O Rock do Espaço, bismillah!

Música é algo comum entre os humanos. Difícil quem não gosta de música, seja qual gênero for. A sonoridade mexe muito com nossa psique e não por acaso cursinhos apelam pra isso para “ensinar” o conteúdo. Sabem quem gosta também de música? O pessoal da Agência Espacial Europeia, a ESA. Sendo assim, eles gravaram um vídeo cantando uma melodia que vocês reconhecerão, a não ser que vocês sejam jovens malditos e jovem só presta para uma coisa: acabar. Continuar lendo “O Rock do Espaço, bismillah!”

Fogo no rabo da Ariane e gritaria para mandar tudo pro Espaço

O Ariane 5 é um veículo de lançamento espacial de carga pesada desenvolvido e operado pela Arianespace para a Agência Espacial Europeia (ESA), mas eu vou é chamar de foguete mesmo. Não gostou, tô nem aí. Esta gracinha tem cerca de 52 metros de altura, 777 toneladas de massa e dois estágios, sendo ótimo veículo para colocar no Espaço coisas que avoam, como satélites geoestacionários (sim, eu sei que eles não voam nem avoam. Não enche o saco).

Continuar lendo “Fogo no rabo da Ariane e gritaria para mandar tudo pro Espaço”

O estranho formato da Terra

Estamos acostumados com várias ideias, normalmente difundidas no Ensino Fundamental, com as “tias” do CA à 4ª série (ou 1º ao 5º ano; dá no mesmo). Cabral estudou na Escola Náutica de Sagres e descobriu o Brasil, Colombo foi quem descobriu a América e “homenageou” Américo Vespúcio, Gagarin disse que a Terra é azul, plantas respiram pelas folhas, o Universo é infinito, Deodoro da Fonseca proclamou a República, orcas são baleias, Mercúrio é o planeta mais quente e a Terra é redonda. Nada disso é verdade, mas o que talvez cause maior estranheza é o fato da Terra não ser redondinha como uma bola de futebol, já que todas as representações a mostram como esférica. Tentando fugir disso, muitas referências mencionam que ela é “geoide”, ou seja, não é esférica e sim um elipsoide ou, melhor ainda, “oval”.

Ainda assim, isso não é bem verdade. Mas, afinal, como é o formato da Terra?

Continuar lendo “O estranho formato da Terra”