Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Jonas Desmascarado

jonas.jpgJonas e o peixão. Mais um ridículo mito hebreu, transposto para a Bíblia e que é defendido (tolamente) por muitas pessoas. O que tem por trás disso? O que se esconde naquelas linhas?

Como associar historicamente um conto despretencioso com a queda de uma das maiores cidades da antigüidade?

Javé, o Omni Tripla Ação, começa o livro de Jonas com sua raiva costumeira, e querendo destruir as pessoas. Até aqui, tudo normal. Nada de novo a respeito de um deus em eterna TPM.

Jonas 1:1 – Certo dia, o SENHOR Deus disse a Jonas, filho de Amitai:
Jonas 1:2 – Apronte-se, vá à grande cidade de Nínive e grite contra ela, porque a maldade daquela gente chegou aos meus ouvidos.

Jonas não quis, então pegou um barco, e Deus criou um vento que quase partiu o navio ao meio:

Jonas 1:4 – No entanto, Deus mandou um forte vento, e houve uma tempestade no mar. Era tão violenta, que o navio estava em perigo de se partir ao meio.

Javé “Paz e Amor” quando fica zangado tem dessas coisas. Quer matar as pessoas, não importando se são inocentes ou não. No meio da confusão, Jonas confessa que estava fugindo de Deus, e dá a idéia de que era para jogá-lo no mar:

Jonas 1:12 – Jonas respondeu: – Vocês me peguem e joguem no mar, que ele ficará calmo. Pois eu sei que foi por minha culpa que esta terrível tempestade caiu sobre vocês.

Os marujos ainda não quiseram, mas como a tempestade aumentou cada vez mais, aceitaram, e a tempestade se acalmou:

Jonas 1:15 – Em seguida, os marinheiros pegaram Jonas e o jogaram no mar, e logo o mar se acalmou.

Ah, agora sim! A parte que todos nós conhecemos: Deus mandou um peixão engolir Jonas (apesar de Jesus ter dito que era uma baleia… às vezes a onisciência divina falha, normal. 😉 )

Jonas 1:17 – O SENHOR ordenou que um grande peixe engolisse Jonas. E ele ficou dentro do peixe três dias e três noites.

Jonas ainda orou para Deus, em meio aos sucos gástricos e restos de comida dentro do peixe…

Jonas 2:2 – Ali, de dentro do peixe, Jonas orou ao SENHOR, seu Deus, dizendo:
Jonas 2:3 – Em minha aflição, invoquei o Senhor, e ele ouviu-me. Do meio da morada dos mortos, clamei a vós, e ouvistes minha voz.
Jonas 2:4 – Lançastes-me no abismo, no meio das águas e as ondas me envolviam. Todas as vossas vagas e todas as vossas ondas passavam sobre mim.

A Bíblia, como não podia deixar de ser, cai em contradição: Quem jogou Jonas no mar? Os homens ou Deus? Ora, bolas!! Vimos antes que foram os homens, mas nos versículos acima, ele diz que foi o próprio Deus quem o jogou. O redator desta história era meio confuso… De qualquer forma, o Senhor dos Anéis Bíblico dá uma ordem ao peixe para vomitá-lo na praia. Creio que Jonas devia ser meio indigesto…

Jonas 2:10 – Então o SENHOR deu ordem ao peixe, e ele vomitou Jonas na praia.

Como é que Jonas passou pela goela do peixe? Não existem peixes grandes o suficiente para que um homem passe pela goela e sem ter sido mastigado. Nem mesmo se tivesse sido uma baleia, já que as goelas das baleias não são grandes. Elas não comem peixes de tamanho médio. Elas costumam se alimentar “filtrando” o alimento na superfície, como se fosse um arrasto de uma rede, em que o animal nada lentamente com a boca aberta, deixando a água fluir por entre as cerdas expostas que capturam aí os pequenos organismos que constituem seu alimento.

Voltando ao besteirol, digo, ao relato do capítulo seguinte, Javé, mau feito um pica-pau, manda novamente avisar a Nínive que ela ia ser destruída. O mais curioso é que a pregação de Jonas mostra como as coisas mudaram muito pouco. Afinal, ainda hoje o melhor método de convencimento das igrejas é a ameaça. TJR-16 (prega o amor de deus num minuto e no minuto seguinte diz que todo mundo vai pro inferno).

Jonas 3:4 – Jonas entrou na cidade, andou um dia inteiro e então começou a anunciar: “Dentro de quarenta dias, Nínive será destruída!”

Os crédulos (e tolos) habitantes de Nínive acreditaram nele e se arrependeram (segundo a própria Bíblia, 120 mil crianças inocentes iam ser destruídas pelo bom e misericordioso Deus). Isso fez Deus mudar de idéia (mais uma contradição se levarmos em conta a onisciência de Deus) e tornou Jonas um falso profeta. Doideira? Bom, é o que diz o livrinho mágico.

Jonas 3:10 – Deus viu o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos. Então mudou de idéia e não castigou a cidade como tinha dito que faria.

Jonas, é claro, não gostou de ficar com a fama de mentiroso. Por quê? Você gostaria?

Jonas 4:1 – Por causa disso, Jonas ficou com raiva e muito aborrecido.
Jonas 4:2 – Então orou assim: – Ó SENHOR Deus, eu não disse, antes de deixar a minha terra, que era isso mesmo que ias fazer? Foi por isso que fiz tudo para fugir para a Espanha! Eu sabia que és Deus que tem compaixão e misericórdia. Sabia que és sempre paciente e bondoso e que estás sempre pronto a mudar de idéia e não castigar.
Jonas 4:3 – Agora, ó SENHOR, acaba com a minha vida porque para mim é melhor morrer do que viver.

