O corpo safado que fez a Terra levar ferro

Estrelas (entre elas o nosso Sol), são basicamente formadas por hidrogênio e hélio. Naquela imensa fornalha termonuclear, núcleos se fundem produzindo elementos cada vez mais pesados. Dependendo do tamanho da estrela, elas podem explodir sob a forma de supernovas, espalhando todo o seu material estelar. Quanto maior a estrela, mais núcleos pesados são formados. Hidrogênio se funde em hélio, que podem se fundir formando lítio, boro e carbono. Estrelas de massa realmente alta (para padrões de estrelas, e nosso Sol nem é tão grande assim) irão iniciar a queima de núcleos de carbono e estender mais a sua existência. As de massa ainda maior irão também fundir neônio depois de usar o carbono e assim por diante. Isso até produzir ferro, então, tudo muda. A síntese de núcleos mais pesados a partir do ferro absorve ao invés de liberar energia, e a estrela começa a esfriar. Com o tempo, este nucleozão de ferro comporá asteroides. Estes asteroides são capturados pela gravidade terrestre e cruzam os céus; então, recebem o nome de meteoros. Quando caem no chão, a rocha formada é chamada de “meteorito”.

Pronto, resumi bem a origem do ferro no planeta. Já posso abrir uma cerveja porque meu trabalho está feito, certo?

Continuar lendo “O corpo safado que fez a Terra levar ferro”

Melhor Coreia bota quente e explode bomba H… diz a lenda

A Coreia do Norte, vulgo melhor Coreia, é o melhor exemplo de um país que parece ter sido fundado para ser um eterno meme, mas não para quem mora lá. Aquela tristeza mais parece um filme de terror, entre a paranoia estatal e a aquiescência bovina do povo, que chega ao fanatismo, o que, claro, é fomentada pelo Estado.

Agora, houve anúncio que a Melhor Coreia detonou uma bomba termonuclear, também chamada de bomba de hidrogênio, ou Bomba H para os íntimos.

Continuar lendo “Melhor Coreia bota quente e explode bomba H… diz a lenda”

CERN encontra partículas semelhantes ao Bóson de Higgs

Por que este famigerado bóson é importante? Aliás, o que é um bóson? É de comer? Bósons são partículas que possuem spins inteiros e obedecem à estatística de Bose-Einstein, por exemplo, o fóton, o glúon, o átomo de Hélio-4 e o bóson de Higgs. Isso já ajuda a elucidar muita coisa, certo? Pra mim, não. A questão é que essas partículas ajudam a explicar como o Universo é o que é, e eu não perderei meu tempo gastando bytes desnecessários para explicar cada um deles.

Detectar essas partículas não é algo fácil, ainda mais o tão falado bóson de Higgs, que em tese seria a partícula que explica porque as coisas possuem massa, a qual deforma o espaço-tempo em maior ou menor grau. Ele era uma das partículas mais caçadas pelos cientistas do CERN, que até agora não tinham achado nadica de nada… pelo menos, até agora.

Continuar lendo “CERN encontra partículas semelhantes ao Bóson de Higgs”

Dúvidas sobre Bóson de Higgs? PhD. Comics ensina

PhD Comics é um site de tirinhas de humor acadêmico, por assim dizer. Suas piadinhas muitas vezes são herméticas para aqueles não conhecimento do dia a dia das universidades e como pobres coitados de estagiários e formandos sofrem na mão de professores e orientadores sádicos (sim, eu também passei por isso). Normnalmente as pessoas riem, sem saber direito o porquê. Acontece.

O vídeo abaixo foi feito visando explicar o básico de atomística até chegar no que realmente importa: O que é este famigerado Bóson de Higgs?

Continuar lendo “Dúvidas sobre Bóson de Higgs? PhD. Comics ensina”

Do micro ao macro: uma viagem com escala de tamanhos

Nada é mais difícil de racionalizar do que tamanhos. Quando eu falo que meu irmão tem 1,90 m de altura, vocês conseguem ter uma ideia de quão grande ele é. Se eu disser que minha irmã “pesa” (sim, eu sei) 100 kg, vocês têm uma noção que ela é maior que meu irmão, assim como maior ainda será o número de ossos quebrados que eu terei quando ela ler este parágrafo. Entretanto, se eu falar da distância entre Rio de Janeiro e Quito (capital do Equador) e perguntar se esta distância é maior que entre Lisboa e Kiev (capital da Ucrânia) , teremos problemas, pois são distâncias que não conseguimos abstrair, nos reservando a comparar medições com números exatos.

Agora, e se jogarmos números que expressam tamanhos e distâncias, não só pequenas — como um mosquito ou um átomo de hidrogênio — mas coisas gigantescas, como o tamanho de estrelas massivas, a nebulosa Olho de Gato e até mesmo o Universo? Como fazer, então?

Continuar lendo “Do micro ao macro: uma viagem com escala de tamanhos”