Os efeitos do CO2 nas águas do Golfo do México

Um dos grandes problemas da quantidade enorme de dióxido de carbono no ar é que ele vai pros oceanos. A boa notícia é que CO2 é pouco solúvel em água, e o pouco que se dissolve gera um ácido bem fraco. A má notícia é que isso é totalmente irrelevante dada a imensa quantidade de CO2 emitido, o que efetivamente causa acidez nos oceanos. Ok, seria pior se fosse SO3, mas a parte pior é que a poluição atmosférica também conta com óxidos de enxofre e nitrogênio.

Tomando por base o Golfo do México, pesquisadores estudam a taxa de acidificação das águas marinhas, com grandes quantidades de CO2 se dissolvendo cada vez mais no oceano aberto do referido golfo, com taxas semelhantes às medidas no oceano aberto do Atlântico e Pacífico.

Continuar lendo “Os efeitos do CO2 nas águas do Golfo do México”

Acidez nos oceanos oferecem perigo a diatomáceas

Diferente de nosso Ministro da Ciência e Tecnologia, eu não tenho nenhuma dúvida sobre o aquecimento global. Altas emissões de gás carbônico levados para os oceanos, juntamente com óxidos de enxofre causam a acidificação dessas águas. O pH vem caindo cada vez mais e isso implica em várias coisas ruins, até mesmo na fauna marinha[1] [2] [3].

Como desgraça pouca é bobagem, pesquisadores demonstram que a acidificação dos oceanos também fazem o favor de causar impactos sobre algas diatomáceas no Oceano Antártico. Ê AQUECIMENTO GLOBAL MARAVILHOSO! GLÓRIA ALELUIA!

Continuar lendo “Acidez nos oceanos oferecem perigo a diatomáceas”

Corais caribenhos conseguem sobreviver com acidificação do oceano

Ainda tem gente discutindo (de forma tola) por causa do aquecimento global, emissões de CO2 etc. O gás carbônico aumenta a acidez dos oceanos, porque esse gás é um óxido ácido, combinando-se com a água e formando o fraco ácido carbônico, mediante a reação: CO2 + H2O –> H2CO3. Eu já tinha mencionado anteriormente como a acidificação dos oceanos pode causar extinções em massa, bem como altera a morfologia de crustáceos.

Agora, pesquisadores descobriram que algumas espécies de corais caribenhos conseguem sobreviver nessas condições, já que Seleção Natural, apesar de não existir como dizem (da mesma maneira que Aquecimento Global é lenda, para certas pessoas), está sempre atuando, à espreita, esperando quem acabará numa sinuca evolutiva, indo pra vala da História.

Continuar lendo “Corais caribenhos conseguem sobreviver com acidificação do oceano”

Como os corais constroem seus esqueletos?

Longe de ser uma cor que as mulheres inventaram, o coral é um animal, metazoário, cnidário e ainda por cima da classe Anthozoa (e nem todos os corais são "corais"). O coral é formado um grupo de muitos organismos geneticamente idênticos, multicelulares conhecidos como "pólipos". Estes pólipos constroem um exoesqueleto, tão amado por surfistas que ousam se aventurar em Queensland (só que não). O que não se sabia direito é como os corais produziam aquele exoesqueleto. Pelo menos, até agora.

Continuar lendo “Como os corais constroem seus esqueletos?”