Testemunhas de Jeová correm mais risco de morte durante o parto que as demais pessoas

Um estudo publicado no British Journal of Obstetrics and Gynaecology (BJOG) verificou que as mulheres que são Testemunhas de Jeová enfrentam um aumento significativo do risco de morte durante o parto. O estudo constatou que as mulheres neste grupo possuem uma probabilidade seis vezes maior de morrer, e três vezes mais provável de contraírem complicações sérias, acima da média (em comparação com a população holandesa em geral). Isto inclui um aumento de 130 vezes no risco de morte por hemorragia obstétrica grave. Continuar lendo “Testemunhas de Jeová correm mais risco de morte durante o parto que as demais pessoas”

Exame de sangue permite prever depressão pós-parto

Conhecida também como depressão puerperal é diagnosticada como uma instabilidade emocional que surge nas primeiras semanas seguidas ao parto e atinge cerca de 13% das mulheres que deram à luz. Para ser caracterizado um quadro de depressão os sintomas devem persistir por mais de 15 dias. Em alguns casos, no entanto, os sintomas podem durar meses, até anos, e, muitas vezes, exige psicoterapia e uso de antidepressivos.

A depressão pós-parto (DPP) provoca tristeza profunda, insônia, perda de apetite, oscilação de humor, ansiedade, excesso ou ausência de cuidados com o bebê, dificuldade em tomar decisões, choro freqüente, perda de memória, sentimento de culpa ou sensação de impotência. Há situações em que a mãe precisa dividir as tarefas de cuidar do bebê com outras pessoas até sua recuperação. Continuar lendo “Exame de sangue permite prever depressão pós-parto”

Coluna feminina se adaptou para suportar peso da gravidez

Cientistas encontram diferenças estruturais entre espinha dorsal de homens e mulheres. Alterações parecem ter surgido há cerca de dois milhões de anos.

Alegrias da maternidade à parte, carregar um bebê no ventre é um peso – literalmente. E para se adaptar a um organismo em crescimento em frente a uma coluna projetada inicialmente para animais quadrúpedes, as mulheres tiveram que sofrer algumas mudanças, de acordo com um estudo divulgado nesta semana. Os pesquisadores encontraram alterações estruturais na coluna de mulheres, que não existem nem em homens nem em macacos, feitas especialmente para abrigar uma nova vida com conforto para a futura mamãe. Continuar lendo “Coluna feminina se adaptou para suportar peso da gravidez”