Nova técnica para sintetizar amônia de forma mais barata

Um dos maiores problemas da Alemanha foi a Primeira Guerra Mundial. Eles começaram a ficar sem amônia, que é muito legal para produzir fertilizantes, mas também explosivos. Os aliados começaram a limitar o recebimento de salitre do Chile até esgotar de vez a fonte. Então, Fritz Haber desenvolveu o processo de síntese da amônia, tendo sido auxiliado por sua esposa Clara Immerwahr. Este processo é o chamado Haber-Bosch e praticamente extrai da atmosfera hidrogênio e nitrogênio do ar para produzir a amônia, de fórmula NH3. Só que aí tem outro problema: O nitrogênio é muito estável e se gasta grande quantidade de energia para promover a reação. As moléculas de nitrogênio e hidrogênio devem ser aquecidas a uma temperatura entre cerca de 350 e 550ºC, a uma pressão estúpida de 149,7 a 347 atm (1 atm é a pressão atmosférica ao nível do mar), com a presença de catalisadores à base de ferro. Ou seja, é uma bosta!

Será que cientistas conseguirão resolver este problema? Será que eles desenvolverão uma técnica capaz de ser mais sustentável? Bem, a pergunta está errada. Não é “Se” e sim “Quando”.

Continuar lendo “Nova técnica para sintetizar amônia de forma mais barata”

Pesquisa mostra como fazer plástico usando catalisadores naturais

Todo mundo odeia plásticos, enquanto bebem sua água sem gás numa garrafinha. Plásticos são poluentes quando jogados fora de qualquer jeito e são poluentes também enquanto são produzidos. Entretanto, a demanda por plásticos não para de crescer, apesar do vidro ser uma alternativa ecologicamente melhor, mas custosa. É caro para transportar, é caro para manter, já que vidro quebra, é inseguro e é preciso higienizá-lo, já que ninguém recicla vidro diretamente. Plásticos vencem por serem mais baratos em armazenagem e transporte.

Uma equipa de pesquisadores resolveu partir para outro lado. E que tal se produzíssemos plásticos mais baratos e de forma mais ecológica?

Continuar lendo “Pesquisa mostra como fazer plástico usando catalisadores naturais”

Cinética Química

Cinética Química é a parte da Química que estuda o quão rápido uma reação química pode ser. É muito importante, pois muitas reações precisam ocorrer bem rápido, enquanto outras precisam ocorrer bem lentamente.

Em vídeo anterior, estudamos alguns tipos de reações, e agora vamos ver como podemos acelerar ou retardar isso. Seu modo de vida, inclusive sua própria vida, depende disso, mesmo que você não saiba.

Mas irá saber agora, no Livro dos Porquês!

Continuar lendo “Cinética Química”

Pesquisadores desenvolvem material para transformar gás carbônico em combustível

Gás carbônico, carinhosamente chamado de CO2, é um saco. Além de ser gás de efeito estuufa, ele tem o problema de ser estável, já que está no seu estado máximo de oxidação. Desa forma, cinetistas procuram uma maneira de tentar retirar o danadinho da atmosfera; mas não é só isso. Como isso demanda uma bela duma quantidade de energia, a meta é tornar isso rentável, ou que, pelo menos, se pague. Assim, a busca é uma maneira pela qual possa-se transformar este CO2 em algo reaproveitável.

A nova promessa é um novo material feito à base de microscópicas camadas de cobalto, que segundo pesquisadores, é capaz de converter CO2 em um combustível sem emissão de subprodutos tóxicos.

Continuar lendo “Pesquisadores desenvolvem material para transformar gás carbônico em combustível”

Como a Química desafia o entendimento da fotocatálise

Toda reação química tem a sua característica, como velocidade de reação e percentual de rendimento. Para a indústria, nem sempre elas são atraentes e, na grande maioria das vezes, é preciso lançar mao de catalisadores, substâncias ou processos que aceleram (ou mesmo permitem) uma determinada reação. O sonho é poder usar algo tão abundante, de preço barato, e facilmente acessível como agente catalisador, e qual candidato melhor seria além da luz? Esse é o mundo dos fotocatalisadores, até então pouco entendidos, mas uma equipe de pesquisadores parece ter desvendado o mistério.

Continuar lendo “Como a Química desafia o entendimento da fotocatálise”

E o RNA viu que era bom e ficou satisfeito…

O chato de dialogar com pessoas com baixa escolaridade é ter que explicar milhões de vezes a mesma coisa. É tentar dizer que massa é uma coisa e peso é outra. É tentar dizer que vidro é uma coisa e petróleo é outra. É tentar dizer que seres humanos são uma coisa e um punhado de barro é outra. E mesmo assim a criatura de baixa escolaridade e sinapses faltando irá tentar dizer que maçã é alface, pois ambas são legumes.

Origem da Vida não é a mesma coisa que Teoria da Evolução, mas quem estudou num colégio sabe disso. As pesquisas são diferentes e não pelos mesmos cientistas, pois é difícil você levar uma pesquisa à frente, quanto mais várias pesquisas díspares. Nisso, pesquisadores estudam a interação de moléculas de RNA como catalisadores, de forma que eles foram pontos fundamentais para o surgimento da vida. (sim, eu sei que isso abala convicções).

Continuar lendo “E o RNA viu que era bom e ficou satisfeito…”