Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Nem só Jesus Cristo tinha poder

Por Widson Porto Reis

Apolônio de Tiana

Ele nasceu do útero de uma virgem e seu nascimento foi anunciado por um anjo. Reuniu ao seu redor um grupo de leais seguidores a quem transmitiu uma avançada mensagem de igualdade e fraternidade. Foi um agitador das massas e suas palavras tanto desagradaram aos romanos que acabaram por matá-lo. Em vida fazia inúmeros milagres: curava inválidos, anulava pragas, expulsava o demônio das pessoas e certa vez até ressucitou uma menina. Mas o maior dos seus feitos foi sua própria ressurreição, é claro. Uma vez completada sua missão, tomou seu lugar ao lado do Pai, do Espírito Santo e de sua própria mãe, também alçada aos céus, deixando aos seus seguidores em terra a dura tarefa de explicar como tinha tanta gente no céu se Deus era para ser único.

Ah sim, esqueci de dizer que não estou falando de Jesus Cristo. Estou falando de Apolônio de Tiana.

Filósofo neo-aristotélico nascido na Capadócia no século I, um dos muitos profetas de seu tempo que, apesar das semelhanças no currículo, não teve a sorte de se tornar tão popular quanto seu colega de messianato.

Apolônio era basicamente um Cristo com maiores e melhores poderes. Além de fazer enxergar os cegos e andar os mancos, transmutar água em vinho e outros milagres usuais, Apolônio podia estar em dois lugares ao mesmo tempo, era capaz de ler pensamentos e falava línguas que nunca tinha aprendido. Certa vez, aprisionado pelo imperador romano, que o acusou de traição, escapou, milagrosamente é claro.

Mas não só de poderes mágicos se constrói um Messias. Um autêntico Messias precisa de um plano de salvação espiritual, de uma mensagem revolucionária de paz e amor. Apolônio tinha isso também. Como Jesus, Apolônio permaneceu celibatário e deu tudo o que tinha aos pobres, que não era pouco pois seus pais lhe deixaram uma polpuda herança ao morrer. Como J.C., Apolônio se opunha às danças, aos prazeres carnais e aos violentos espetáculos dos gladiadores (acho que Jesus não fez uma menção específica a isso nos testamentos mas suponho que ele teria algo a dizer sobre o assunto se alguém tivesse perguntado). Contrariamente a Jesus no entanto, Apolônio era vegetariano e condenava os sacríficos animais, tão frequentes em seu tempo (o que teria garantido pontos extras se eu estivesse considerando abraçar o cristianismo). Apolônio orava, mas considerava desprezível a idéia de que Deus pudesse ser demovido de Seu supremo propósito para atender as súplicas mundanas. Seres com que se podia fazer pactos, pregava Apolônio, não eram deuses, eram menos do que homens. Começo a entender porque a audiência de Apolônio tornou-se tão menor que a do Jesus… quem ia querer saber de um deus que não atende pedidos em plena Copa do Mundo?!

Diz-se que Apolônio era sempre sereno e nunca se zangava, ou seja, não era do tipo que armaria o maior barraco por causa de camelôs vendendo quinquilharias em pleno templo. Nisso eu defendo o Jesus. Queria ver Apolônio manter a serenidade diante de uma banca de adesivos “Deus é Fiel” e camisetas camufladas escritas “Exército de Deus, Aliste-se Agora“.

Apolônio, como Jesus, tinha um jeito com as palavras; quando, dias antes de ser morto, avisou aos seus apóstolos onde estaria depois de ressucitar, um deles lhe perguntou: “você estará vivo ou o quê?” ao que Apolônio respondeu: “Do meu ponto de vista estarei vivo, do de vocês estarei revivido”. Como convém aos verdadeiros profetas, como Jesus, o Oráculo de Matrix, o Mestre dos Magos e tantos outros, Apolônio sempre dava um jeito de falar por enigmas. Se ele soubesse a confusão que isso poderia causar alguns milhares de anos depois entre seus seguidores, teria sido mais objetivo.

