Por que a Internet não é um Nirvana

Depois de duas décadas on-line, estou perplexo. Não é que eu não tive um bom tempo na internet. Conheci grandes pessoas e até peguei um hacker ou dois. Mas hoje, estou desconfortável com essa comunidade mais moderna e supervalorizada. Os visionários veem um futuro de trabalhadores fazendo home office, bibliotecas interativas e salas de aula multimídia. Eles falam de reuniões eletrônicas de cidades e comunidades virtuais. Comércio e negócios mudarão de escritórios e shoppings para redes e modems. E a liberdade das redes digitais tornará o governo mais democrático.

Besteira. Os nossos especialistas em computadores não simancol? A verdade é que nenhuma base de dados on-line irá substituir o seu jornal diário, nenhum CD-ROM pode substituir um professor competente e nenhuma rede informática irá mudar a forma como o governo funciona.

Continuar lendo “Por que a Internet não é um Nirvana”

Amores eletrônicos: Nerd japonês se casa com jogo de computador

Estou perdendo a fé nos seres humanos. Quer dizer, eu perderia se eu tivesse algum tipo de fé, é claro. Eu já vi muita coisa doida por aí, mas sempre me surpreendo; ainda mais quando é algo relacionado com sentimentos.

Convenhamos, o coração tem razões que a razão diz “Putz!!”. As pessoas fazem muitas maluquices em nome do amor, paixão, tesão ou pra conseguir um aumento de salário. Eu mesmo já aprontei coisas que gostaria de esquecer e nem pensem em perguntar o que é. No entanto, a notícia a seguir é de espantar, pois um certo camarada lá da terra do Sol Nascente quedou-se nos doces laços do amor e resolveu casar-se… com um jogo de computador! Sem nenhuma birra eletrônica, decreto a segunda edição da SEXTA INSANA! Continuar lendo “Amores eletrônicos: Nerd japonês se casa com jogo de computador”

“Bomba gay” e “baunilha de estrume” levam o prêmio IgNobel

A inventora de uma técnica para extrair fragrância de baunilha do estrume de vaca, os criadores da arma química chamada “bomba gay” e a bióloga que esmiuçou as dobras dos lençóis estão entre os ganhadores do prêmio IgNobel de 2007.

A “honraria”, concedida anualmente pela revista humorística Annals of Improbable Research (Anais da Pesquisa Improvável), foi anunciada na quinta-feira numa cerimônia em Cambridge, Massachusetts – sede das prestigiosas universidades Harvard e MIT. Os ganhadores tinham no máximo um minuto para tentar explicar seu trabalho. Continuar lendo ““Bomba gay” e “baunilha de estrume” levam o prêmio IgNobel”