Pesquisa brasileira mostra como melhorar eficiência no cultivo de soja

Por muito tempo, o Brasil liderou a produção e exportação mundial de soja, mas nossa incompetência endêmica nos fez perder o posto de maior exportador de soja do mundo para os Estados Unidos. Da produção mundial de pouco mais de 351 milhões de toneladas de soja, com uma área cultivada e aproximadamente 121 milhões de hectares, os EUA produzem 117,2 milhões de toneladas do referido grão em uma área de 33,48 milhões de hectares. Já o Brasil produz 113,92 milhões de toneladas de soja em uma área de 33,89 milhões de hectares, tendo uma eficiência de plantio inferior ao dos EUA, que não parece muito, mas quando jogamos na tabela em termos de milhares de hectares (1 hectare é um hectômetro quadrado ou 10 mil m2). Fonte

A soja é importantíssima e estratégica, já que é um alimento rico em proteínas, podendo ser usada para consumo humano e de animais. O problema é proteínas são moléculas que precisam de boas quantidades de nitrogênio para que sejam estabelecidas ligações peptídicas; isso acarreta que seu cultivo demanda alta concentração de nitrogênio no solo. Como podemos melhorar a eficiência no cultivo? Ora, tendo mais nitrogênio no solo, é claro. Fácil, não? Como fixaremos mais nitrogênio?

Continuar lendo “Pesquisa brasileira mostra como melhorar eficiência no cultivo de soja”

Cientistas pesquisam bactérias que degradam compostos organo-fosforados

Na Química Industrial, um dos mais importantes compostos é, com certeza, o ácido sulfúrico. Sua produção e utilização, mediante seus múltiplos usos, é um dos principais indicativos do grau de industrialização de um país. Assim como o H2SO4, os vários tipos de ácidos derivados do fósforo são muito importantes e um dos principais é o ácido ortofosfórico (H3PO4). Entretanto, ele não é o único. O ácido fosforoso (H3PO3) possui múltiplas utilizações. Normalmente, ele apresenta tautomeria, isto é, ele permanece em equilíbrio químico dinâmico, mudando sua configuração molecular, conforme é apresentado abaixo.

A diferença está que os hidrogênios só sairão para a solução sob a forma de hidrogênio ionizável se ele estiver ligado ao oxigênio, o que acarretará no grau de acidez da solução. Como estes hidrogênios são reativos, eles podem ser substituídos por radicais orgânicos (não, não é um tomate comunista, apesar de ser vermelhinho). Estes compostos são chamados ácidos fosfônicos – também chamados compostos "organo-fosforados" – e são muito empregados na indústria. Só que eles não são bonzinhos como podem imaginar.

Continuar lendo “Cientistas pesquisam bactérias que degradam compostos organo-fosforados”