Euriptéridos: Os cascudões malvados do Paleozoico

O mundo de antigamente era bem rox. Pior do que ter que andar pelas ruas do Brasil, desviando de coronguentos. Durante a chamada Era Paleozoica, entre 541 milhões e 252 milhões de anos atrás, os artrópodes estavam no auge do domínio. Alguns com tamanhos absurdamente grandes. Um deles era extremamente grande, feroz, assassino, maníaco, caçador e destruidor. Não, não estou falando de político brasileiro, mas deles: os escorpiões do mar, ou euriptéridos.

Os euriptéridos constituíam uma ordem de artrópodes merostomados, ou seja, possuíam um prossoma coberto por um escudo amplo e duro em forma de carapaça, com apêndices laminares funcionando como brânquias foliáceas e um espinho caudal longo e agudo e, por isso, o nome de “escorpiões-do-mar”, apesar de não terem nada a ver com os escorpiões atuais. É só por associação, mesmo; da mesma forma que peixe-boi não é um nelore que aprendeu a mergulhar.

Continuar lendo “Euriptéridos: Os cascudões malvados do Paleozoico”

Quem foi extinto primeiro na Extinção do Permiano

A brutal extinção em massa no final do período Permiano, há 252 milhões de anos, mandou pra vala 95% de toda a vida na Terra. Pero dela, a extinção que aniquilou os dinos não foi nada. Mas tem um detalhe: evidências sugerem que esta extinção foi muito mais severa na terra seca do que nos ambientes aquáticos, de acordo com os novos leitos fósseis da África do Sul e Austrália.

Continuar lendo “Quem foi extinto primeiro na Extinção do Permiano”

Dinossauro malvadão trocava de dentes a cada dois meses

Imagine que você é um tubarão, nadando feliz nas águas de Nosso Senhor Sharknado (com ele a Oração e a Paz). Você pensa que é único e especial, mas ai descobre que tinha uma espécie de dinossauro carnívoro que também trocava os dentes da mesma maneira que você. Pronto, aí é caso de ter crises existenciais.

O Majungassauro viveu em Madagascar há cerca de 70 milhões de anos. Ele tinha a capacidade de trocar todos os dentes a cada dois meses. Até então, nunca tinha se descoberto algo assim entre dinossauros, mas depois que analisaram um fóssil, bem… ciência, né? As coisas sempre se atualizam.

Continuar lendo “Dinossauro malvadão trocava de dentes a cada dois meses”

Classificada maior salamandra. Vem com papai!

Salamandras gigantes não são uma novidade. Em 2013, eu tinha publicado um artigo sobre a salamandra gigante japonesa, uma das maiores de seu tipo, que mudou muito pouco se compararmos com um fóssil de 300 milhões de anos. A China também tem das suas, sendo as salamandras gigantes chinesas classificadas como ameaçadas de extinção. Até pouco tempo atrás, elas eram consideradas como sendo uma única espécie (Andrias davidianus). No entanto, novas análises de 17 espécimes históricos de museus e amostras de tecidos de salamandras selvagens mostram que não é bem assim.

Continuar lendo “Classificada maior salamandra. Vem com papai!”

Pesquisa estuda como o malvadão Tiranossauro mordia as presas

Todo mundo gosta de dinossauros, e não é pra menos! São verdadeiramente monstros que existiram, e mesmo que milhões de anos separem a Era dos Dinossauros e a Era dos Homens, vemos com fascinação do que estes seres malvadões eram capazes, em especial o Tiranossauro rex, o rei dos lagartos tiranos, que algum revisionista miserável resolveu dizer que ele tinha penas.

Agora, fica a pergunta: seno um dinossaurão malvadão, ainda assim era preciso poderosas mandíbulas para esmagar, destroçar, triturar os ossos das vítimas. Como ele conseguia isso sem afetar os ossos do próprio crânio?

Continuar lendo “Pesquisa estuda como o malvadão Tiranossauro mordia as presas”

As proteínas escondidas num dentão de mais de milhão de anos

Estudar bicho de hoje é legal, mas maneiro mesmo é estudar animais antigos, como rinocerontes e yo momma. Infelizmente, yo momma não estava a fim, então, foram examinar osso de rinoceronte morto há cerca de 1,7 milhão de anos. De posse disso, cientistas conseguiram extrair a informação genética , e, claro, já tem maluco achando que vai dar para trazer de volta espécies há muito extintas. O que poderia dar errado?

