O caçador africano que humilhou o filósofo grego


Soninho…

As migrações dos pássaros provavelmente foram um dos primeiros fenômenos naturais a atrair a atenção e despertar a imaginação do homem. As observações registradas sobre o assunto datam de quase 3.000 anos, indo lá para os tempos de Hesíodo, Homero, Heródoto, Aristóteles e outros. Aristóteles foi um dos primeiros a discutir o assunto da migração de pássaros. Ele notou que grous (pássaros que abrangem catorze espécies distribuídas pela América do Norte, Europa e Ásia, África e o norte da Austrália) viajavam das estepes da Cítia aos pântanos nas cabeceiras do Nilo, bem como pelicanos, gansos, cisnes, trilhos, pombas e muitos outros pássaros também passavam para regiões mais quentes para passar o inverno. Continuar lendo “O caçador africano que humilhou o filósofo grego”

Neil deGrasse Tyson acha que Filosofia é motivo de piada. E não é?

Há muitas classes de pessoas que eu curto de montão. Uma delas é a casta dos filósofos, aquelas criaturinhas formadas nas faculdades de Filosofia, cuja formação só serve para dar aula de Filosofia. Analisando o histórico da Filosofia, em que ela ajuda, mesmo? Em um podcast, Neil diz que a mui importante Filosofia serve apenas para fazer perguntas ridículas e rasas feito um pires. Ele está errado?

Continuar lendo “Neil deGrasse Tyson acha que Filosofia é motivo de piada. E não é?”

A perversidade do cientificismo

Em qualquer postagem, comentário, artigo e conversa que se faça enfocando a importância da Ciência e Tecnologia, sempre aparece um chato que fica papagueando que somos cientificistas, que o mundo isso, que Filosofia é importante, que temos que entender o "eu" ou algumas maluquices sem sentido, como análises dimensionais do campo social num contraponto neoepistemológico voltado para os vieses da humanidade. No fim, a Ciência é ruim, e para sair da caverna teremos que nos tornar filósofos, pois estes, em sua arrogância, acham que são capazes de entender algo só pensando dentro de um buraco.

Continuar lendo “A perversidade do cientificismo”

A educação segundo a visão de Rousseau e suas mazelas

Por Leonardo Veloso

O homem nasce bom, pacífico e manso e a sociedade e suas experiências o tornam mau ou ele possui inclinações naturais ao egoísmo, violência e perversidade?

A mente humana seria uma espécie de lousa em branco na qual o contexto histórico e cultural escreve livremente ou seja, ela seria apenas o resultado do meio em que o indivíduo vive? O homem é infinitamente perfectível, ou seja, pode se tornar qualquer coisa desde que receba a educação e as oportunidades adequadas?

Continuar lendo “A educação segundo a visão de Rousseau e suas mazelas”

Sobre a filosofia pós-moderna

É interessante como as coisas perdem seu significado primaz com o passar do tempo. Se antes uma ação, movimento ou simplesmente um utensílio começou para ter um determinado fim, depois de certo tempo tais coisas adquirem uma nova utilização (ou nem tanto), acabando por ser muito diferente de quando começou. Um exemplo seria o Viagra, que foi desenvolvido para problemas cardíacos e terminou por ser a felicidade de muita gente, mas por outros motivos.

Com a filosofia não é diferente, e hoje vemos que ela não é bem o que fora um dia.

Continuar lendo “Sobre a filosofia pós-moderna”