Preguiça de pensar num titulo. Toma um timelapse aê

Eu adoro timelapses, e não canso de falar isso. Também não canso de postar timelapses. Este a seguir, por exemplo, foi gravado durante o ano 2017, ou 3 a.C. (Antes do Coronga). Este vídeo foi composto por fotos tiradas da Estação Espacial Internacional mostrando a Terra à noite.

Continuar lendo “Preguiça de pensar num titulo. Toma um timelapse aê”

Elfos, fadas e câmeras espaciais

O ASIM é escrito assim mesmo. Trata-se do acrônimo do Monitor de Interações Atmosfera-Espaço (Atmosphere-Space Interactions Monitor). Este aparato é uma instalação de observação da Terra da ESA (a Agência Espacial Europeia) para o estudo de tempestades severas e qual o papel que elas têm na atmosfera e no clima de nosso planeta.

Mas quando se fala em “tempestades severas”, estamos se referindo a tempestades de alta altitude, em que esses raios atmosféricos superiores são chamados de “eventos luminosos transitórios”, ocorrendo bem acima das altitudes de raios normais e nuvens de tempestade, com um processo de descarga de elétrons em fuga sendo sugerido como o principal mecanismo.

Continuar lendo “Elfos, fadas e câmeras espaciais”

A supercelula de Satã formando um ciclone

Mãe Natureza é daquelas desnaturadas. Mamãe Natureza é uma bela duma sem-vergonha, pior que a Madrasta da Branca de Neve, só que mais eficiente. Se por um lado temos terremotos, vulcões, maremotos e, claro, não podemos deixar de lado os ciclones.

Uma supercélula é uma tempestade Chuck Norris. É algo feio, horroroso e se você for esperto vai fugir pra primeira montanha; o que não garantirá nada e você encontrara com Satã, de braços abertos, perguntando por que demorou tanto. Neste tipo de tempestade, temos uma corrente ascendente de ar, chamada de mesociclone, e o que ele faz é isso aqui:

Continuar lendo “A supercelula de Satã formando um ciclone”