O meme idiota que compara estradas romanas com estradas atuais

Você conhece o meme acima. Ele parece fazer total sentido, mas é apenas meme feito por jovem inculto, o tipo comum de jovem. Sim, as estradas romanas eram e são um feito admirável de engenharia de sua época, mas seriam totalmente inviáveis hoje… ou até seriam viáveis, mas isso acarretaria alguns probleminhas, que veremos mais para frente. De antemão, posso dizer que nada do que este memezinho idiota diz faz sentido. Nada!

Afinal, como eram as estradas romanas? As estradas dos antigos eram realmente melhores que as nossas, com toda a formação em ciência e engenharia? Vamos ver no Livro dos Porquês. Continuar lendo “O meme idiota que compara estradas romanas com estradas atuais”

O trem voador alemão que na verdade era um monotrilho

Minha teoria é que nossos avos inventaram o futuro, e a gente só regrediu Qualquer hora eu dou mais detalhes. O que eu queria compartilhar mesmo é um trem voador. Sim, isso mesmo o que você leu: um trem que avoa… ou quase. Ele fica na Alemanha, é o monotrilho suspenso mais velho ainda em atividade e é uma maravilha tecnológica tão grande quanto o filme que foi feito num passeio dentro deste monotrilho.

Continuar lendo “O trem voador alemão que na verdade era um monotrilho”

Cebola pode ser a chave para feitura de músculos artificiais

Músculos são um problema sério. São eles os responsáveis por fazermos força (isso que você pensou, inclusive). O problema é que suas propriedades como contração e relaxamento não são imitados por outros materiais, e algumas lesões destroem os músculos e nem sempre eles podem ser reconstruídos. De acordo com meus consultores técnicos (obrigado, doutor), perdendo muito tecido nem sempre tem como reconstruir. Algumas vezes, faz-se enxertos de músculos que estiverem dando sopa. Não o da bunda, pois ele é essencial para a estabilidade do quadril. Sendo assim, o melhor seria apelar para músculos artificiais. Será possível?

Talvez a resposta esteja na gloriosa cebola, conhecida por qualquer professor de Ciências para ensinar sobre células. Mas o que tem a cebola com as calças?

Continuar lendo “Cebola pode ser a chave para feitura de músculos artificiais”

Sejam engenheiras, meninas!

Bem, é isso que veio numa revista para adolescentes. "Engenheirando um Grande Futuro", estava no título. O subtítulo estava lá explicando "Você pode ajudar a desbravar o vasto novo mundo da energia atômica e da propulsão a jato". A matéria já era bem clara, afinal, estamos falando com adolescentes:

Hoje existe um novo tipo de fronteira americana (do norte), muito maior que a velha. os antigos vagões foram substituídos por aviões a jato, foguetes e submarinos nucleares. O modernos pioneiros são moços e moças em guarda-pós ou jeans e camisetas, que não ficarão em chão de fábrica. (…) O moderno Horace Greeleys moderno (o original disse: "Vá para o Oeste, jovens") está buscando jovens para se tornarem engenheiros. Representantes de empresas como GE, Curtiss-Writgh, Westinghouse e RCA viajam de faculdade a faculdade recrutando jovens engenheiros para as suas firmas. Não é fácil.

Abaixo, vocês podem ver a cópia da página da revista. Basta clicar que se agigantará.

Continuar lendo “Sejam engenheiras, meninas!”

Grandes Nomes da Ciência: Simon Stevin

O homem com roupa estranha e gola esquisita está de pê, no campo molhado. O vento faz farfalhar sua capa. Os pés molhados não esfriam seu ânimo. Olhando a construção, e sentindo que o vento é seu amigo, mas o barulho ensurdecedor de madeira batendo agride sua autoestima, seu bom gosto e sua técnica.

O homem sabe que pode resolver aquilo. Ele resolve, usando talvez a mais inútil de todas as coisas à primeira vista. Ele com seu cérebro, o homem usa os poderes frios dos números para fazer milagres.

