Natureza Ética: Planta carnívora não livra a cara nem de anfíbios

A Natureza é boa e ética. Só esqueceram de falar isso para a Natureza, principalmente as plantas. Plantas têm sua parcela de malvadeza, ainda mais aquelas que acham que vegans são retardados, que seriam quase todas, mas nem toda planta consegue traçar uma bela peça de carne (como salamandras, por exemplo).

Um exemplo são plantas das famílias Nepenthaceae e Sarraceniaceae, que são daquelas plantas carnívoras que riam armadilhas de queda, em que o animal escorrega para um fosso na planta e fica preso lá, sem poder sair, enquanto a plantinha queridinha digere o animal ainda vivo.

Continuar lendo “Natureza Ética: Planta carnívora não livra a cara nem de anfíbios”

O mistério da carne de mamute servida no jantar

Passatempo é algo que os seres humanos cultivam desde que são seres humanos. Jantar também, mas arrumar comida era mais difícil do que arrumar algo pra se divertir (mesmo porque, entretenimento ajudava a distrair da fome). Além de explorarmos os ambientes em busca de comida, aprendemos a nos divertir caçando. Também aprendemos a caçar outros indivíduos em atividades como guerras, por exemplo; afinal, guerras são o divertimento dos homens, como diria o capitão Rodrigo Cambará. Passou-se alguns séculos até que formássemos grupinhos de exploradores (normalmente, gente rica, pois pobres estavam muito ocupados explorando 16 horas de jornada de trabalho, sem contar com as horas-extra.

Conta a lenda que em um certo jantar do The Explorers Club, no ano de 1951, foi servida uma incrível iguaria: carne de mamute. Se bem que alguns dizem que foi carne de Megatherium, aquela preguiça gigante. Seria que isso é boato? Será que é verdade? Pode a Ciência do século XXI provar ou desmentir a veracidade dessa história?

Continuar lendo “O mistério da carne de mamute servida no jantar”