Turbinas eolicas atrapalham o meio-ambiente e detonam com cadeias alimentares

O mundo caminha… ou melhor, CORRE para obter sistemas de geração de energia mais sustentáveis e com menor impacto ambiental. O problema é que isso ainda é impossível. SEMPRE temos impactos. Mas, como eu disse, a corrida é para o que tem menores impactos. Usinas solares precisam de um imenso sistema de células solares ou espelhos que concentram a energia do Sol numa torre que é basicamente uma usina termelétrica. Isso faz com que o gradiente de calor local aumente. Não vou nem mencionar hidrelétricas e muito menos termelétricas. Usinas nucleares são tabu, ainda mais com Fukushima, a usina perigosíssima. O fato de Fukushima ter tomado um tsunami de 30 metros de altura sempre é esquecido. A saída então? Usinas eólicas seria uma boa. O fato de matar aves e morcegos passa desapercebido. Mas isso é o mínimo que pode acontecer, não é mesmo?

Não, é pior ainda. Mas você já imaginava só pelo título (você leu o título, não leu?)

Continuar lendo “Turbinas eolicas atrapalham o meio-ambiente e detonam com cadeias alimentares”

Turbina eólica é animal. Mata águia, mata geral

Todo mundo ama soluções tidas como “verdes”. Parecem esquecer a velha máxima que não existe almoço grátis. Um exemplo são as usinas eólicas (você sabe… um cataventão gigantão que é movido pelo vento – duh! – e faz girar uma turbina, gerando eletricidade). Elas são um exemplo ótimo de geração de energia com fonte renovável (ventos, né?) e sem poluição nenhuma, certo? Errado! Já começa que aquela bagaça faz um barulho infernal, além de matar aves e morcegos. Poderia ser pior?

Claro que não so poderia ser pior, como de fato é. Até aves de grande porte como algumas águias são mortas, indo bater um papinho com Manwë em pessoa.

Continuar lendo “Turbina eólica é animal. Mata águia, mata geral”

Energia eólica faz ilha dinamarquesa neutralizar sua emissão de carbono em uma década

Imagine um concurso entre pequenas cidades cujo objetivo seja premiar a que apresente o melhor projeto para reduzir suas emissões de carbono e aumentar a geração de energia renovável. Uma delas então se propõe a resolver essa equação em apenas 10 anos, e vence. Por onde o trabalho começaria?

Essa foi a pergunta que os 4.100 habitantes da ilha dinamarquesa de Samso se fizeram ao saber que haviam ganhado uma competição parecida com a da hipótese acima, promovida pelo governo da Dinamarca em 1997 e disputada por cinco ilhas (Laeso, Samso, Aero e Mon) e uma península (Thyholm). “Quando o projeto ganhou, ninguém na ilha acreditou”, revela Jesper Kjems, ex-jornalista freelance em Copenhague (Dinamarca) e hoje porta-voz das atividades de Samso. “Eles não tinham ideia de como realizá-lo e tiveram que contratar urgentemente uma empresa para prestar consultoria.” Continuar lendo “Energia eólica faz ilha dinamarquesa neutralizar sua emissão de carbono em uma década”