Nefertiti: Rainha, Poder e Mistério

Os pés mundanos caminham pelo terreno outrora sagrado. A luz intensa açoita quilômetros e mais quilômetros quadrados em volta e nada demais aparenta. Apenas deserto, areia, cascalho e pedras, mas há muito mais que os pobres olhos humanos podem ver. Os pés cautelosos temem estragar algo importante, algo irrecuperável se destruído, enquanto outros pés despreocupados caminham pela região, pouco importância dando. Apenas pagaram, faça-se o serviço, e apenas isso. Continuar lendo “Nefertiti: Rainha, Poder e Mistério”

A múmia escondida que foi desvendada

Amenhotep I foi rei do Egito, tendo sido o segundo governante da XVIII dinastia. Não se sabe direito quando ele nasceu, mas sua morte aconteceu no ano 1503 A.E.C. no século 11 A.E.C., o sarcófago foi aberto para reparos, mediantes fontes documentais egípcias. Sacerdotes o desenterraram para reparar os danos feitos por ladrões de tumbas. Sim, isso mesmo. Já tinha gente que não dava a menor pelota para alguma maldição.

Até agora, ninguém tinha examinado o corpo de Amenhotep (ou Amenófis, que é a versão grega do nome) por causa do seu sarcófago ricamente decorado, e ninguém queria estragar aquela obra de arte. Continuar lendo “A múmia escondida que foi desvendada”

O modelo de ensino tradicional que forjou um império

Quando a gente fala “escola”, imediatamente se pensa em lousa, cadernos, anotações e professor corrigindo tarefa. Bem, não é muito diferente ao longo dos séculos, com alunos escrevendo as tarefas e os professores corrigindo usando TCHARAAAAAAAAAAN tinta vermelha.

Pedagogas chorando copiosamente agora. Continuar lendo “O modelo de ensino tradicional que forjou um império”

O Google Maps de uma tumba

Este garotão aí de cima é nosso amigo Amun-her-khepeshef (normalmente, vem um “C” depois, porque teve outros Amun-her-khepeshefs antes). Ele foi rei que mandou e desmandou no Egito por oito anos e dois meses, pertencente à 20ª Dinastia, o que nos situa em mais ou menos final do século XII A.E.C., uns 6 mil anos antes do surgimento do mundo, para o caso de você ser fundamentalista. Continuar lendo “O Google Maps de uma tumba”

A causa mortis que deu fim ao Faraó-oh-oh-oh é desvendada

Ser rei nunca foi fácil. Se o pessoal hoje em dia já sente ciúmes do seu fusquinha porque eles andam de ônibus lotado (ou sentem as maravilhas do calor humano do metrô de São Paulo), imagine comandar um vasto império como o Egito, Egito-ê. Todo mundo é suspeito e até mesmo o inspetor Poirot ficaria em dúvidas. O segundo faraó da 20ª Dinastia estava caminhando placidamente pelo seu palácio. No sagrado ano de 1155 A.E.C., a tragédia (solo de tambores) abateu-se sobre o Império do Nilo. O filho de Rá sucumbiu à conspiração e seu fim foi decretado.

Mais de 3000 anos são investigados por detetives do século XXI que querem saber: o que diabos aconteceu?

Continuar lendo “A causa mortis que deu fim ao Faraó-oh-oh-oh é desvendada”

Tutancâmon cai na rede

Tutancâmon foi rei egípcio pertencente à XVIII dinastia, nascido em 1341 A.E.C. e bateu as sandálias em 1323 A.E.C. Subiu ao trono aos 10 anos, reinou por nove e morreu aos 19 anos. Há uma séria discussão se ele morreu de “morte morrida” ou de “morte passada o cerol”, mais provavelmente, a última. O Rei Tut ficou mais famoso depois de múmia do que em vida. Sua tumba foi descoberta em novembro de 1922 pelo arqueólogo Howard Carter, patrocinado por Lord Carnarvon.

Hoje, Tut repousa eternamente em seu sarcófago, depois que meio mundo andou revirando sua múmia pra lá e pra cá, metendo a mão em locais que nem mesmo os oficiais da TSA ousariam enfiar (eu acho). Agora, Tutancâmon, apesar de não ser baiano, está alegre e descansado em sua rede, e todos o chamam de “meu rei”.

Continuar lendo “Tutancâmon cai na rede”