Belyanas: os imensos navios que não eram bem navios

Eu gosto da Rússia pelo seu pragmatismo e exagero, muitas das vezes justificado. O modo russo de ser acaba nos fazendo olhar para eles e perguntar-nos “mas como é que pode?”. São russos, você não pergunta. Um exemplo disso são as belyanas, em russo: беляна. Esta palavra deriva do termo belyi (белый) que significa “branco”. Eram imensos navios construídos para transportar madeira. Continuar lendo “Belyanas: os imensos navios que não eram bem navios”

Apertem o cinto: o astronauta sumiu dentro da roupa

Algumas ideias são boas demais para serem ignoradas, mesmo que muitas dessas ideias tenha como principal combustível o álcool, mas não da forma como você possa pensar. E não, não me venham tentar convencer que pessoal que idealizou o projeto SuitSat estava careta, porque vão falhar miseravelmente. Continuar lendo “Apertem o cinto: o astronauta sumiu dentro da roupa”