O mistério do Quadrado Sator numa caveira

Nós temos uma relação um tanto quanto estranha com os nossos próprios destinos. Sabemos que vamos morrer um dia, mas esperamos retardar este momento. Há os que se cansam e encurtam o tempo de vida. Olhando para o horizonte, me pergunto quando começamos com isso. Muitos animais, como elefantes, têm ciência da própria mortalidade. Muitos animais têm rituais fúnebres, se afastam quando do seu momento final, se reúnem e mostram luto.

Alguns mantém um memento mori, uma lembrança de nossa mortalidade, com alguma inscrição de proteção, como um quadrado mágico. Continuar lendo “O mistério do Quadrado Sator numa caveira”

Um canivete para quem perambulava pelo império romano

Ser um legionário romano não era fácil. Tinha uma vida dura, mas um bom prêmio em dinheiro, terras e uma pensão do Estado. Mas isso depois de 25 anos de serviço, sem nenhuma garantia de estar vivo na semana seguinte. O que garantiam é que você estaria sempre em movimento, conhecendo muitos lugares, mas não no estilo pacotão da CVC.

Estando sempre em movimento, era preciso levar consigo um monte de tranqueiras graças ao Mário (vai, pergunta!), que fez uma reforma no exército e os soldados tinham que levar praticamente todos os pertences, armas e ferramentas, ficando conhecidos como “Mulas de Mário”. Não apenas o gládio, o pilo, o scutum, mas até um canivete suíço.

PÉRA, CANIVETE SUÍÇO? Continuar lendo “Um canivete para quem perambulava pelo império romano”

A belíssima Tigela de Nijmegen

Eu sempre gosto de frisar como algumas bobagens que ainda circulam não passam disso: bobagens. A minha preferida é que vidros não são sólidos, mas líquidos super-resfriados, que escorrem com o tempo por serem altamente viscosos. Uma “prova” disso seria que os vitrais das antigas catedrais tem a parte inferior mais grossa que a de cima. Eu postei o artigo Afinal, o vidro é líquido ou sólido? explicando o que acontece e mostrei peças romanas e egípcias muito antigas.

Agora, temos mais um exemplo: arqueólogos encontram tigela impecável de quase 2.000 anos em Nijmegen, Países Baixos. Continuar lendo “A belíssima Tigela de Nijmegen”

Cientistas estudam cocô antigo e descobrem que pessoal andava cheio de parasitas, fora o cunhado

Normalmente temos a impressão que gente rica cuida melhor de si. Não é que seja uma mentira, mas devemos ter em mente que preocupações com higiene não é algo que sempre esteve presente em todas as sociedades. Romanos, por exemplo, davam muito valor à higiene, com seus imensos banhos e privadas coletivas, com um sistema de esgoto que carregava tudo embora, enquanto você ficava lá sentado no troninho, colocando a fofoca em dia.

Mas e como ficava o uso privado da privada na vida privada? No caso de judeus ricaços no 6º século Antes da Era Comum pode-se dizer que a saúde era uma merda. Continuar lendo “Cientistas estudam cocô antigo e descobrem que pessoal andava cheio de parasitas, fora o cunhado”

O inigualável templo Padmanabhaswamy

Acho curioso como dizem que as pirâmides foram construídas por aliens. Pessoal parece esquecer – ou realmente não sabe – que quando o ser humano quer, ele consegue maravilhas em vários campos, e a construção é mais um. Não é só no Egito que tem construções magníficas e monumentais. Um exemplo disso é a Índia, cujo império perdurou por milhares de anos e até hoje nos fascina com suas construções, que se não ganharam título de Maravilhas do Mundo, é porque Heródoto nunca deu um rolé por lá.

O Templo Sree Padmanabhaswamy é um um perfeito exemplo de magnificência, opulência e riqueza. Não é demais dizer que é um dos templos mais ricos da Índia, mas quando eu falo rico, eu quero dizer ABSURDAMENTE RICO. Continuar lendo “O inigualável templo Padmanabhaswamy”

A múmia escondida que foi desvendada

Amenhotep I foi rei do Egito, tendo sido o segundo governante da XVIII dinastia. Não se sabe direito quando ele nasceu, mas sua morte aconteceu no ano 1503 A.E.C. no século 11 A.E.C., o sarcófago foi aberto para reparos, mediantes fontes documentais egípcias. Sacerdotes o desenterraram para reparar os danos feitos por ladrões de tumbas. Sim, isso mesmo. Já tinha gente que não dava a menor pelota para alguma maldição.

Até agora, ninguém tinha examinado o corpo de Amenhotep (ou Amenófis, que é a versão grega do nome) por causa do seu sarcófago ricamente decorado, e ninguém queria estragar aquela obra de arte. Continuar lendo “A múmia escondida que foi desvendada”

Antigos mortos contam histórias antes do Egito ser o Egito

Todo mundo adora o Egito. Egito é uma espécie de T-Rex entre as civilizações. Não que todos os dinossauros fossem gigantões como o T-Rex, da mesma maneira que o Egito não era o único império fodão em seu tempo. Mas ainda assim mexe com nossa imaginação. Por isso, cada descoberta no Egito é divulgada com pompa, como foi o caso das 110 tumbas localizadas no Delta do Nilo, contendo os restos mortais de adultos e crianças que datam de cerca de 5.000 anos. Continuar lendo “Antigos mortos contam histórias antes do Egito ser o Egito”

O modelo de ensino tradicional que forjou um império

Quando a gente fala “escola”, imediatamente se pensa em lousa, cadernos, anotações e professor corrigindo tarefa. Bem, não é muito diferente ao longo dos séculos, com alunos escrevendo as tarefas e os professores corrigindo usando TCHARAAAAAAAAAAN tinta vermelha.

Pedagogas chorando copiosamente agora. Continuar lendo “O modelo de ensino tradicional que forjou um império”

O Google Maps de uma tumba

Este garotão aí de cima é nosso amigo Amun-her-khepeshef (normalmente, vem um “C” depois, porque teve outros Amun-her-khepeshefs antes). Ele foi rei que mandou e desmandou no Egito por oito anos e dois meses, pertencente à 20ª Dinastia, o que nos situa em mais ou menos final do século XII A.E.C., uns 6 mil anos antes do surgimento do mundo, para o caso de você ser fundamentalista. Continuar lendo “O Google Maps de uma tumba”

Descobertas de onde vieram as pedronas grandonas de Stonehenge

Stonehenge é um mistério e uma fascinação. Sua construção foi iniciada em 3000 A.E.C., antes mesmo das Grandes Pirâmides, consistindo em um anel de pedras permanentes, cada uma com cerca de 4 metros de altura, cerca de 2 metros de largura e pesando cerca de 25 toneladas cara rocha, basicamente arenitos, dispostas no meio de um complexo mais denso dos monumentos neolíticos e da Idade do Bronze na Inglaterra, incluindo várias centenas de túmulos. Até agora não se sabia direito de onde vinham os arenitos usados para construir Stonehenge, mas isso mudou.

Continuar lendo “Descobertas de onde vieram as pedronas grandonas de Stonehenge”