Os segredos nitrogenados da atmosfera

Eu nem vou perder meu tempo explicando que nossa atmosfera é composta por 78% de nitrogênio. Todo mundo sabe isso, pois isso é ensinado no Ensino Fundamental. A não ser que você seja astrônomo formado no Brasil, aí é capaz de nem saber o que é ar, água e o Círculo de Fogo. Só tem um probleminha: esse nitrogênio teve que vir de algum lugar. De onde veio esta bagaça?

Nitrogênio é um gás, diferente do vapor d’água. Vapor é uma substância no estado gasoso que pode ser liquefeito aplicando pressão (a água se mantém em estado líquido mesmo em temperaturas acima de 100ºC dentro de uma panela de pressão porque, DUH!, está sobre pressão). Já os gases passaram a “temperatura crítica”, então, vai ficar aplicando pressão nele até amanhã. Volto a perguntar: de onde veio esta bagaça, e coo chegou na atmosfera?

Continuar lendo “Os segredos nitrogenados da atmosfera”

Os segredos do manto terrestre bem homogêneo

A geoquímica terrestre é fascinante. As imensas temperaturas do interior do manto, fazendo com que a pressão faça com que haja convecção, é algo que impressiona. Só para se ter uma ideia, o núcleo da Terra é mais quente eu a superfície do Sol, com o manto chegando a quase 3000ºC. Já se sabe um bocado sobre o manto, mas mesmo esse “um bocado” ainda precisa muito para se aprender, e uma nova pesquisa promete trazer mais informações sobre a composição química do manto e como se dá os efeitos de convecção lá.

Continuar lendo “Os segredos do manto terrestre bem homogêneo”

Quando o oceano ficou sem oxigênio e a vida teve que dar um jeito

O mundo antigo, bem antigo, já não era lá essas coisas lindas que filmes de monstros fazem crer. Nada de dinossauros cuspindo fogo, nem gorilas gigantescos e nem nada remotamente parecido com um Kaju. Ou seja, era algo chato, ainda mais no período Jurássico, que não tinha dinossaurões. Ainda assim tinha muita coisa para se preocupar. Era um mundo perigoso e, hoje, vemos que sempre estivemos frente a frente com vários perigos.

Talvez fosse o caso de se esconder no mar, mas pesquisas atuais mostram que mesmo seres aquáticos tiveram vários problemas. Pesquisas atuais mostram como o oceano do período jurássico enfrentou concentrações baixíssimas de oxigênio. E isso não é nada legal!

Continuar lendo “Quando o oceano ficou sem oxigênio e a vida teve que dar um jeito”

Oxigênio que veio das profundezas da Terra

O primeiro ponto de virada na História da Terra… ok, não foi o primeiro, e nem pode ser considerado “de virada”. História é o que é. Mas um diferencial imenso foi o oxigênio. Sem ele, vida complexa não existiria, até que provem o contrário. Curiosamente, este gás disgramado é altamente oxidante (mesmo porque, o nome “oxidação” veio dele, apesar de ele não ser o único agente oxidante) e destrói tudo. Com falei tantas vezes, foi o responsável pela primeira grande extinção. Mas fica a pergunta: seres fotossintetizantes foram os responsáveis pelo oxigênio aparecer. mas qual seria a probabilidade?

Pesquisadores sugerem que o aumento da concentração de oxigênio na atmosfera terrestre era uma consequência inevitável da formação de continentes na presença de vida e de placas tectônicas.

Continuar lendo “Oxigênio que veio das profundezas da Terra”

Cientista acerta no cúrio do meteorito

Contemplem a tabela periódica. Está tudo lá. Só que de todos os elementos que existem, apenas 92 são encontrados naturalmente. Vai até o Urânio e só, acabou, caput. Daí pra frente só elementos sintetizados, criados, fabricados pelo Homem. O que vem além disso são os chamados “elementos transurânicos”. Um deles é o cúrio, elemento batizado em homenagem ao casal Curie, descoberto em 1944 por Glenn Seaborg, Ralph James, e Albert Ghiorso, por meio de bombardeamento do plutônio com partículas alfa. É um elemento tóxico e muito radioativo. Quem tem cúrio, tem medo.

Daí você pensa que só porque ele foi produzido artificialmente ele não pode ser encontrado na Natureza. A Química dá uma risadinha e diz “só porque você quer, kerydinho!” Vestígios de cúrio foram encontrados durante a análise de isótopos de urânio num meteorito de 4,6 bilhões de anos.

Continuar lendo “Cientista acerta no cúrio do meteorito”