Segundo millenials, plantinhas fofas têm os mesmos direitos que pessoas. SOLTA ESTA BATATA FRITA!

Todos os seres vivos são iguais? Um dos meus questionamentos aos vegans (que quando confrontados com isso me xingam ao invés de responder) é por que defendem tanto animaizinhos bonitinhos, mas nos feios pode passar o certo. Alegam, entre xingamentos, que insetão feio causa doença, mas qualquer animal pode causar. Se bem que teve gente louca defendendo mosquitos causadores da dengue. Esses são mais honestos com suas posições, mas não deixam de ser imbecis.

Outra questão é: por que defender animais e não todos os seres vivos, plantas inclusive? Bem, é que um bando de energúmenos da Universidade de Sidney propõe: leis que garantam os mesmos direitos de seres humanos estendidos a animais e plantas.

Continuar lendo “Segundo millenials, plantinhas fofas têm os mesmos direitos que pessoas. SOLTA ESTA BATATA FRITA!”

Juiz do Quênia diz que exame anal para saber quem é gay é legal

Não é que ser gay seja ruim. Eu nem sei se é ruim ou não, já que não sei. Quem é garante que é muito legal, e eu não tenho motivos para duvidar, O problema é ser gay em países toscos, governados por idiotas, cujos magistrados não passam de energúmenos. Não, por incrivel que pareça, não estou falando do Brasil (dessa vez), mas sim do Quênia, lugarzinho mui legal em que um juiz determinou que é perfeitamente constitucional que se examine a cavidade retal das pessoas para se saber se são gays ou não.

Metendo o dedo na ferida e em outros lugares, esta é a sua SEXTA QUINTA INSANA!

Continuar lendo “Juiz do Quênia diz que exame anal para saber quem é gay é legal”

Comissões de Direitos Humanos condenam ação violenta da polícia no Rio

Se já não bastava o tanto de criminosos barbarizando no estado do Rio de Janeiro, em especial na cidade do Rio, outros criminosos começaram a encher o saco. No segundo caso, são criminosos que o próprio cidadão burro resolveu que seria o melhor menos pior para legislar. Entre eles, está o famigerado deputado Chico Alencar. Como era de se esperar, quando a coisa começa a entrar nos eixos, oportunistas de plantão, deputados e outras coisas que brotam em locais úmidos e mal-cheirosos começam a atirar seus dejetos verbais, mas em prol dos pobres coitados, à mercê da polícia que insiste em não querer ser alvo de bandido.

Continuar lendo “Comissões de Direitos Humanos condenam ação violenta da polícia no Rio”

ICAR muda de ideia e critica excomunhão no caso da menor grávida

As pessoas mais idosas tinham ditados eficiente e que retratavam bem o mundo, mas infelizmente as pessoas não costumam dar ouvidos, e a ICAR é uma boa prova disso.

“Passarinho que come pedra sabe o cu que tem”, já dizia o adágio. Só que algumas bestas não sabem o cu que têm e comem além de sua cota de pedras, tendo um desfecho pra lá de indigesto, como foi o caso da menina de nove anos grávida de gêmeos mostrou. Vendo que a opinião pública se voltou contra seus dogmas idiotas, o Império do Mal voltou-se contra um de seus Siths, mostrando que, como todo bom predador, eles não desdenham voltar-se contra um de seus membros (ops), quando o caldo entorna. Continuar lendo “ICAR muda de ideia e critica excomunhão no caso da menor grávida”

A epidemia do estupro étnico

criancamuculmana.jpegNa Austrália, Noruega e Suécia, há um crime racial específico ocorrendo: homens islâmicos estupram mulheres ocidentais por razões étnicas. Isso é sabido porque os criminosos declaram abertamente suas motivações sectárias.

Adolescentes australianas foram sujeitadas a horas de degradação sexual durante uma série de violações em grupo em Sydney, entre 1998 e 2002. Os criminosos moldaram a razão para suas ações em termos explicitamente étnicos: as vítimas eram chamadas de “sluts” e “porcas australianas” enquanto abusadas. Na corte suprema australiana em dezembro de 2005, um estuprador paquistanês declarou que suas vítimas não tinham direito de dizer “não”, porque não escondiam o rosto sob o véu. Continuar lendo “A epidemia do estupro étnico”