A múltiplas cores da Lua

Todos nós sabemos a verdadeira cor da Lua. Ela com seu branco límpido, lisos e perfeitos, cujos raios prateados iluminam nossa existência. Bem, ela não é branca, não tem uma cor límpida, não é lisa, nem perfeita; sequer mencionarei a parte dos raios, já que não somos como os redatores da Bíblia e sabemos que ela não tem luz própria.

Ainda assim é bela. Continuar lendo “A múltiplas cores da Lua”

Cogitando sob os céus do Atacama

Esbarrei com esse vídeo e me lembrei do Cogita. O Cogita é uma excelente pessoa no Twitter. Tão excelente que eu tenho vontade de bater nele só pela calma e tranquilidade que ele carrega, que por sinal me dá nos nervos! Me lembrei dele justamente pela viagem que fez pelo deserto de Atacama, um dos poucos bastiões da verdadeira noite escura, longe da civilização, luzes artificiais e gente escrota que possa incomodar a observação do céu.

Graças à umidade relativa do ar ridícula (tem regiões que não chove há séculos!), a noite é límpida, sem interferência, excelente para fotografias, filmagens e vídeos feitos com lapso de tempo, ou time lapse ou seja lá coo você chama.

Continuar lendo “Cogitando sob os céus do Atacama”

Um mosaico das marcas de uma enluarada senhora

Uma pessoa traz em si as marcas de sua vida, de sua história. Algumas ficam bem visíveis, no rosto crestado de rugas; em outras, as marcas são internas, e bem mais profundas.As marcas de vida de uma senhora podem estar visíveis, mas ela ainda guarda elegância, charme e altivez.Suas marcas estão lá, mas se estradas têm histórias, algumas marcas são uma vida inteira, como é o caso da Lua e suas crateras.

Continuar lendo “Um mosaico das marcas de uma enluarada senhora”

A água sobre o vulcão que causa espetáculo

O Etna, longe de vender móveis caros (com qualidade que nem sempre acompanha o preço) é um vulcão malvadão, tipo daqueles que deveríamos jogar todos os funcionários dos Correios. Este caldeirão do capeta está situado na parte oriental da Sicília, sendo um dos vulcões mais altos do mundo. Sim, esse aí de cima. Não, isso aí não são aliens do Independence Day, nem os Senhores Supremos, de O Fim da Infância (de cuja cena o ID4 kibou). São nuvens, apenas nuvens.

Continuar lendo “A água sobre o vulcão que causa espetáculo”