Reino Unido manda bem e a maior parte da geração de energia tem emissão zero de carbono

Geração de energia é algo muito complicado. Um país industrializado precisa de uma política de geração de energia bem planejada. Como o Brasil não é uma coisa, não pode ter a outra. O Brasil tem momentos que sofre picos de consumo de energia e, por isso, precisa ativar as usinas termelétricas. Sendo majoritariamente uma produção de energia por meio de hidrelétricas, a quantidade de carbono lançado na atmosfera sobe muito quando precisa ligar as esquentadinhas. As usinas nucleares seriam uma melhor pedida, mas os silvícolas deste país ainda têm medinho de isso aqui virar Chernobyl, sendo que nem somos tão incompetentes assim.

Já a Inglaterra e o restante do Reino Unido (não são a mesma coisa) estão no caminho contrário. Sendo sua geração elétrica por meio de combustíveis fósseis, pela primeira vez desde a Revolução Industrial, a geração de energia com emissão zero de carbono ultrapassa a geração por meio de carvão e gás no final de maio.

Continuar lendo “Reino Unido manda bem e a maior parte da geração de energia tem emissão zero de carbono”

Ideia imbecil da semana: Encher o Saara de usinas eólicas para salvar o mundo

Eu gosto de soluções mágicas. Elas funcionam no mundo maravilhoso que aquele problema é único e não refletirá em mais nada. Assim, resolvesse o galho e todo mundo cavalga em direção ao pôr-do-sol ao som de Enio Morricone. O problema é que a realidade caga e anda pra isso e tudo o que se faz tem impacto, de um jeito ou de outro. Só quem não sabe disso são os jêneos que resolveram como melhorar o mundo: Encher o Saara de fazendas eólicas e solares de forma a suprir as necessidades energética do mundo inteiro.

Continuar lendo “Ideia imbecil da semana: Encher o Saara de usinas eólicas para salvar o mundo”

Energia eólica faz ilha dinamarquesa neutralizar sua emissão de carbono em uma década

Imagine um concurso entre pequenas cidades cujo objetivo seja premiar a que apresente o melhor projeto para reduzir suas emissões de carbono e aumentar a geração de energia renovável. Uma delas então se propõe a resolver essa equação em apenas 10 anos, e vence. Por onde o trabalho começaria?

Essa foi a pergunta que os 4.100 habitantes da ilha dinamarquesa de Samso se fizeram ao saber que haviam ganhado uma competição parecida com a da hipótese acima, promovida pelo governo da Dinamarca em 1997 e disputada por cinco ilhas (Laeso, Samso, Aero e Mon) e uma península (Thyholm). “Quando o projeto ganhou, ninguém na ilha acreditou”, revela Jesper Kjems, ex-jornalista freelance em Copenhague (Dinamarca) e hoje porta-voz das atividades de Samso. “Eles não tinham ideia de como realizá-lo e tiveram que contratar urgentemente uma empresa para prestar consultoria.” Continuar lendo “Energia eólica faz ilha dinamarquesa neutralizar sua emissão de carbono em uma década”