Apolônio era popular em seu tempo; foi saudado por centenas ao adentrar os portões da cidade grega de Alexandria, assim como Jesus o foi ao chegar a Jerusalém. Sua partida para o reino dos céus parece ter sido mais teatral, entretanto. Depois de entrar em um templo grego, Apolônio simplesmente desapareceu, enquanto um coro de virgens entoava cânticos em sua homenagem.

O que a Igreja Católica diz sobre Apolônio? O argumento mais frequente é que a história de Apolônio Cristo não foi escrita por testemunhas oculares. Bem, até aí nada, já que a de Jesus Cristo também não foi. Aliás, se há uma coisa sobre a qual concordam todos os historiadores modernos é que nenhum dos evangelhos do novo testamento foi escrito por alguém que tenha pessoalmente conhecido Jesus (sobre isso recomendo duas fontes sérias: “Jesus e Javé” de Harold Bloom, um renomado intelectual judeu (que leio no momento) e “A História do Cristianismo” de Paul Johnson um dos maiores historiadores vivos, do qual li até hoje somente os três primeiros capítulos). Pelo contrário: é geralmente aceito que os evangelhos foram escritos baseados em tradições orais quase meio século depois da morte de Jesus.

Já de Apolônio quase tudo o que se sabe foi escrito pelo filósofo ateniense Flavius Philostratus entre os anos de 205 a 245 D.C baseada nos escritos de um dos discípulos conteporâneos de Apolônio: Damis de Nineveh. Philostratus foi instruído a escrever a biografia de Apolônio por Domna Julia, esposa do imperador Septimius Severus, uma amante da filosofia que tinha em seu templo particular estátuas de alguns grandes homens sábios, como Orpheus, Jesus e o próprio Apolônio. Da biografia escrita por Philostratus nasceu o culto Apolônico, que durou muitos séculos mas, como se sabe, nunca foi tão bem sucedido quanto aquele outro.

Em um jogo de “Super-Trunfo” que trouxesse profetas em vez de carros ou tanques, a carta de Apolônio certamente perderia no quesito “popularidade” e “flagelo” mas ganharia fácil em “santidade” . Afinal, enquanto Jesus era visto com prostitutas, tinha uma história mal contada com Maria Madalena (aquela história da lavagem dos pés não te lembra o diálogo sobre pés e massagem em Pulp Fiction?) e regalava-se com vinho e carne, Apolônio era abstêmio, não comia nada que não viesse da terra e era visto como um homem santo já em vida. Digamos que Dan Brown teria mais dificuldade em fazer intrigas com a vida sexual de Apolônio do que teve com Jesus (o que nos teria rendido um best-seller mal escrito a menos se a história tivesse sido diferente). Sendo assim o velho jogo do “meu messias é melhor que o seu” começou logo cedo e continua até hoje. Os primeiros historiadores cristãos, como Eusébio de Cesáreia, no século III, até reconheciam os milagres e a santidade de Apolônio mas diziam que, enquanto os milagres de Jesus eram manifestações de Deus, os de Apolônio eram coisa do diabo (o original grego usa a palavra “daemon“, que significa tão somente um ser espiritual, mas a conotação negativa foi a empregada pelos sucessivos teólogos cristãos). Mais tarde a tática para desacreditar Apolônio passou a ser acusar Philostratus de plagiar os evangelhos cristãos, algo que Eusébio, que estava na época e no lugar certo para saber disso, nunca fez. Hoje discute-se se não foram os escribas cristãos que se inspiraram na biografia de Apolônio.

A história de Apolônio me fascina. Primeiramente porque mostra como as histórias de milagres na antiguidade e de homens santos que voltaram da morte não são únicas nem tão especiais quanto os cristãos imaginam. Em segundo lugar porquê como admirador das minorias alternativas e geralmente fracassadas, como PDAs Newton, fitas Sony Betamax e Ceticismo Brasileiro, é bom saber que tenho uma alternativa para o dia em que pensar em me converter; só preciso aceitar Apolônio no meu coração.

