Sabe os neurônios responsáveis pela doença de Parkinson? Tem mais alguns envolvidos

A doença de Parkinson, junto com o Alzheimer, é umas doenças neurológicas mais estudadas. Trata-se de uma doença degenerativa do sistema nervoso central. Ela é crônica, progressiva e causada por uma diminuição intensa da produção de dopamina, um neurotransmissor atua na realização dos movimentos voluntários do corpo de forma automática. Sem a dopamina estar ali nas quantidades necessárias, as pessoas começam a ter movimentos involuntários, muitas vezes em estado bem intenso.

Agora, pesquisadores descobriram dois tipos distintos de neurônios que entregam dopamina à região do cérebro responsável não só pelo movimento como pelo comportamento de aprendizagem/recompensa. E pode ser que o que se sabia não era bem assim.

Continuar lendo “Sabe os neurônios responsáveis pela doença de Parkinson? Tem mais alguns envolvidos”

Camelô vendendo brigadeiro de maconha. Mas a ANVISA não liberou? Não, senhor!

O Brasil anda de vento em popa com sérios problemas de abastecimento de água. Estão falando de racionamento… Não, desculpem. É "restrição hídrica". Mas não é de água que eu vou falar. Falarei sobre algo que existe em abundância: cara-de-pau. Tem "gente" vendendo docinho feito de maconha nas praias. Não sei quem é mais idiota. Quem vende achando que não tem nada demais ou quem compra achando que ficará legalmente doidão.

E não, gente. ANVISA não tem nada a ver com isso. Maconha não foi liberada. Mas vamos por partes.

Continuar lendo “Camelô vendendo brigadeiro de maconha. Mas a ANVISA não liberou? Não, senhor!”

Novos Frankensteins?

Por Jerry Carvalho Borges

Há quase trinta anos, em 5 de julho de 1978, grande parte da humanidade foi tomada de surpresa pelo nascimento da pequena britânica Louise Brown. O motivo da comoção foi que a criança não havia sido concebida pelos meios tradicionais e, sim, gerada por fertilização in vitro.

O nascimento desse primeiro bebê de proveta – como foi chamado pela imprensa – suscitou um imenso debate sobre ética na ciência. Para alguns, essa técnica desenvolvida pelos médicos Patrick Steptoe e Robert Edwards, do hospital Kershaw Cottage de Lancashire e da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, podia ser considerada o “milagre do século”. Para outros, porém, era um sacrilégio que atentava contra os limites impostos ao ser humano. Continuar lendo “Novos Frankensteins?”