Antidepressivos não são tão eficazes quanto se pensava

De acordo com a OMS, há cerca de 300 milhões de pessoas afetadas pela depressão. Entre os muitos problemas que podem levar, estima-se que a depressão é responsável por cerca de 800 mil suicídios todos os anos, sendo a segunda principal causa de morte em jovens de 15 a 29 anos. Um dos principais antidepressivos receitados é o cloridrato de sertralina (também conhecido como “sertralina”).

Agora em a bomba: uma intensa investigação reportou que o antidepressivo mais comumente prescrito mal alivia os sintomas da depressão moderna, em que os pacientes que tomaram a sertralina não passaram de melhorias insignificantes no humor. Alguma coisa errada não está certa!

Continuar lendo “Antidepressivos não são tão eficazes quanto se pensava”

Misturar opioides com canabis para tratar dor não dá final feliz

Todo mundo sabe que misturar diferentes tipos de medicamentos para o mesmo fim não dá final feliz. O problema é que quem deferia saber, parece que não sabe, e nem estou levando em conta a auto-medicação por motivos que vocês já vão saber daqui a pouco. Bem, uma pesquisa abordou sobre prescrições médicas que estão receitando canabis e opioides como forma de tratamento de dores. Sim, ao mesmo tempo.

Resumo da pesquisa: Deu ruim, mano. Muito ruim!

Continuar lendo “Misturar opioides com canabis para tratar dor não dá final feliz”

Fingir sorriso faz com que trabalhadores saiam e metam a cara na cachaça, segundo pesquisa que não disse isso

Se tem um site que eu gosto muito é o Spurious Correlations. A melhor tradução para isso é “Regressão Espúria”, que se trata de uma relação estatística existente entre duas variáveis, sendo que uma não tem nada a ver com outra. O Spurious (para encurtar) pega dados estatísticos de duas ocorrências que nem em sonho estariam relacionadas, mas acabam tendo uma curva praticamente igual, como o gasto anual do Estados Unidos com Ciência, Espaço e Tecnologia e o número e mortes por enforcamento, estrangulamento e sufocação.

Por mais que a vida de cientistas seja difícil, creio que mais dinheiro em forma de verba não seja motivo pro pessoal se enforcar.

De qualquer forma, foi disso que me lembrei quando li que uma pesquisa descobrira que empregados que se forçam a sorrir e serem felizes na frente dos clientes podem estar em risco de meter o pé na jaca depois do trabalho.

Continuar lendo “Fingir sorriso faz com que trabalhadores saiam e metam a cara na cachaça, segundo pesquisa que não disse isso”

Síndrome do Impostor

Você estuda, se esforça, trabalha, rala pra danar e, quando chega aonde deseja, bate uma insegurança, como se nada daquilo fosse seu mérito. Você se recusa a aceitar que você é realmente merecedor daquilo, que não passa de um enganador, de um tolo, um mentiroso e… um impostor! Não se preocupe, isso é uma condição psicológica e você pode se livrar dela.

Mas o que diabos é Síndrome do Impostor?

Continuar lendo “Síndrome do Impostor”

Das banalizações que deprimem

O problema do mundo é a simplificação de coisas realmente sérias e a “serificação” de brincadeiras. Piadas são vistas como uma ofensa pessoal a pessoas que não foram o foco da piada, mas acham que quem foi TEM que ficar ofendido, mesmo dizendo que não está. Diametralmente a isso, está o pessoal que banaliza doenças mentais, por exemplo. Um exemplo disso foi uma postagem imbecil de uma pessoa que entende tanto de depressão quanto um jabuti entende de pesquisa aeroespacial e resume tudo a um meme que encontrou na Internet.