Nota: Há pouquíssimos links sobre Apolônio em português, mas este é esplendidamente bem escrito e traduzido.

Outros Messias além de Apolônio de Tiana são conhecidos.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

  • AmadeusXIII

    Aprecio muito as recomendações de leitura aqui no Cet. Valeu povo!

    Fim de Ano + algum tempo livre = colocar a leitura em dia.

    Sobre Apolônio e os diversos messias, penso que sempre existirá a necessidade de alguém que se sacrifique por aqueles que são acomodados demais pra mudar suas vidas… Alguém em quem se espelhar, seja ele um santo ou um astro do Rock. Considero isso comodismo. Não preciso acreditar em um Messias pra me sentir alguém melhor. Trabalho, pago meus impostos, cuido da minha vida e das pessoas que importam pra mim…

    Beleza de artigo.
    Parabéns pelas atualizações aqui no Cet. O site tá cada dia melhor… 😎

    Fatima respondeu:

    AmadeusXIII,

    Acho que é mais maldita mania humana de situar sua felicidade ‘fora desta vida’, aliada à incapacidade de solucionar seus próprios problemas.

    Wilhelm respondeu:

    Eu acho que é a necessidade de acreditar em algo e ter as respostas, associado a necessidade de um pai divino bondoso cuidando e olhando por nós e principalmente ouvindo nossos pedidos e alterando o universo e eventos além do nosso controle por nós.

    È como a necessidade de uma saia divina. O fanatismo é a unica força de vontade acessível aos fracos. Fora que quem realmente manda no mundo sabe que essa historinha vale muito pra eles e apoiam essa merda. Todo religioso pensa que deus esta do seu lado. O rico e poderoso SABE que ele está

    AmadeusXIII Metal Icarus respondeu:

    @Wilhelm, Alguém na comunidade Ateus/Agnósticos no Orkut disse que isso é a necessidade de uma figura paterna que vigia, pune e recompensa…

    acho que é por aí mesmo

  • Achei que era de Jesus o começo do texto, lol 😯

  • Nilson

    ótimo artigo. 😎

  • Fatima

    Sangue de Apolônio tem poder…..Amarrado em nome de Apolônio….

  • Rodrigo

    NEM SÓ JESUS TINHA PODER!!!!

    http://bobagento.com/jesus-cat1234/

    ALELUIA IRMÃO FELINO!!

    😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆 😆

  • Nanda

    Nossa, eu não sabia sobre a existência desse Apolônio. Vou postar no fórum que eu faço parte, se me permitem, e deixar todos intrigados. 😀

    Administrador André respondeu:

    Pode postar. Só pedimos que coloque o link com a fonte.

  • Leandrus Felix

    As pessoas apoiam-se em figuras paternas, e por trás do pano costuram-se as histórias e mitos de forma conveniente. Acreditar que as histórias bíblicas sobre Jesus são fidedignas soa absurdo, e tal afirmação não resiste sequer a análise racional mais simples: basta considerar que Cristo não escreveu nenhum dos evangelhos, todos eles foram produto de outras pessoas. Os relatos perdem-se no tempo, e o ser humano os resgata de acordo com os seus próprios interesses.
    Excelente o artigo.

  • Rod

    Uma pergunta idiota: os comentário em negrito são dos admins?

    []s

    Administrador André respondeu:

    Não necessariamente. Posso escrever simples, posso escrever em itálico, posso até escrever em negrito e em itálico ao mesmo tempo.
    .
    Isso se chama HTML. 😉

  • Pendragon

    A fé e o amor,
    sempre movem,
    montanhas de isopor.
    (de minha humilde lavra)
    -Eu não conhecia esse cara, mas já estou gostando dele ❗

  • Fabiano Teixeira

    Era Ateu, Depois Deísta e por Fim Cristão. Não sou cristão por tradição, mas pq tive minhas experiências pessoais, assim como o lendário Saulo de Tarso. Não sou protestante e muito menos católico. Tento ser imparcial em tudo que vejo de novo.

