Os maravilhosos olhos animados da Disney

Uma das coisas que me faz rir muito é o pessoal que fica chilicando dizendo que os novos filmes de Guerra nas Estrelas (Star Wars my ass!) serão um fracasso. Também disseram isso quando a Disney comprou a Marvel (e eu chamo carinhosamente de Disvel). Hoje, vemos o poderio que são os filmes baseados nos heróis da Marvel, que faturam infinitamente mais que os quadrinhos. O pessoal parece que esqueceu uma coisa simples: Disney INVENTOU o cinema de animação! Inventou a técnica que usava fundo amarelo e um prisma que separava a cor amarela das outras cores, podendo fazer um perfeito chromakey, que foi usado no filme Mary Poppins, de 1964.

Não só isso, a Disney esmaga, amassa, esmigalha, destroi, aniquila e cospe em cima de qualquer coisa que ouse fazer algo sequer semelhante com o que ela fez com Frozen, cujos algoritmos para renderizar neve estão mais para bruxaria, com Pai Walter de Ogum conclamando os antigos espíritos do mal. Agora, vemos a seguir como eles estão digitalizando e renderizando algo tão simples e tão complicado quanto… olhos!

Continuar lendo “Os maravilhosos olhos animados da Disney”

E se a Lua tivesse o tamanho de um pixel?

Eu já fiz modelos do Sistema Solar quando era criança. Hoje em dia, é difícil isso acontecer, pois ele não contextualiza sistematicamente os vieses sócio-culturais de populações ribeirinhas, nem discute temáticas problematizadas da moderna conjuntura sociológica. nos acostumamos com o que vem nos livros e pronto. Muito mal a "professora" falará mais sobre isso do que uma ou duas aulas, já que há muito conteúdo a ser dado, nem que seja de forma rápida, errada e com muito pouca importância e/ou interesse.

A bem da verdade, todos os modelos estão errados, se fôssemos privilegiar as escalas. O problema é que é tudo tão grande que não se tem como mostrar de outra maneira. Podemos, entretanto, ilustrar isso com um exercício de imaginação: Se a Lua tivesse o tamanho de um pixel, como seria o Sistema Solar?

Continuar lendo “E se a Lua tivesse o tamanho de um pixel?”

Eppur si muove (não tem nada a ver com Galileu)

Nossos olhos captam muitas coisas e mandam tudo pro cérebro, aquele incompetente. Ele, que deveria analisar e entender todas as informações de maneira separada, junta todos os gatos num só balaio e dá uma confusão dos diabos. Disso surge as fantásticas ilusões de óptica, como esta que você verá a seguir.

Continuar lendo “Eppur si muove (não tem nada a ver com Galileu)”

Dos átomos ao pó

Nós não somos nada. estamos aqui simplesmente por causa de compostos químicos reunidos. Não há diferença entre eu, você e uma barata. Nossas químicas são basicamente a mesma; e toda ela veio de elementos produzidos mediante as temperaturas e pressões colossais atuando no interior de estrelas que há muito explodiram. Das cinzas às cinzas, do pó ao pó, do pó ao Homem, do Homem ao pó.

O vídeo abaixo é uma animação que ilustra o fim estupendo de uma estrela massiva, explodindo de forma magnífica, quando a relação entre as forças do interior do seu núcleo não podem ser contidos pela força gravitacional. A estrela explode e lança pelo espaço tudo que foi produzido na sua imensa fornalha nuclear. Continuar lendo “Dos átomos ao pó”

Do micro ao macro: uma viagem com escala de tamanhos

Nada é mais difícil de racionalizar do que tamanhos. Quando eu falo que meu irmão tem 1,90 m de altura, vocês conseguem ter uma ideia de quão grande ele é. Se eu disser que minha irmã “pesa” (sim, eu sei) 100 kg, vocês têm uma noção que ela é maior que meu irmão, assim como maior ainda será o número de ossos quebrados que eu terei quando ela ler este parágrafo. Entretanto, se eu falar da distância entre Rio de Janeiro e Quito (capital do Equador) e perguntar se esta distância é maior que entre Lisboa e Kiev (capital da Ucrânia) , teremos problemas, pois são distâncias que não conseguimos abstrair, nos reservando a comparar medições com números exatos.

Agora, e se jogarmos números que expressam tamanhos e distâncias, não só pequenas — como um mosquito ou um átomo de hidrogênio — mas coisas gigantescas, como o tamanho de estrelas massivas, a nebulosa Olho de Gato e até mesmo o Universo? Como fazer, então?

Continuar lendo “Do micro ao macro: uma viagem com escala de tamanhos”

O que os olhos vêem, o cérebro processa (ou não)

ilusao-optica.jpgSomos muito dependentes de nossa visão. Achamos que é o principal sentido do corpo (não é), pois estamos acostumados a procurar com os olhos e esquadrinhar o ambiente em que vivemos com uma varredura de olhar. Só que nada é perfeito nos organismos vivos, apesar do que querem que você acredite; e nossa percepção prega truques em nosso olhos, fazendo surgir as chamadas “ilusões de óptica” (não me esqueçam do P). É por causa disso que sempre nos assombramos com o que vemos, que na verdade não vemos. Apenas somos enganados quando o cérebro preenche lacunas com as poucas informações que recebe.

No vídeo a seguir podemos ver uma série de ilusões de movimento, quando uma figura inanimada, feia e totalmente díspar do que nossos preconceitos visuais associam com algo em movimento, nos prega uma peça e mostra-se belamente movimentando-se, com um auxílio de uma pequena máscara. Veja primeiro que eu explico a magia depois.

Continuar lendo “O que os olhos vêem, o cérebro processa (ou não)”