orcs dançam nas profundas cavernas, enquanto balrogs não ousam sequer a chegar perto. Um troll das montanhas olha pro céu, seguro que o raiar do sol não o transformará em pedra, pois está tudo escuro. Longe dali, os Homens do Oeste esperam pelo que pode vir de maligno, pois o Senhor do Escuro trabalha. E quando ele termina, ele diz: Ash nazg durbatuluk, Ash nazg gimbatul, Ash nazg thrakatuluk, Ugh burzum-ishi krimpatul, Uzg-Mordor-ishi amal fauthut burguuli.

As terras tremem e as forças nefastas se espalham… Ou pelo menos seria assim se o mundo fosse mais divertido. Como este planetinha é meio sem graça, estou apenas falando de um vulcão, mesmo.

Continuar lendo “O poder ininterrupto do Klyuchevskaya Sopka”

… E eu levantarei o mundo!

Eu não sou um ludita. Adoro meu computador, meu smartphone, meu tablet, minha TV e até micro-ondas. Vejo o potencial de cada coisa e como elas são tolamente desperdiçadas. É chato dizer "no meu tempo", mas quando você viveu num tempo em que o auge do conhecimento era ter uma coleção da Barsa ou da Conhecer (e todos o olhavam com respeito e inveja por causa disso), há uma tendência maior a dar valor ao que não tínhamos em nossa época; e mesmo assim fazíamos nossas maravilhas.

Ainda assim não gosto do atual termo "tecnologia". Ela sempre existiu, sempre no seu tempo. O que vemos de tecnológico hoje, será brincadeirinha de bebês daqui a alguns anos. O que não muda é o fascínio em como os antigos resolveram muitos problemas. Um deles era Arquimedes, o homem que disse que se lhe dessem um ponto fixo no espaço, ele levantaria a Terra.

Levantaria mesmo? É o que o Livro dos Porquês analisará agora.

Continuar lendo “… E eu levantarei o mundo!”

Cientistas brasileiros descobrem continente esquecido, mas não tem dinossauro lá

Se você já ouviu falar do Serviço Geológico do Brasil (nome fantasia do Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais – CPRM), parabéns, você faz parte de uma minoria. Se não sabe, mas tem um polegar opositor, clica na porcaria do link escrito "A Instituição" e, em seguida "Apresentação". Estou sem saco de explicar, ainda mais se você não foi capaz de sacar para que serve um serviço geológico.

Em maio deste ano, o pessoal do CPRM, no que foi definido como "um esforço de grupo com a Japan Agency for Marine-Earth Science and Technology – JAMSTEC" (mas sem tentáculos) anunciou o que seria indícios de um continente perdido entre a África e a América do Sul, mais especificamente na costa do estado do Rio de Janeiro.

Continuar lendo “Cientistas brasileiros descobrem continente esquecido, mas não tem dinossauro lá”