    Pergunta: Qual seria a credibilidade em Apolônio? Me refiro ao escrito isolado de Flávio Filóstrato haja vista da já existência do Jesus. Pq só os cristãos são os plagiadores nestas situações, conforme o sentimento parcial ao ateísmo que podemos notar no texto? Assim como os loucos protestantes ou católicos que são definidos como parciais a sua fé ( e o são de fato), não seria arriscado mantermos um posicionamento parcial ao ceticismo para qualquer informação nova que entramos em contato, simplesmente por esta concordar com aquilo que desejamos provar?

    Administrador André respondeu:

    Era Ateu, Depois Deísta e por Fim Cristão.

    Além de ser caipira, Pirapora nossa… Senhora de Aparecida…

    Não sou cristão por tradição

    Modinha?

    mas pq tive minhas experiências pessoais, assim como o lendário Saulo de Tarso.

    Entendi. É esquizofrênico e sofre de epilepsia no lobulo temporal, que nem aquele judeu maluco.

    Não sou protestante e muito menos católico. Tento ser imparcial em tudo que vejo de novo.

    Mentira.

    Pergunta: Qual seria a credibilidade em Apolônio? Me refiro ao escrito isolado de Flávio Filóstrato haja vista da já existência do Jesus.

    Nenhuma. E olhe que ele é bemm semelhante ao seu Jesus. ‘Tendeu?

    Pq só os cristãos são os plagiadores nestas situações, conforme o sentimento parcial ao ateísmo que podemos notar no texto?

    Assim como os loucos protestantes ou católicos que são definidos como parciais a sua fé ( e o são de fato), não seria arriscado mantermos um posicionamento parcial ao ceticismo para qualquer informação nova que entramos em contato, simplesmente por esta concordar com aquilo que desejamos provar?

    Perfeitamente. Vc disse que leva em consideração com imparcialidade tudo o q1ue vê. Que tal examinarmos as “milhares” de evidências históricas e documentais que seu Jesus existiu. Topa? Pode começar a mostrá-las.

    Fabiano Teixeira respondeu:

    @André, Senhor sabe tudo e muito respeitador, eu sei que não há evidências do Jesus Histórico. Se ele não existir, somente vou buscar uma resposta para as experiências que passei. A única raiz que me apego é a dos Bispos do 1º e 2º Século terem vivido supostamente com os apóstolos. Não estou agarrando-me a minha fé de forma alienada ou tentando provar a força que ela exista de fato. Só pensei que vc fosse uma pessoa como eu, que busca a verdade com imparcialidade. Se Jesus não existir, paciência. Minha vida continua. Agora prove que ele não existiu? É uma grandeza igual em magnitude, mas em sentido contrário a sua colocação de alguém provar que ele existiu. Quem pode provar cientifica ou historicamente a existência ou não do Jesus?

  • Bebop

    Apolônio não era cristão nem judeu, como então falar em “anjo” e “Espírito Santo” em relação a ele? Você está usando categorias cristãs que não constam das fontes, o que pode dar margem a confusões.

    É uma figura interessante, mas, pelo que sei, a biografia dele, pelo menos a que é usada como referência, foi encomendada por uma autoridade romana numa época em que as disputas com o cristianismo eram fortes. Seria casual, então, que a história de Apolônio — um “messias pagão” — pareçam as de um Jesus “2.0”?

    À guisa de curiosidade, umas das histórias sobre ele é que teria livrado um rapaz que iria desposar uma espécie de súcubo (ou vampiro sexual, como queiram). Bem mais emocionante que os exorcismos de Jesus, com certeza.

    Administrador André respondeu:

    Apolônio não era cristão nem judeu, como então falar em “anjo” e “Espírito Santo” em relação a ele?

    E quem foi que te enganou ao dizer que anjos aparecem apenas na mitologia cristã?

    Você está usando categorias cristãs que não constam das fontes, o que pode dar margem a confusões.

    Para pessoas iletradas, burras e desinformadas, bem possível. Só que não escrevemos para burros aqui.

