Bispo ortodoxo russo diz que quem não se vacina é pecador fidaputa

Vocês sabem que eu sempre achei que cada um reza pro ser místico que quiser. Meu problema é a interferência da religião no Estado, estabelecendo controle. Claro, há algumas exceções, como foi o caso de um dos bispos sêniors da Igreja Ortodoxa da Rússia, bispo Hilarion Alfeyev, membro permanente do Santo Sínodo do Patriarcado de Moscou e metropolita de Volokolamsk.

Hilarion  disse que quem recusa ser vacinado comete pecado pelo qual pagará por toda a vida, porque ele, as pessoas precisam pensar principalmente nos seus semelhantes. Eu achei maneiro, mas… Continuar lendo “Bispo ortodoxo russo diz que quem não se vacina é pecador fidaputa”

Insanidades da Reencarnação

O mundo religioso conseguiu um sistema de pagamentos como financiamento de imóveis da Caixa, em que você vive pagando eternamente, e lá pelas tantas nem sabe o motivo. Você nasce e paga, volta e morre e a cada reencarnação você paga um carma que ninguém lhe ensinou como fugir dele, pois ninguém sabe este crime horrível que você cometeu.

Sem pecado não tem religião. Não pode haver pecado sem crime, logo, dizem que misteriosos são os desígnios de Deus, e você que se dane. Procure a igreja mais próxima e redima-se daquilo que você nem faz ideia do que fez.

Neste vídeo conversaremos sobre esta maravilha de financiamento de pecados, provando mais uma vez que Deus é bom!

Continuar lendo “Insanidades da Reencarnação”

A rota alternativa ao pecado, ou “Aí não! Alí, ó!”

Então, irmãos e irmãs, eu sei que é duro resistir ao mundo hedonista dos prazeres, ou, parafraseando Oscar Wilde, resiste-se a tudo menos às tentações. Mas é imperativo que nós VOCÊS mantenham a pureza de sua castidade. Não se entreguem à luxúria em demasia, peçam por continência e castidade (mas façam a ressalva de Santo Agostinho, ou receberão na mesma hora). Mas se a tentação for muita, lembrem-se do vídeo abaixo, pois Deus é sábio e sempre procura dar-lhe um subterfúgio.

Continuar lendo “A rota alternativa ao pecado, ou “Aí não! Alí, ó!””