Cérebro adapta-se a novas necessidades na idade adulta

O cérebro humano pode adaptar-se às novas necessidades, mesmo na idade adulta. Neurocientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussets) já encontraram provas de que mudando com insuspeitada velocidade. As conclusões sugerem que o cérebro dispõe de uma rede de ligações silenciosas que fundamentam a sua, digamos, “plasticidade”.

Uma pessoa com um braço amputado possui “sensações” no membro perdido quando ele(a) é tocado no rosto. Os pesquisadores acreditam que isso acontece porque a parte do cérebro que normalmente recebe a informação do braço começa se referindo a sinais próximos da região do cérebro que recebe a informação da face. Continuar lendo “Cérebro adapta-se a novas necessidades na idade adulta”

A química do amor

Se você levou fora de uma mulher e nunca soube por quê, não se preocupe. A resposta pode estar nos seus genes, mais precisamente em seu MHC – região do genoma responsável pelo sistema imune. Pode parecer estranho, mas, ao que tudo indica, essa região cromossômica pode ser decisiva quando uma fêmea escolhe um parceiro.

MHC é a sigla em inglês para Complexo Principal de Histocompatibilidade, e cada indivíduo apresenta uma configuração única para essa região. O que cientistas de todo o mundo descobriram nas últimas décadas foi que, para aumentar a variabilidade genética dos descendentes, fêmeas de várias espécies optam por formar casais com machos que tenham o MHC mais diferente possível do seu. E, ao que parece, as mulheres não fogem à regra. Continuar lendo “A química do amor”