Estação Espacial Internacional: Uma ponte para ao Espaço

A Estação Espacial Internacional é uma das maiores conquistas da Humanidade. Volitando ao sabor da gravidade da Terra, a ISS é um exemplo como vários países, técnicos, cientistas e pessoas comuns trabalhando em conjunto podem alcançar maravilhas. É uma fantástica aventura pelo Espaço tendo a Terra embaixo observando-a em todo o seu esplendor.

Continuar lendo “Estação Espacial Internacional: Uma ponte para ao Espaço”

O fim magnífico de uma relíquia espacial

Na década de 1960, a NASA estava estudando a atmosfera terrestre. Para isso, criou o programa Observatório Geofísico Orbital (Orbiting Geophysical Observatory – OGO). Foram seis satélites lançados pelos Estados Unidos. OGO-1 foi lançado em 4 de setembro de 1964; OGO-2, em 14 de outubro de 196; OGO-3, em 7 de junho de 1966; OGO-4, em 28 de julho de 1967; OGO-5, em 4 de março de 1968 e OGO 6-foi lançado em 5 de junho de 1969.

Todos eles já tinham terminado seu serviço há muito, muito tempo. Todos caíram e viraram caquinha na atmosfera terrestre. Todos, menos o OGO-1, que teve seu fim glorioso em 29 de agosto último, devidamente registrado.

Continuar lendo “O fim magnífico de uma relíquia espacial”

Um passeio pela Cratera Korolev

Este filme, baseado em imagens tiradas pelo Mars Express da ESA, mostra a cratera Korolev com 82 km de largura em Marte. A cratera recebeu o nome do engenheiro-chefe de foguetes e designer de naves Sergei Pavlovich Korolev, pai da tecnologia espacial russa. Este filme foi criado usando um mosaico de imagens feito de observações em órbita única da Câmera Estéreo de Alta Resolução (HRSC) no Mars Express.

A imagem em mosaico foi então combinada com informações de topografia dos canais estéreo do HRSC para gerar uma paisagem tridimensional, como em uma câmera de filme, para simular o voo mostrado no vídeo.

Continuar lendo “Um passeio pela Cratera Korolev”

O Voo do Dragão

Em 4 de abril de 2018, a cápsula Dragon, da SpaceX foi acoplada à Estação Espacial Internacional. O voo foi gravado em timelapse e as imagens dela volitando ao sabor das forças gravitacionais da Terra e da ISS dão o tom de nossa aventura no Espaço. É um voo poético, lindo e incrível, alcançado graças à nossa engenhosidade e desenvolvimento tecnológico.

Não poderia colocar outra música de fundo senão Danúbio Azul, uma música clássica que o YouTube e o Daily Motion insistem em dizer que tem direitos autorais, mas que, pelo menos, o Facebook não ficou criando (muito) caso.

Continuar lendo “O Voo do Dragão”

HiRISE mostra detalhes de sistemas fluviais de Marte

Há anos se busca água líquida em Marte. Um dos motivos é a possibilidade de haver vida lá. Se não tem hoje, quem sabe, tenha havido no passado. Com a evolução de nossa tecnologia, os instrumentos de observação ficaram mais precisos, captando imagens de maior resolução, trazendo mais evidências da existências de antigos rios, lagos e até oceanos planeta-guerreiro.

Um desses incríveis equipamentos é o HiRISE ou High Resolution Imaging Science Experiment (Experimento Científico de Imageamento de Alta Resolução ou Câmera Fodona pra Cacete, como tenho certeza que alguém quis batia. Eu iria querer). As imagens do HiRISE estão entre “Boçal” e “Isso é Feitiçaria”, e agora trouxe imagens detalhadas de um penhasco marciano rochoso que não ficariam feias em nenhum quadro na parede da sala.

Continuar lendo “HiRISE mostra detalhes de sistemas fluviais de Marte”

Os planos da NASA para 2020

Estamos em 2020, e há uma série de projetos a serem tocados em termos de Aeronáutica e Espaço. Apesar das verbas nem serem lá essas coisas, NASA continua com seus projetos e no desenvolvimento de tecnologias para exploração do Espaço, o que resulta em avanço científico, para daqui a pouco estar disponível em nossas casas.

Este vídeo tem um resuminho do que vem por aí.

Continuar lendo “Os planos da NASA para 2020”

Grandes Observadores do Espaço: Spitzer

O Spitzer é um telescópio espacial, cuja missão é fornecer uma visão única do Universo usando a invisível radiação infravermelha. Com ele, é possível observar regiões do espaço ocultas dos telescópios ópticos, já que o Spitzer vê, basicamente, calor dos corpos.

O problema é que qualquer corpo acima do zero absoluto emite radiação infravermelha. Como fazer para que a própria radiação infravermelha que o Spitzer emite não interfira nas observações?

Continuar lendo “Grandes Observadores do Espaço: Spitzer”

Dando o mesmo rolê que nossos avós fizeram, sem chegar junto

Na foto acima estão Fred Haise, Jack Swigert e Jim Lovell. Eles tiraram esta foto um dia antes do lançamento da Missão Apollo 13. A malfadada Apollo 13. Swigert acabara de substituir Ken Mattingly como piloto do módulo de comando depois. Mattingly não pôde ir porque ele fora exposto ao sarampo e a paranóica NASA não quis arriscar (a bem da verdade, ele não contraiu a doença e não apresentou nenhum sintoma). A coisa deu errado e foi ouvido a famosa frase “Houston, a gente tá ferrado, caraio” (paráfrase).

Eles não pousaram na Lua e o regresso foi heróico, apesar das mazelas, como conectores quadrados e redondos se misturando entre diferentes aparelhos, tendo que partirem para gambiarra. Na descida, a URSS, a maior rival dos americanos, ordenou que liberassem as frequências para que não houvesse interferência e a China delicadamente pediu aos seus cidadãos que qualquer americano que caísse lá teria que ser bem tratado, sob pena de irem bater um papinho com Buda da pior maneira possível.

Continuar lendo “Dando o mesmo rolê que nossos avós fizeram, sem chegar junto”

Júpiter, o imanzão

A Terra tem um campo magnético que nos ajuda a ficar imunes (ou quase) aos desmandos do Sol, quando partículas de alta energia são cuspidos fora. A maior parte é defletida por este campo de força, por assim dizer, e quando passa pelas latitudes mais superiores e inferiores há a formação das auroras.

Claro, você vai achar que isso é característica nossa, certo? Errou, otário! A sonda Juno descobriu que Júpiter, não só tem um campo magnético também, como é surpreendentemente complexo. Tão complexo que Júpiter não possui polo norte e sul magnéticos como aqui. Então, nem pense de ir pra lá levando sua bússola.

Continuar lendo “Júpiter, o imanzão”