Casal hiponga deixa bebê morrer por desnutrição. Darwin errou o alvo

Palhoça fica na Grande Florianópolis. Lá tem uma comunidade alternativa, cheia de hipongas. Vocês sabem, esse pessoal que tem grande ligação com a Natureza, principalmente em se tratando de certas plantas que se usa para aspirar seus vapores depois de enroladinhas. É praticamente um DCE gigante.

Bem, dois retardados moram lá, num lugar lindinho chamado Vale da Utopia <trilha sonora da Noviça Rebelde>. Como a única cabeça necessária para procriar não precisa necessariamente ter massa encefálica dentro, eles tiveram uma filha. O problema, é que esses dois imbecis acharam que tinham que tratar a criança sem alimentação que prestasse, e o bebê morreu por des… MORREU DE FOME! 3 Meses de idade!

Continuar lendo “Casal hiponga deixa bebê morrer por desnutrição. Darwin errou o alvo”

Parabéns, sociedade. Nós matamos um menino

Eu não ia escrever sobre isso. Mas não tenho como resistir. Somos assassinos. Somos a escória humana. Somos as piores pessoas do planeta. Eu, você, todo mundo. Nós assassinamos Peterson Ricardo de Oliveira, de apenas 14 anos, simplesmente pelo motivo fútil de ter pais que o amavam. Nós asassinamos Peterson, e por mais que a retórica diga que não, a responsabilidade é, sim, nossa. Somos monstros, construímos uma sociedade horrível. Somos tudo o que pode haver de pior. Peterson morreu por nossa culpa, apesar de não termos sido seus agressores. Não importa. O menino Peterson morreu simplesmente porque seus pais amam e se relacionam fora de uma merda de manual de uso escrito na Idade do Bronze. Peterson morreu por seus pais serem homossexuais.

E a responsabilidade… É NOSSA!

Continuar lendo “Parabéns, sociedade. Nós matamos um menino”

O misterioso sacrifício em massa peruano

Matírio. Um sofrimento sem propósito, na maioria das vezes (pra não dizer quase sempre). Grupos religiosos clamam para si que mártires jamais fariam a burrada de se submeter a sofrimentos por livre e espontânea vontade se não houvesse um propósito maior. Isso até tem um certo grau de fundamento, EXCETO se não prestarmos atenção aos detalhes. Não é uma questão de "fulano se matou em honra ao seu deus, logo seu deus existe". Fulaninho se matou (ou se deixou matar) por dois motivos: 1) É idiota; 2) Ele acreditava que estava honrando seu deus. Há vários exemplos na história da humanidade e um dos que mais gosto são os kamikases, que montavam no avião cheio de explosivos e se atiravam nos navios americanos, crentes que eram o vento sagrado (a tradução de "kamikase"), honrando o deus-vivo: o Imperador.

Pessoas matando e morrendo em nome de seus(s) deus(es) não é novidade e não começou com os seguidores do Jim Jones ou o tosco do Justino Mártir. Isso foi evidenciado em muitas culturas, como os arqueólogos que descobriram um sítio arqueológico com restos do que seria um ritual de sacrifício que data da época pré-inca. E o que se vê lá é aterrador.

Continuar lendo “O misterioso sacrifício em massa peruano”