O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros

Os livros devem nos lembrar o quão burros e tolos nós somos. Eles são a guarda pretoriana de César, sussurrando enquanto o desfile ruge pela avenida: “Lembre-se, César, você é mortal”. As coisas que você procura estão no mundo, mas a única maneira que um sujeito comum verá noventa e nove por cento delas é em um livro.

– Ray Bradbury. Fahrenheit 451

Este não é um artigo sobre o Alcaide. Não é algo sobre o Senhor Feudal das terras com a Morada do Homem Branco. Vocês passaram o dia todo sabendo sobre isso. No máximo, taqui o link. Sim, o autocrata da cidade determinou que uma história em quadrinhos violava a moral e os bons costumes. Mandou seus “representantes” para verificarem e, se necessário fosse, para tomar as medidas cabíveis.

E sim, esta é a SEXTA INSANA!

Continuar lendo “O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros”

Telefones, marketing e a figura da autoridade

Dia 12 de setembro p.p. aconteceu o Keynote, onde a Apple apresentou seus incríveis e mágicos apetrechos. entre eles o tão aguardado iPhone 5, que segundo boatos iria ter visor holográfico, fritaria ovos e viria com toda a coleção musical do PSY, incluindo o seu maravilhoso (pelos motivos errados) Gangnam Style. Bem, o que vimos foi que ele veio com… um visor uma linha maior, mantendo sua fantástica interface gráfica de ícones e pastas, tão modernas quanto o Windows 95. Entretanto, não perderei meu tempo falando sobre celulares. Deixo isso pros blogs de Tecnologia de Informação (um site que fale sobre material de construção também é um "site de tecnologia", meus caros pedantes). A questão que eu quero abordar é um programa de TV que apresentou o novo iPhone para as pessoas dizerem o que acharam. Mas havia um certo detalhe escondido.

Continuar lendo “Telefones, marketing e a figura da autoridade”