Anotações pessoais de Darwin são colocadas online

A primeira versão do livro Teoria da Evolução, de Charles Darwin, pode ser lida online pela primeira vez a partir desta quinta-feira (17/04). O texto está entre milhares de anotações pessoais do cientista que antes só estavam disponíveis a cientistas da Universidade de Cambridge e agora podem ser lidas no site darwin-online.org.uk.

A publicação das anotações pessoais de Darwin é a maior da história, com cerca de 20 mil itens e quase 90 mil imagens.O material original é mantido pela biblioteca da Universidade de Cambridge, que decidiu disponibilizar o material online.

A coleção inclui, por exemplo, textos como observações do cientista sobre os pássaros de Galápagos e os primeiros registros das dúvidas de Darwin sobre a permanência das espécies. No site, o usuário também pode ver fotos de Darwin e sua família, recortes de jornais, críticas dos livros do cientista e até mesmo um livro de receita de Emma Darwin. Continuar lendo “Anotações pessoais de Darwin são colocadas online”

Elefantes tiveram ancestral aquático

Pois, é. Dumbo teve um parente que veio do oceano. Quem disse isso foram pesquisadores mericanos e britânicos, que afirmaram que o elefante poderia ter um ancestral aquático, segundo estudo publicado nesta semana na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e da Stony Brook, em Nova York, analisaram resíduos químicos preservados em dentes fossilizados de dois mamíferos extintos da família dos elefantes – o Barytherium e o Moeritherium, que viveram no Egito durante o período Eoceno, há 37 milhões de anos. A equipe identificou, a partir da análise do esmalte dentário, que a alimentação destes animais era baseada em plantas aquáticas e eles tinham modo de vida similar ao do hipopótamo. Continuar lendo “Elefantes tiveram ancestral aquático”

Capítulo anterior da evolução

cambriano.jpgA maior parte dos principais grupos de animais complexos passou a ter registros fósseis durante a explosão do período Cambriano, quando, em um período relativamente breve (de cerca de 542 milhões a 520 milhões de anos atrás), houve um intenso aumento na biodiversidade do planeta.

Isso é o que se sabe. Agora, um novo estudo, feito por paleontólogos do Departamento de Geociências da Universidade do Estado da Virgínia, nos Estados Unidos, identificou outra explosão evolucionária, com origem cerca de 33 milhões de anos antes da outra mais conhecida. Continuar lendo “Capítulo anterior da evolução”