Continuar lendo “As proteínas escondidas num dentão de mais de milhão de anos”

Presente de Grego: Caveira humana é o fóssil de Homo sapiens mais antigo fora da África

Neandertais se mostram muitas vezes mais interessantes que Homo sapiens. O fato de eles terem perdido na corrida evolutiva não tira a curiosidade sobre um dos últimos hominídeos a conviverem diretamente com seres humanos. Em 1978, em uma caverna chamada Apidima, no extremo sul da Grécia, um grupo de antropólogos encontrou um par de crânios parecidos com humanos. Um tinha um rosto, mas estava muito distorcido; o outro era apenas a metade esquerda de uma caixa craniana. Os pesquisadores acharam que eram neandertais, ou algum outro hominídeo perambulando por lá. Estavam quase certos!

O caveirão conhecido Apidima 2, o do crânio completo, era um neandertal de 170 mil anos. Você pensa que só porque ele estava inteiro (ou quase) ele era mais importante, certo? Errou, miserárver! O importante era o outro. Sempre foi. Aquele conhecido como Apidima 1, sabe-se agora, era um ser humano moderno de 210.000 anos. É o fóssil mais antigo de um Homo sapiens encontrado fora da África.

Continuar lendo “Presente de Grego: Caveira humana é o fóssil de Homo sapiens mais antigo fora da África”

Renderização mostra como era tatatatataravô das cobras

Era uma vez uma cobra com 4 patas que conseguia ficar ereta. Não apenas isso, ela falava e mandou umas ideias de jerico pra uma dona burra feito uma porta, casada com um zé ruela mais burro que ela. Aí veio o chefe da milícia e expulsou todo mundo do condomínio construído de forma irregular.

Assim diz a mitologia Tropa de Elite 3, o Inimigo é Javé. No mundo das pessoas normais, cobras evoluíram de um ancestral que até pouco tempo não se tinha certeza de como era o formato. Só que uma equipe de pesquisadores conseguiu reconstruir como o ancestral das peçonhentas marvadas possa ter parecido.

Continuar lendo “Renderização mostra como era tatatatataravô das cobras”

Descoberto defunto de cavalo com sangue líquido. O que poderemos fazer de errado?

Fósseis são muito legais. E quanto mais conservados, mais legais são. Tão legais que alguns candidatos a Frankenstein correm logo para tentar reviver os bichos mortos de antigamente, mas isso seria total estupidez, como o dr. Ian Malcolm pode atestar. Mas quem liga pro que o pessoal de Exatas fala? Mas hoje não estamos falando de Jurassic Park e sim da descoberta feita por pesquisadores na região de Yakutsk, na Sibéria. O que eles conseguiram demais? Nada, não. Só extrair amostras de sangue líquido de um potro de 42 mil anos que foi encontrado num permafrost em 2018.

Voltando ao Jurassic Park, os cientistas estão achando o máximo terem encontrado sangue líquido, pulando de alegria pela possibilidade de ter algumas células viáveis ??para clonar o seu dono. Percebe, Evair, a clonagem do cavalo.

Continuar lendo “Descoberto defunto de cavalo com sangue líquido. O que poderemos fazer de errado?”

Encontrados defuntos romanos sem cabeça no lugar certo. Algo como brasileiros de hoje

A vida do pessoal antigamente não era nada fácil. Além de não ter iFood, ter que sair para pagar as contas em banco e não terem ainda disponíveis a roda, sepultamentos também eram um tanto quanto… estranhos. Que o diga o assentamento romano encontrado em Suffolk, Inglaterra. O que tem de estranho lá? Bem, não tanto o fato de terem encontrado um cemitério com 52 esqueletos muito bem preservados. A parte estranha é que 17 deles estavam enterrados direitinho, sendo que os demais estavam decapitados.

Quem foi o maluco que enterrou aqueles 17 sujeitos intactos? Preguiça do estagiário de completar o serviço?

Continuar lendo “Encontrados defuntos romanos sem cabeça no lugar certo. Algo como brasileiros de hoje”