O homem é Simon Stevin, e se Simon diz pros números "Ajudem-me", os números fazem o que Simon mandou.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Simon Stevin”

Sistema purifica água, remove sujeira e manda vírus pra vala

Lembram quando eu critiquei aquela palhaçada do WarkaWater? Aquela porcaria promete captar a umidade atmosférica e foi experimentada em Veneza, um lugar tão seco quanto o deserto de Atacama. E uma iniciativa idiota, criada por um designer e um arquiteto. Só podia dar naquilo, mesmo. Quando engenheiros de verdade entram em cena, sai um sistema que usa energia fotovoltaica e energia solar para filtragem e produzir água potável de alta qualidade a partir de uma água  imunda dos cafundós da Tanzânia.

Continuar lendo “Sistema purifica água, remove sujeira e manda vírus pra vala”

Grandes Nomes da Ciência: Wesley Souza

O cientista é aquele que é brilhante por si só. O cientista é aquele que pega conceitos e transforma em conhecimento útil, e todo conhecimento é útil se você o direciona. O cientista é aquele que compartilha suas descobertas e não é preciso ter um laboratório hiper-equipado. às vezes, você é um Michael Faraday, que estudou com os livros que ele encadernava. Às vezes, você é William Kamkwamba, que de um monte de entulho modificou a vida de uma cidade inteira, de um país inteiro. Às vezes, você mora lá pra dentro do Tocantins, que não é a 8ª Maravilha do Mundo, e mesmo assim pode fazer algo que eu chamaria de mágico. Wesley Souza fez isso.

Esta é uma mescla do Grandes Nomes da Ciência com o Livro dos Porquês, capítulo "Mecânica de Fluidos", subcapítulo "Princípio de Pascal".

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Wesley Souza”

Participação brasileira no LHC é assegurada

A FAPESP enviou nesta segunda-feira (6/4), à Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern), sediada na fronteira entre a França e a Suíça, um memorando de entendimento para formalizar a participação de pesquisadores paulistas no Worldwide LHC Computing Grid (WLCG), uma colaboração global que reúne mais de 140 centros de computação científica em 35 países.

O objetivo do WLCG é fornecer e manter a infraestrutura de análise e armazenamento de dados de toda a comunidade de física de altas energias que participa dos experimentos do Large Hadron Collider (LHC), ou “grande colisor de hádrons”, o maior instrumento científico já construído. O acordo entre FAPESP e Cern também envolve a Universidade Estadual Paulista (Unesp). Continuar lendo “Participação brasileira no LHC é assegurada”

Abertas inscrições para Olimpíada Brasileira de Robótica

Estão abertas as inscrições, até 31 de julho, para a terceira edição da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), iniciativa pública sem fins lucrativos dedicada às escolas, professores e jovens brasileiros vinculados ao ensino fundamental, médio ou técnico.

A participação no evento, que espera envolver 50 mil alunos de todo o Brasil, é gratuita e as inscrições devem ser feitas pelo site da competição. Entre os objetivos está o de despertar e estimular o interesse pela robótica e áreas afins e promover a difusão de conhecimentos básicos sobre robótica de forma lúdica e cooperativa. Continuar lendo “Abertas inscrições para Olimpíada Brasileira de Robótica”

Uma linha de alta tensão sobre sua cabeça

Por Jean Remy Davée Guimarães
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Hoje aprendemos a temer as radiações ionizantes emitidas por radionuclídeos naturais e artificiais, aparelhos de raios-X e outras fontes. Essas radiações estão entre as mais energéticas do espectro eletromagnético e são assim chamadas por possuírem energia suficiente para provocar ionização, o que afeta a ligação entre átomos e resulta em uma série de efeitos físicos, químicos e biológicos, como quebra de moléculas. Pensou no seu precioso DNA? Acertou.

Essas radiações podem atuar como uma espécie de kryptonita verde (mas infelizmente incolor e invisível) que pode enfraquecer o homem comum. É complicado, tecnológico, meio secreto. Está associado tanto a pesquisa e saúde quanto a destruição em massa. É traiçoeiro por não ter cor ou odor e por não manifestar seus efeitos no momento da exposição. E ainda produz Godzillas e outros monstros de filme B! Hiroshima, Chernobyl, Goiânia… Brrrr! Eis aí todos os ingredientes para uma forte percepção de risco. Continuar lendo “Uma linha de alta tensão sobre sua cabeça”