Vilão da vez: Hand Spinner do Mal

O Brasil é fantástico, mas é meio lentinho. Começou esse pião gourmetizado chamado hand spinner, o nome abrasileirado do fridget spinner (não pergunte!). antes tido como uma maravilha por pedagogos, o que não significa muito, e virou mania entre as crianças. Alguns até inventaram a fanfic que ele é ótimo para autistas. Curiosamente, todos os autistas que eu conheço não tem. Aliás, deve ser realmente ótimo uma criança com uma zica cerebral (se eu chamar “doença” vão me crucificar, mesmo sendo) que a faz ter movimentos e comportamentos repetitivos ter um brinquedo que tem um movimento repetitivo. Quem é a fonte que ele é usado para o tratamento de autistas e é ótimo para relaxamento? Jornais e vendedores de hand spinners. As fontes são confiabilíssimas!

Continuar lendo “Vilão da vez: Hand Spinner do Mal”

Ajude seu filho a dominar o mundo, dando um brinquedo de prototipagem

Sim, amigos e amigas que têm aspirações maiores do que trabalhar como balconista de loja de bombom de subúrbio. Você que sonha em ver seu filho num Mecha, rumo à dominação global, resolveu que ensinar engenharia a ele é o Caminho, fazer da sua filha uma cientista é a Verdade, pois fazer de seus pimpolhos pequenos químicos é a Vida e que discursos sobre cientificismo são para limpar a bunda, taí a sua chance de ajudar.

Uma empresa sueca resolveu antecipar o Apocalipse Robótico desenvolvendo um modelo para prototipagem que promete construir as coisas mais maneiras que pode existir. O negócio é tão simplesmente genial (e genialmente simples) que todos vocês darão um tapa na cabeça e dirão "merda, por que não pensei nisso?"

Continuar lendo “Ajude seu filho a dominar o mundo, dando um brinquedo de prototipagem”

Faça do seu filho um pequeno cientista. Me agradeça depois

Eu sempre quis ter uma coisa, mas nunca tive quando pequeno: um kit de pequeno cientista. Era uma coisa tão mágica para mim que devia ser a verdade suprema trazida por Moisés (na época que acreditava em Moisés, Noé e outros contos de fada). Não ganhei um kit daqueles, mas ganhei um Falcon. Eu matei muitos exércitos inimigos com meu Falcon, antes que psicopedarretardadas decidirem que isso poderia me transformar num psicopata. Não transformou. Virei um psicopata por outros motivos. Tempo passou e acabei me esquecendo daquilo. A gente entra naquele período em que alcança a Sabedoria Suprema e acha que sabe tudo – período que chamam de "adolescência". Na faculdade eu vi como a Química ensinada no Ensino Médio era a coisa mais ridiculamente inútil, chata, incômoda e totalmente sem o menor sentido. Não tinha percebido que a Química poderia ser muito mais, já que eu não tinha brincado com kits de Química (meus kits eram improvisados com xampus, cremes, detergente, óleo etc, tendo meu cachorro como cobaia. Me divertia um bocado antes de ganhar minha merecida surra).

Mas e hoje? O que temos?

Continuar lendo “Faça do seu filho um pequeno cientista. Me agradeça depois”