Uma viagem pela Nebulosa Órion

Como seria dar um rolé pela Nebulosa de Orion? A emocionante animação abaixo é baseada em dados astronômicos reais e técnicas adequadas de renderização de filmes. A representação modelada digitalmente é baseada em dados infravermelhos do Telescópio Espacial Spitzer, mostrando as maravilhas da nebulosa que possui cerca de 40 anos-luz de diâmetro e está localizada no mesmo braço espiral de nossa Galáxia que o Sol.

Continuar lendo “Uma viagem pela Nebulosa Órion”

Grandes Observadores do Espaço: Spitzer

O Spitzer é um telescópio espacial, cuja missão é fornecer uma visão única do Universo usando a invisível radiação infravermelha. Com ele, é possível observar regiões do espaço ocultas dos telescópios ópticos, já que o Spitzer vê, basicamente, calor dos corpos.

O problema é que qualquer corpo acima do zero absoluto emite radiação infravermelha. Como fazer para que a própria radiação infravermelha que o Spitzer emite não interfira nas observações?

Continuar lendo “Grandes Observadores do Espaço: Spitzer”

A atmosfera de um planeta parecido com Netuno, só que não tão parecido

Quanto mais aprendemos, mais temos a aprender,. Quanto mais descobrimos, mais aprendemos. Quanto mais aprendemos, vemos que tem mais a se descobrir e isso nos explica muito sobre o que temos aqui perto de nós. Quando nós estudamos exoplanetas, muitas respostas aparecem que ilustram coisas que acontecem em planetas do nosso Sistema Solar.

Continuar lendo “A atmosfera de um planeta parecido com Netuno, só que não tão parecido”

Vão-se os dedos, ficam-se os anéis de Saturno

O Pai da região do Lácio assenta-se em seu trono. Lá ele contempla seus domínios. Senhor da Justiça, da renovação, Saturno enfrentou seu destino várias vezes, e sempre saiu vencedor, ainda que Júpiter o desdenhe. Saturno é grande por si só.

Os anéis do astro-deus são inigualáveis. Mesmo Júpiter, o rei dos Planetas não tem os anéis que Saturno tem. A bem da verdade, enquanto Galileu já tinha observado os anéis de Saturno (ele o chamou de "orelhas". Quem descobriu que eram anéis, mesmo, foi Huygens), os anéis de Júpiter só  foram observados pela primeira vez em 1979, pela sonda espacial Voyager I. Mas por que Júpiter, Saturno, Urano e Netuno têm anéis e Vênus, Terra e Marte não têm? Falta um "Meu Anel, Minha Vida?" (ok, isso soou esquisito)

Continuar lendo “Vão-se os dedos, ficam-se os anéis de Saturno”

Os nublados céus amigos de Kepler

Não basta encontrarmos novos mundos, outros exoplanetas. Temos que saber mais detalhes sobre ele, como é, do que é feito e como é a previsão do tempo. Com ela, saberemos muito sobre o planeta, se bem que qualquer mínima pela de informação é saber muito mais do que se sabia 5 minutos antes. Agora, astrônomos estão engajados em analisar os céus amigos de um outro planeta: Kepler-7b.

Continuar lendo “Os nublados céus amigos de Kepler”

Telescópio Espacial Spitzer captura estrela criando cristais de cometas

O Telescópio Espacial Spitzer foi lançado ao espaço pela NASA, com o auxílio de um Foguete Delta II em 25 de agosto de 2003. Basicamente, é uma estrutura tubular de 85 cm de diâmetro, resfriado criogenicamente, cuja especialidade é captar imagens em Infra-Vermelho, ou seja, emanações de calor, mesmo a grandes distâncias. É é por causa disso que ele deve ser altamente resfriado, a fim que seu próprio calor não interfira na captação das imagens.

Por sinal, ele conseguiu um excelente resultado, pois pode ter encontrado a resposta para uma das mais intrigantes questões que vinha desafiando os astrônomos há décadas: como é que cristais de silicatos, que exigem temperaturas altíssimas para se formarem, vão parar nos cometas, corpos literalmente congelados, nascidos nas frias bordas dos sistemas planetários? Continuar lendo “Telescópio Espacial Spitzer captura estrela criando cristais de cometas”