    É uma figura interessante, mas, pelo que sei, a biografia dele, pelo menos a que é usada como referência, foi encomendada por uma autoridade romana numa época em que as disputas com o cristianismo eram fortes.

    Cojnhsiderando que ele aparece nos atos dos apóstolos e escritos apócrifos, não é bem assim como vc disse.

    Seria casual, então, que a história de Apolônio — um “messias pagão” — pareçam as de um Jesus “2.0??

    E por que não considerar Jesus um Apolônio 2.0?

    À guisa de curiosidade, umas das histórias sobre ele é que teria livrado um rapaz que iria desposar uma espécie de súcubo (ou vampiro sexual, como queiram). Bem mais emocionante que os exorcismos de Jesus, com certeza.

    Isso sim foi o máximo! 🙂

  • Bebop

    Dei uma olhada no atos dos apóstolos e aparece o nome Apolo, ele encontra Paulo de Tarso e no caso ( na bíblia) ele seria cristão, mas, além da semelhança do nome, essa suspeita de serem o mesmo indivíduo se baseia em quê?
    E você poderia me indicar algo em que fale de Apolonio nos escritos apócrifos?

    Administrador André respondeu:

    Tente Atos de Pedro, onde Apolônio sai na mão com Pedro, numa disputa de mágica. Claro que a versão de Pedro diz que ele ganhou a parada, mas ele teria falado se fosse o contrário?.

  • Tatsumi

    Ja vi num documentario sobre o cristianismo legendado
    em pt de portugal que os tais profetas/discipulos competiam
    emtre si p/ saber quem tinha + poder;Era uma coisa singela
    e implicita, o doido subia em algum lugar alto e pulava dizendo:
    os anjos vao me amparar pq sou sou + forte!
    P/ isso acredito q os santos q tinha visoes e se achavam deuses
    tinham os parafusos frouxos. :mrgreen:

    Icarus respondeu:

    @Tatsumi,

    History, NatGeo ou Discovery Channel? 🙂

  • celina

    bom se teve este apolonio e sinal q realmente existe coisas sagradas, quanto se jesus existiu ou nao nao posso dizer nada mas e legal saber que ja andou na terra homens que provam que a morte nao existe porq cendo cetico ou pessoas humildes, homens poderosos todos anseiam que relmente haja vida apos a morte, a ciencia progrediu bastante, mas esta longe de afirmar com exatidao algo tao complicado como a morte enquanto meu dia nao chega vou curtir a minha vida ao maximo^^

    Administrador André respondeu:

    Vc não entendeu o artigo, filhota.

    E “CENDO” é a… bem, deixa pra lá.

  • tamy

    fico me perguntando pq um cara desses não aparece nos dia de hj 🙄

  • Alex38

    Muito bom o conteúdo da matéria,e também enriqueceu meu conhecimento.Também quero aqui ressaltar que já li o livro Jesus e Javé a alguns anos,assim como muito sobre cristianismo perdido,e continuo lendo a mais de 20 anos.
    Esto disposto a dividir conhecimento,dentro dos limites de cada um respeitando e sendo respeitado,visto que é um assunto delicado e ainda acredito que a sociedade não aceita agnósticos e deistas.

  • LucianoNovoLivrePensador

    Provavelmente nenhum destes personagens messiânicos antigos existiram de fato da maneira como são descritos por crentes atuais. O que temos hoje são milênios de manipulação da história e jogos de interesse, além de fábulas inventadas para hipnotizar e subjugar as massas.

  • Sandro Leonardo De Carvalho Si

    Adorei o link, André. Você e o Lealcy B. Junior estão de parabéns! Como posso encontrar as fontes desse e dos links do Lealcy sobre o fato de Jesus ser um plágio de mitos mais antigos como o de Hórus? Abs.

  • Sandro Leonardo De Carvalho Si

    Adorei os links sobre Jesus, André! Você e o Lealcy B. Junior estão de parabéns! Onde posso encontrar as fontes dos artigos de vocês sobre o fato de Jesus ser um plágio de mitos mais antigos como o de Hórus? Abraços!