Participe do concurso resolvendo o problema número 1 dos astronautas: o número 2

Mandar uma tripulação humana para o Espaço, ao invés de robôs, tem suas vantagens, principalmente se você viu filmes ruins como 2001, uma Odisseia no Espaço (sim, eu acho um filme ruim. Não gostou, azar. O blog é meu. Rá!) A bem da verdade, HAL-9000 estava certo e humanos só fazem merda. Pensando nisso (de uma forma alegórica e literal), a preocupação número 2 da NASA (a número 1 é manter os astronautas vivos) é como o astronauta fará o número 1 e o número 2. Claro, na Estação Espacial Internacional, tem banheiro, e no caminho de ida, certas partes estão mais fechadas que as escotilhas e não deixam passar nada.

Mas e na Lua, próximo objetivo? Infelizmente, não dá para ter uma “casinha” espacial, mas fazer nas calças não é uma opção. Ou é?

Continuar lendo “Participe do concurso resolvendo o problema número 1 dos astronautas: o número 2”

Banhos públicos não livraram antigos romanos de parasitas

O grande diferencial do Império Romano para outros reinos, como Cartago – em quem Cipião, o Africano, sugeria que lhe passasse o cerol – foi a vida social dos cidadãos. Grandes banhos públicos garantia que você, pobretão, tomasse banho ao lado de um tribuno. Isso garantia que todo mundo ficava de olho em todo mundo. Eles tinham até privadas públicas, literalmente públicas, com um “troninho” ao lado do outro. Homens e mulheres em papo animado enquanto faziam o número 2.

O problema é que pesquisas recentes mostram que nos banhos públicos se compartilhava de ideias, fofocas e até parasitas.

Continuar lendo “Banhos públicos não livraram antigos romanos de parasitas”

Químicos brasileiros desenvolvem método para tornar azulejos à prova de bactérias

banheiro.jpgAs partes de uma casa que mais preocupam com relação à higiene são os banheiros e a cozinha. Não é à toa que usamos azulejos ou outros tipos de revestimentos cerâmicos nesses locais, já que são mais fáceis de limpar e desinfetar. Numa casa, temos uma boa preocupação (mesmo que inconsciente) com tais locais, agora imaginem um hospital, que produz comida para médicos, funcionários e pacientes. Imaginem os banheiros. Uma bactéria escondida e a caca tá feita. O uso exzcessivo de desinfetantes pode ser contraproducente, pois se alguma cepa desenvolver resistência a eles, teremos um alastramento de bactérias resistentes e capazes de causar sérias infecções em muitos pacientes.

Continuar lendo “Químicos brasileiros desenvolvem método para tornar azulejos à prova de bactérias”