A sinfonia da distância do Universo

O Hubble Ultra Deep Field é uma imagem de uma pequena região do Espaço, mas de grande importância. Ela foi obtida por seguidas exposições do Telescópio Espacial Hubble entre 2003 e 2004, e é a imagem mais profunda do universo tirada em luz visível, registrando galáxias e estrelas como com seu brilho emitido há bilhões de anos. Com certeza, muitas dessas estrelas sequer existem mais, mas é um registro do passado, um “osso estelar” encontrado por um paleontólogo espacial que observa as entranhas de um Universo que há muito se modificou.

Esta imagem retrata um universo jovem, com idade entre 400-800 milhões de anos após o Big Bang. Muito antigo, não é, mesmo?

Continuar lendo “A sinfonia da distância do Universo”

O maravilhoso pio da Águia Espacial

A Nebulosa da Águia está situada a cerca de 6.500-7.000 anos-luz da Terra. Se viajássemos à velocidade da Luz (e nada viaja mais rápido que a Luz) demoraríamos quase 7 mil anos para chegar lá. É muito tempo. E isso sem contar com a dilatação espaço-tempo. Esses “quase 7 mil anos” são válidos apenas dentro da nave. A imagem acima, feita pelo Hubble, é apenas um pequeno trecho desta nebulosa; batizado de Pilares da Criação, estas estruturas são absurdamente enormes, com anos-luz de altura… ou pelo menos era assim há muito, muito tempo. Eles não existem mais, e se ainda os vemos, é por causa dos truques que a luz nos prega. Lembram que eu falei que demora quase 7 mil anos na velocidade da luz? Pois é.

Continuar lendo “O maravilhoso pio da Águia Espacial”

Hubble: uma viagem que não foi feita. Ainda!

O que você veria se pudesse voar para o Recife Cósmico? A nuvem nebulosa NGC 2014 parece um recife oceânico que reside no céu, especificamente no LMC, a maior galáxia satélite da nossa Via Láctea. Uma imagem detalhada desta nebulosa distante foi tirada pelo Telescópio Espacial Hubble para ajudar a comemorar 30 anos de investigação do cosmos. Dados e imagens deste recife cósmico foram combinados no modelo tridimensional apresentado no vídeo a seguir.

Todos esses dados e animados por computador. Mesmo porque, não é assim que os telescópios “enxergam”. Ainda assim, é magnífico ver estas imagens.

Continuar lendo “Hubble: uma viagem que não foi feita. Ainda!”

As novas imagens de Saturno trazidas pelo Hubble

Saturno é o Senhor dos Céus. Um magnífico, enormemente gigante e maravilhoso planeta. Seus anéis e satélites são um sistema à parte e estudar Saturno é entender como o próprio Sistema Solar se formou e atua.

O Hubble está meio velhinho, mas sábio e enxergando como nunca. Ele a todo momento nos traz coisas que não tínhamos visto antes. É preciso uma confluência de geometria, óptica e sorte, também. Quando essas três componentes estão em sintonia, acontece do magnífico telescópio trazer até nós novas e incríveis imagens.

Continuar lendo “As novas imagens de Saturno trazidas pelo Hubble”

Hubble descobre vapor d’água em exoplaneta

O K2-18b chamou a atenção de todo mundo. Foi descoberto água lá. Mas calma, não é água líquida, e sim, tem importância. Apesar das imagens do Hubble indicarem a presença de água no estado de vapor, alguns estão teorizando que tem até nuvens lá. Só que nuvens são água no estado líquido, e a assinatura molecular é diferente.

Continuar lendo “Hubble descobre vapor d’água em exoplaneta”

Pesquisa encontra sal em Europa. Pesquisadora surta e diz que pode ter vida lá

Eu gosto das associações que costumam fazer. Algumas, totalmente despropositadas. Outras, têm até um motivo para a associação e esse motivo é simplesmente ser notado. Tive um belo vislumbre disso ao ler uma pesquisa científica que determinou a presença de cloreto de sódio (o sal de cozinha, você sabe) em um lago de Europa (o satélite de Júpiter e não o continente).

Uma das conclusões da pesquisadora é que isso podia ser indício de ter seres vivos lá.

Continuar lendo “Pesquisa encontra sal em Europa. Pesquisadora surta e diz que pode ter vida lá”

Hubble registra Phobos passando por Marte

O Telescópio Espacial Hubble continua firme e forte dando uma zoiada pelo Universo enquanto ainda não é descomissionado de vez, o que eu espero que nunca aconteça porque… bem, é o Hubble, né? Dessa vez, ele estava registrando umas imagens de Marte, quando o pequeno satélite Phobos estava em sua órbita normal e acabou sendo registrada pelo Hubble, mas tão pequena que é este satélite que ele parece uma pequena estrela.

Ao longo de 22 minutos, o Hubble levou 13 exposições separadas, permitindo que os astrônomos criassem um vídeo de lapso de tempo que mostra o caminho orbital de Phobos. As observações de Hubble foram destinadas a fotografar Marte, e o “Hello Ladies” de Phobos foi um bônus.

Continuar lendo “Hubble registra Phobos passando por Marte”

Hubble descobre planetão gigante com estratosfera quente feito diabo

Ele está velhinho, mas ainda dá no couro, fazendo a alegria de muita gente. Não, não estou falando do seu Antenor, 70 anos, 32 filhos, o mais novo com 7 anos. Estou falando do Telescópio espacial Hubble, que está de olho em tudo pelo Universo afora (ok, ele não fica tomando conta da vida do seu Antenor). A mais recente descoberta é num exoplaneta. Não que exoplanetas sejam mais novidade (tá bem, são!). mas o interessante foi o que foi descoberto num exoplaneta: a comprovação de uma estratosfera.

Continuar lendo “Hubble descobre planetão gigante com estratosfera quente feito diabo”

Um possível buraco negro se formando vindo de uma supernova que falhou

Uma equipe de astrônomos da Universidade Estadual de Ohio assistiu a uma estrela desaparecer e possivelmente se tornar um buraco negro. O diferencial é que esta estrela não tinha se tornado uma supernova, como a teoria corrente diz.

A equipe usou telescópios espaciais Hubble e Spitzer da NASA e o Grande Telescópio Binocular para observar e monitorar a estrela ao longo da última década. Se confirmado, esta seria a primeira vez que alguém testemunhou o nascimento de um buraco negro e a primeira descoberta de uma supernova falhada.

Continuar lendo “Um possível buraco negro se formando vindo de uma supernova que falhou”

Raio-X das turbulências de Perseus

O cluster de Perseus é um aglomerado de galáxias na constelação Perseus e é um dos objetos mais massivos do universo conhecido, contendo milhares de galáxias imersas em uma vasta nuvem de gás de vários milhões de graus. O telescópio espacial Hubble e o telescópio de raios-X Chandra captaram imagens quando um aglomerado de galáxias pequenas passou perto do cluster, perturbando os gases, formando o que chamamos  de onda de Kelvin-Helmholtz.

Continuar lendo “Raio-X das turbulências de Perseus”