Fico imaginando Jonas com as mãos na cintura, peitando Deus:

– Olha aqui sua vagabunda! Não me chama de mentiroso não, senão arranho tua cara, tá?? 😀

E isso por quê? Porque Javé gosta de dar uns pitis:

Olhem aqui, bofes e mocréias! Eu extou moooooooooooorta de tentar ser amada… herr, hã… digo amadO, por voxês (isso mesmo! Javé fala em miguxês 😀 ). Voxês não me dão bola? Bandidos, bandidos, bandidos! (dando soquinho na mão espalmada e batendo o pézinho) só por causa disso vou ferrar voxês! Vou rodar minha baiana. Ó!

Agora, o maior nonsense, contradição, absurdo e maluquice desta história toda: Deus fecha a cara e passa um pito em Jonas por ele ter ficado brabo, alegando que havia pessoas inocentes em Nínive.

Jonas 4:11 – Então eu, com muito mais razão, devo ter pena da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil crianças inocentes e também muitos animais!

Muito curiosamente, o Senhor dos Anéis Bíblico não estava nem um pouco preocupado em virar um navio no mar cheio de pessoas inocentes por causa de Jonas um dia antes. E por quê? Porque ele queria arrepiar com uma cidade inteirinha, mesmo tendo pessoas inocentes nela.

Bom, isso evidencia que o “bom” Deus Javé não passa de uma entidade com sérios problemas comportamentais, instável, e por isso nem um pouco digno de confiança, e que gosta de fazer sádicos joguinhos psicológicos com as pessoas. Qualquer semelhança com o bandido Jigsaw não é somente semelhança…

Qualquer pessoa com um mínimo de imaginação pode perceber o absurdo hilário desse besteirol todo. Você tá calmo e tranqüilo em sua cidade (Nínive, é claro), chega um Zé Ruela sozinho na praça e fica berrando que tudo vai ser destruído (como esses caras falando que o mundo vai acabar) e as pessoas não apenas dão atenção mas acreditam! As pessoas são capazes de coisas extraordinárias.

Depois disso, passa um tempo e nada acontece. Pô, aquele maluco fez todo mundo se alarmar à toa por causa de um deus qualquer. Que tal a gente dar uma surra naquele idiota pra ele aprender?

Imagina trabalhar para alguém assim:

• Manda você ir lá e avisar que uma cidade vai ser destruída.

• Você, num gesto de lucidez, decide não fazer isso e seu “chefe” decide dar um fim em você e manda um capanga (no caso, um peixe) dar conta de ti.

• Sem saída, você decide ir lá e avisar a cidade desesperadamente.

• Então, o “capo” celestial decide que não vai mais destruir coisa nenhuma e faz você passar por bobo (ter feito você ser engolido por um peixe não tinha sido suficiente).

• Você se sente ofendido, lógico, e ainda toma um esporro, já que havia pessoas inocentes (coisa que você mesmo tinha dito antes).

Agora sobre Ninive ter sido destruída não parece que isso fez muita diferença pro Jonas. Vamos aos aspectos históricos: Nínive era uma grande cidade da Assíria. Um dos seus maiores reis, com certeza foi Assurbanipal que em mais ou menos 670 A.E.C. criou uma fabulosa biblioteca, que continha milhares de tábuas contendo registros no tipo de escrita daquele tempo: a cuneiforme.

Somente muito tempo depois, a Grande Biblioteca de Alexandria (no Egito) a suplantaria. O motivo de verdade que judeus odiavam Nínive é porque era uma cidade grandiosa, infinitamente mais organizada que Israel e que a tomou na mão grande, dispersando israelitas e tomando vários como escravos em 721 A.E.C. Ainda por cima, o pessoal de lá afirmou que o deus deles, Assur, tinha dando um pau no Javé o que deixou os hebreus muito irritados, o que certamente inspirou essas várias passagens sobre a “ira divina contra Ninive”. 😀

Bom, o fato dos queridinhos hebreus alegarem ou deixarem de alegar que fora obra do “Sinhô dus Anéis” não muda a história. E não foi nada referente com Javé (mais uma vez) estar de TPM contra os assírios. A Assíria caiu por causa da guerra com os medos e babilônicos (em 640 A.E.C.). Isso levou aquele monte de baby sitter de cabras filhos de Éber terem que servir ao povo da babilônia, acabando sendo escravos de lá. Só isso nada mais. Daí quando acabou o império assírio, por motivos indiferentes à existência de Javé das Candongas ou não, tentaram usar isso como propaganda pró-Javé. Isso remete a não querer admitir “meu deus levou umas porradas do deus deles”. Quem gosta de perdedores?

Bom, depois disso, o que acontece? O “povo escolhido”, depois de ser dominado pela Assíria, acaba sendo escravo da Babilônia. Lindo, não? Depois disso, os persas (muito mais “bonzinhos”) – liderados por Ciro – permitiram voltar para Judá e reconstruir o templo; e depois vieram os gregos (comandados por Alexandre Magno) e finalmente os romanos.

Os hebreus nunca foram respeitados, como civilização, por ninguém. Apanharam de todo mundo. Só conheceram unificação novamente (ou, melhor dizendo, “realmente”) em 1948 com a formação do Estado de Israel, e assim mesmo por causa do holocausto.

O mito de Jonas é apenas um modo de tirar o recalque contra a civilização que dominara o povo ao qual os redatores deste conto pertenciam.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας