Laugh Track – A Ciência da Trilha de Risada

O riso é uma expressão praticamente humana. Nos faz nos sentir bem e demonstramos com isso que estamos apreciando determinada situação. Por isso foram criadas as piadas, peças de comédia e isso evoluiu para programas de rádio e TV. O problema é que nem sempre as pessoas achavam engraçado, o que era ruim para programas ao vivo. Com isso foi inventado o laugh track ou trilha de risada. Aquele disco chato de gente rindo, de forma a lhe convencer que um esquete de algum programa de humor sem graça é engraçado. Pior que realmente ajuda a fazer você achar engraçado.

Mas como a laugh track começou? Por que começou? Bem, vamos ao vídeo, pois tem ciência e tecnologia por detrás disso.

Continuar lendo “Laugh Track – A Ciência da Trilha de Risada”

O boato da Guerra dos Mundos de Orson Welles

Amanhã é dia 30 de outubro e será celebrado… bem, será celebrada muita coisa que eu mesmo não faço ideia do que seja, já que Samhain só chamará os seus no dia 1º de novembro. Entretanto, há 75 anos, o caos varreu os EUA. Quando Orson Welles, resolveu transmitir a Guerra dos Mundos de H. G. Wells, escritor que, curiosamente, só escreveu alguns contos de ficção científica, preferindo se especializar em História. Tirando O Homem Invisível, a Máquina do Tempo e Guerra dos Mundos, você se lembra de mais alguma história de ficção científica dele? Pois é.

Mesmo avisando que aquilo era uma rádio-novela, as pessoas surtaram e saíram às ruas totalmente ensandecidas… Bem, é o que costumam dizer, mas isso é boato.

Existe capítulo de boatos no Livro dos Porquês? Se não tiver, crio agora.

Continuar lendo “O boato da Guerra dos Mundos de Orson Welles”

Wszystkiego Najlepszego, Maria!

A mulher cujo destino foi traçado pela sua pesquisa enfrenta seus últimos momentos de vida. Ela foi e ainda é um dos maiores ícones da Química e da Física. Seu nome é conhecido em todos os países e não foi por ser atleta, pois o tecido que ela mais utilizou não foi o tecido muscular, mas o nervoso. Seu rosto está estampado mesmo no mais ridículo livro de ciências e sua efígie adorna o papel moeda de um país. Num mundo onde até mesmo o meio científico era dominado pelo machismo, seu andar ereto fez-lhe ser uma das mulheres mais respeitadas no mundo acadêmico de sua época.

Os olhos dessa mulher abriram-se para o mundo no dia de hoje e a maior de todas as representantes femininas no mundo da Ciência soltou seu primeiro choro no dia 7 de novembro de 1867 e recebeu o nome de Maria Salomea Sklodowska.

Continuar lendo “Wszystkiego Najlepszego, Maria!”