Explorer 1 – O Primeiro Satélite Americano

Em 1958, a corrida espacial estava iniciada. O Sputnik já tinha sido lançado. Era hora dos EUA darem o troco lançando seu próprio satélite. Coube ao Exército, junto com o pessoal do JPL – Jet Propulsion Laboratory lançar um satélite americano e colocá-lo em órbita. O prazo acertado foi de 90 dias. APENAS 90 dias. E eles conseguiram!

Esta antiga filmagem mostra como se deu o processo. Desde sua realização até sua conclusão.

Continuar lendo “Explorer 1 – O Primeiro Satélite Americano”

Como voar sem gravidade (ou quase nada de gravidade)

Um dos artigos que mais gostei (dentre uma saraivada deles), é o da Kate Upton em microgravidade. Aliás, não foi só eu. Muita gente adorou o artigo, ao ponto até de "se inspirar" nele. O voo parabólico é uma das coisas mais maneiras que existem e não é coisa recente. Ele sempre foi usado para o treinamento de astronautas, mesmo quando ainda não havia efetivamente astronautas, mas sem ele não haveriam astronautas.

Imaginem o seguinte: se hoje o treinamento para um astronauta é rígido, como seria o treinamento para o início dos anos 1960, quando Kennedy lançou a corrida espacial (que, DE FATO, os EUA chegaram atrasados em tudo, e só foram primeiro à Lua, porque a URSS nunca teve intenção de mandar ninguém pra lá). Entre testes de paraquedas, quedas e ações centrífugas, como seria o comportamento de seres vivos em ambientes com microgravidade (NÃO É GRAVIDADE ZERO!!!!!)?

Só o LIVRO DOS PORQUÊS para nos explicar.

Continuar lendo “Como voar sem gravidade (ou quase nada de gravidade)”

Vladmir Komarov, o maior dos herois russos

O homem que sobe as escadas sabe que está com sua morte decretada. Ele sabe que suas horas estão contadas, mas ele não tem medo, pois é isso que ele quer fazer. Passo a passo, ele entra na cápsula que lhe servirá de carrasco. A Rodina decidiu que a glória do Partido está sobre todos os mortais e que um homem teria que cumprir a missão, mas um laço mais forte que a opressão poupou a vida de outro homem, o homem que viu que a Terra era azul. Por causa desse lado de amizade, o homem que está condenado chega até o seu destino e olha para fora, sendo este o último relance do céu e a última lufada de vento em seu rosto sério. O homem entra na cápsula; não há volta e ele nem pensaria em desistir, pois era um homem decidido.

Esta é a história do Coronel Vladimir Komarov, o cosmonauta russo que morreu para salvar seu melhor amigo.

Continuar lendo “Vladmir Komarov, o maior dos herois russos”