Pesquisadores colocam algo na sua boca para você chupar e ver sua glicose

Os recém-nascidos podem apresentar uma variedade de problemas de saúde. Pediatras têm que lidar com um paciente que nem sempre é cooperativo e diz como está se sentindo, ainda mais quando é bebê. Não apenas isso (que já é muito ruim) é fazer exames em bebês e acompanhar o desenrolar. Podemos citar o exemplo da diabetes tipo 1. Não é brincadeira em diagnosticar em adultos e em crianças é um problema maior e em bebês é um deus-nos-acuda! Motivos? A identificação da diabetes tipo 1 requer acesso ao fluido intersticial na pele e ninguém quer pensar em como fazer isso em bebês recém-nascidos, que são muito frágeis (mas não tão frágeis quanto fanboys de políticos). Quem seria capaz de resolver isso? Quais entidades poderosas teriam incrível poder para determinar isso? Qual tipo de ser megapoderoso, Senhor dos Céus e da Terra, comandante dos segredos escondidos nos materiais, sapiência última do Universo teria condições de realizar tal proeza?

Sim, químicos, obviamente!

Continuar lendo “Pesquisadores colocam algo na sua boca para você chupar e ver sua glicose”

Uma pílula de insulina no capricho para os dependentes químicos

Ser dependente químico é uma tristeza. Não é legal para a saúde e tem que fazer de tudo para tentar não sucumbir. Sendo assim, alguns diabéticos passam por transtornos por depender da substância química chamada insulina. Basicamente, ainda se depende das injeções, mas daí eu me lembro da cena do doutor McCoy em Star Trek 4 (o das baleias) quando ele passa por uma velhinha no corredor do hospital e ela lhe diz que precisa de diálise. Ele, com seu jeitinho alegre e atencioso solta um “Meu Deus, isso aqui é a Era das Trevas?” (que foi dublado como “Isso aqui é um açougue medieval?”) e dá uma pilulinha para ela e sai alegremente. Sim, a velhinha não precisou mais de diálise. Tudo bem que isso era em 1987 e nem mesmo plutônio se comprava em farmácias mais. Aquilo era ficção científica pura, certo?

Há 30 anos, podia ser, mas hoje pesquisadores estão estudando a viabilidade de entregar insulina para o corpo do paciente por via oral. Sim, também com uma pilulinha. Seria sonhar muito?

Continuar lendo “Uma pílula de insulina no capricho para os dependentes químicos”

Pesquisadores desenvolvem curativo para acelerar cicatrização em diabéticos

Diabetes é uma doença que é mais séria do que as pessoas pensam. Alguns acham que é apenas uma questãozinha boba e basta controlar a quantidade cavalar de doces que comem. Uma pena que não seja tão simples. O metabolismo vai pro cacete e em muitos casos feridas dolorosas nos pés aparecem e são difíceis de tratar. 24% das pessoas com essas feridas acabarão tendo que amputar os pés; e é melhor isso do que morrer.

Resta trabalharmos para minimizarmos isso. Será possível? O pessoal da Engenharia acha que sim.

Continuar lendo “Pesquisadores desenvolvem curativo para acelerar cicatrização em diabéticos”

Cientistas analisam ocorrência de diabetes em indivíduos latinos

A diabetes mellitus tipo 2 também é chamada diabetes tardia. Ela diferencia-se da tipo 1 pois esta última é devida da total ausência de insulina no corpo e, caso você tenha frequentado um colégio, sabe-se muito bem que para a tipo 1 é preciso injeções de insulina. A tipo 2 não é mais tranquilinha. Para entendermos como o inimigo se comporta, é preciso saber de onde ele veio, como apareceu e como ataca. Se não temos todas as respostas sobre como essa doença surgiu, pelo menos sabemos como ela apareceu em latinos. É o que a pesquisa sobre as mutações genéticas ocorridas em indivíduos que dariam origem a povos latinos.

Por que estudar latinos? Simplesmente porque a ocorrência de diabetes tipo 2 em indivíduos latinos hoje é quase duas vezes maior do que caucasianos e negros. Se há uma pergunta, a Ciência busca a resposta.

Continuar lendo “Cientistas analisam ocorrência de diabetes em indivíduos latinos”

Nova forma de insulina pode ser inalada ao invés de ser injetada

afrezza.jpgVida de diabético é um saco.Quando não é aquela dieta regrada, com uma comida horrível e chocolate com gosto de papelão, é ter que se submeter a aplicações diárias de insulina. Para as crianças, é pior ainda, e eu não conheço ninguém louco o suficiente pra dizer que gosta de injeção. Entretanto, pelo voisto, este drama vai acabar.Cientistas descreveram uma nova insulina de ação muito rápida, registrada sob o nome comercial AFREZZA. O diferencial desta insulina é que ela é aspergida para ser tomada por via oral, semelhante às bombinhas para asmáticos. A absorção é feita nos pulmões, acelerando sua absorção, o que imita a resposta insulínica normal observada em indivíduos saudáveis.O AFREZZA está aguardando aprovação pelo FDA, órgão norte-americano que regulamenta remédios e alimentos.

Continuar lendo “Nova forma de insulina pode ser inalada ao invés de ser injetada”