Continuar lendo “Das banalizações que deprimem”

O Efeito Lúcifer ou o Experimento de Stanford

Em 1971, o dr. Phillip Zimbardo queria estudar como era o comportamento de prisioneiros e guardas dentro de um presídio. Ele idealizou um experimento simulando isso nos porões da Universidade de Stanford (daí o nome). Tudo ia bem e parecia estar tudo nos conformes, até que aconteceu uma das coisas mais aterradores em termos de comportamento humano. Tão aterrador que este experimento não só ficou conhecido como Experimento de Stanford, mas também de “Efeito Lúcifer”

Continuar lendo “O Efeito Lúcifer ou o Experimento de Stanford”

A Baleia Azul do Mal

E temos mais uma insânia. Essa onda de gente que cismou com o tal jogo da Baleia Azul, criado por algum imbecil desocupado, se aproveitando de pessoas que já não estão na melhor das condições de equilíbrio emocional.

São vários “desafios”, como ver filme de terror às 4 da manhã, se cortar e culminando em tirar a própria vida. Alguns fizeram vídeos sobre isso explicando o que está acontecendo. Eu preferi outra abordagem.

Continuar lendo “A Baleia Azul do Mal”

Maconha deixa seu cérebro com funcionamento anormal e QI Baixo

Em setembro deste ano aconteceu o festival de humor negro da Internet brasileira (não que isso não aconteça todos os dias). Uma distinta senhorita que assina como Cah Nabis postou no Twitter dando boa noite a todos depois de ter perdido uma perna, pois estava lindamente com a cabeça voada no jererê, fazia surf ferroviário, e quando foi pular do trem, fez alguma caca tão grande que teve que amputar a perna.

O presente artigo não tem nada a ver diretamente com a Cah, mas uma explicação do que aconteceu: Uma pesquisa mostra que o uso da maconha cada vez mais precoce resulta em função anormal do cérebro, baixo QI e, segundo informações paralelas não confirmadas, uma louca vontade de comentar em portais de notícia.

Continuar lendo “Maconha deixa seu cérebro com funcionamento anormal e QI Baixo”

Estrutura cerebral que regula a emoção é passada de mãe para filha

Como nós desenvolvemos nossas características emocionais? De onde essas emoções vêm? Bem, claro que é do coração, pois nós pensamos com ele, enquanto o cérebro só serve para refrigerar o sangue. Ainda bem que desenvolvemos Ciência, ou você estaria acreditando nesta bobagem até hoje, já que o grande gênio científico do Aristóteles falou essa e muitas outras idiotices, como mulheres tendo menos dentes que homens, mesmo tendo sido casado duas vezes. O amigo da sabedoria não gostava tanto assim de sequer olhar pro que tinha na sua frente.

Uma pesquisa estudou 35 famílias ´para saber como (e se) as emoções são características que passam de pais para filhos. Bem, o que foi descoberto não é uma regra dessa forma, mas que podem ser transmitidas de mãe para filhas, mas não tão comumente no caso de mães para filhos (homens). Pais não entraram na história, como sempre. Mas como isso acontece?

Continuar lendo “Estrutura cerebral que regula a emoção é passada de mãe para filha”

Apatia pode estar escondida na estrutura do cérebro

A apatia é a mais comum síndrome neuropsiquiátrica na doença de Alzheimer, que também é tida como uma síndrome, pois tem-se o prejuízo de memória, funções executivas, e, na evolução da doença, pode aparecer outras coisas, sintomas parkisonianos, epilepsia, comprometimento autonômico etc. Só a apatia afeta entre 30 e 60% dos pacientes, e pode ser definida como perda de motivação e se manifesta com alterações afetivas, cognitivas e comportamentais, determinando, respectivamente, redução da resposta emocional, perda de autocrítica e retração social. Fonte

A apatia acaba sendo a falta de vontade de fazer qualquer coisa, sendo comum em depressão e em certos tipos de esquizofrenia, mas por outros motivos. Agora, pesquisadores encontraram evidências de uma base biológica para a apatia em pessoas saudáveis. Mas o que isso tem a ver com Alzheimer?

Continuar lendo “Apatia pode estar escondida na estrutura do cérebro”