TESS e as observações do céus amigos do norte

O TESS é o Transiting Exoplanet Survey Satellite (Satélite de pesquisa em trânsito de exoplanetas) tem como missão vasculhar o céu em busca de exoplanetas ao redor de estrelas brilhantes próximas. Ao examinar o céu aparente do hemisfério norte, o TESS dá aquela fuxicada para saber quais os potenciais de encontrar um planeta semelhante ao nosso ou de qualquer outro do Sistema Solar, de forma a pensar naquela velha hipótese: estamos sozinhos?

Continuar lendo “TESS e as observações do céus amigos do norte”

Um telescópio ao alcance de sua mão

Chegou o sabadão. Claro, estamos na quarentena (alguns) e meio que sem ter o que fazer. Bem, que tal passar o tempo montando um satélite? Quando eu era garoto, montava muitos modelos de papel (não existia smartphones nem internet na época). Era um passatempo muito legal e eu me recrimino até hoje por não ter dado o devido valor. Mas você não precisa ser idiota como eu era. Monte seu próprio telescópio espacial!

O vídeo mostra um timelapse da montagem de um modelo de papel do Telescópio Espacial Fermi de raios gama. É legal, divertido e você pode aprender um pouco sobre ele. Para baixar o modelo (entre outros), baixe a imagem AQUI e imprima. Aí, é só partir para a montagem.

Continuar lendo “Um telescópio ao alcance de sua mão”

Hubble: uma viagem que não foi feita. Ainda!

O que você veria se pudesse voar para o Recife Cósmico? A nuvem nebulosa NGC 2014 parece um recife oceânico que reside no céu, especificamente no LMC, a maior galáxia satélite da nossa Via Láctea. Uma imagem detalhada desta nebulosa distante foi tirada pelo Telescópio Espacial Hubble para ajudar a comemorar 30 anos de investigação do cosmos. Dados e imagens deste recife cósmico foram combinados no modelo tridimensional apresentado no vídeo a seguir.

Todos esses dados e animados por computador. Mesmo porque, não é assim que os telescópios “enxergam”. Ainda assim, é magnífico ver estas imagens.

Continuar lendo “Hubble: uma viagem que não foi feita. Ainda!”

Grandes Observadores do Espaço: Spitzer

O Spitzer é um telescópio espacial, cuja missão é fornecer uma visão única do Universo usando a invisível radiação infravermelha. Com ele, é possível observar regiões do espaço ocultas dos telescópios ópticos, já que o Spitzer vê, basicamente, calor dos corpos.

O problema é que qualquer corpo acima do zero absoluto emite radiação infravermelha. Como fazer para que a própria radiação infravermelha que o Spitzer emite não interfira nas observações?

Continuar lendo “Grandes Observadores do Espaço: Spitzer”

WFIRST estudará a Energia Escura

O Wide Field Infrared Survey Telescope (WFIRST) é um observatório espacial que opera no espectro do infravermelho próximo, com uma câmera absurda de 288 megapixels, e se você falar que seu Xiaomi tem uma resolução maior, vai levar uma porrada!

O WFIRST é a nova aposta para a observação do Universo, e se propõe a resopnder perguntas cabulosas como “Do que é feito o Universo?”. Muitas pesquisas foram e estão sendo feitas ainda, mas elas apontam que existe algo elusivo, ainda não detectado. Algo que não se sabe direito o que é e que deram o nome de “matéria escura”. Como saber que essa matéria escura existe? Como saber qual é a sua natureza? Bem, é pra isso que servirá, entre outras coisas, o WFIRST, que estará olhando pro frio vácuo do Espaço para investigar o que tem lá e do que o que tem lá é feito.

Continuar lendo “WFIRST estudará a Energia Escura”

As novas imagens de Saturno trazidas pelo Hubble

Saturno é o Senhor dos Céus. Um magnífico, enormemente gigante e maravilhoso planeta. Seus anéis e satélites são um sistema à parte e estudar Saturno é entender como o próprio Sistema Solar se formou e atua.

O Hubble está meio velhinho, mas sábio e enxergando como nunca. Ele a todo momento nos traz coisas que não tínhamos visto antes. É preciso uma confluência de geometria, óptica e sorte, também. Quando essas três componentes estão em sintonia, acontece do magnífico telescópio trazer até nós novas e incríveis imagens.

Continuar lendo “As novas imagens de Saturno trazidas pelo Hubble”

O Trânsito de Mercúrio pelo Sol

Em maio de 2016, uma sombra redonda foi vista passeando na frente do SOL. A observação feita pelo Solar Dynamics Observatory foi feita em diferentes comprimentos de onda. Trata-se de Mercúrio, cuja orbita coincidiu em ser bem através das lentes do SDO, que registrou tudo por meio de fotos, que foram agrupadas para formar este time lapse.

Você perdeu, mas não fique triste. O próximo trânsito de Mercúrio ocorrerá em no próximo dia 11 de novembro. E o SDO estará lá para registrar tudinho.

Continuar lendo “O Trânsito de Mercúrio pelo Sol”

WFIRST, a nova aposta para observação do universo

O Telescópio Infravermelho de Campo Amplo (Wide Field Infrared Survey Telescope – WFIRST) é um observatório espacial que opera (duh!) no espectro de infravermelho que a NASA está desenvolvendo. O WFIRST tem um campo de visão cuja lente é de 2,4 m de largura e terá dois instrumentos científicos: O Wide-Field Instrument, uma câmera de infravermelho próximo de múltiplas bandas de 288 megapixels e uma câmera e espectrômetro de campo de visão pequeno de alto contraste que cobre os comprimentos de onda visível e infravermelho próximo, usando a nova tecnologia de supressão de luz das estrelas.

Essa maravilha nos promete grandes observações, mas você sabe dos detalhes dele?

Continuar lendo “WFIRST, a nova aposta para observação do universo”

Hubble descobre vapor d’água em exoplaneta

O K2-18b chamou a atenção de todo mundo. Foi descoberto água lá. Mas calma, não é água líquida, e sim, tem importância. Apesar das imagens do Hubble indicarem a presença de água no estado de vapor, alguns estão teorizando que tem até nuvens lá. Só que nuvens são água no estado líquido, e a assinatura molecular é diferente.

Continuar lendo “Hubble descobre vapor d’água em exoplaneta”

Os exoplanetas pontilhados nos céus amigos do Universo

A todo momento estão divulgando novos exoplanetas nos confins do Universo. Alguns bem, bem longe. Já está até deixando de ser divertido postar quando novos exoplanetas são divulgados, quando não há algo, digamos, especial (mas muito amado) neles. Eles já somam mais de 4000. Sim, isso tudo. Não, não divulgam sempre. Motivo pelo que já disse: já está sendo muito usual, e enquanto um exoplaneta não morder um cachorro, não será notícia.

Mas você já parou para pensar nestes exoplanetas todos, como um conjunto? É o que o vídeo a seguir se propõe. Mostrar pontinhos num céu à medida que estes longínquos mundos foram descobertos ao longo dos anos.

Continuar lendo “Os exoplanetas pontilhados nos céus amigos do Universo”