Como o uso da Inteligência Artificial é danoso para os criadores de conteúdo em texto

A Inteligência Artificial está sendo cada vez mais usada em várias áreas da vida, desde a medicina até a música. No entanto, algumas pessoas estão preocupadas com a possibilidade de a IA substituir escritores e artistas. O uso da IA para escrever livros, pintar quadros e compor música pode levar a uma perda de qualidade considerável. Os textos gerados por IA podem não ter a mesma profundidade e significado que um autor humano pode oferecer. Além disso, as obras de arte produzidas por IA podem não ter a mesma beleza e emoção que um artista humano pode oferecer. A música produzida por IA tende a ser monótona e insossa. Continuar lendo “Como o uso da Inteligência Artificial é danoso para os criadores de conteúdo em texto”

Robôs, arte e celeumas atuais

Acompanhei uma conversa hoje sobre uso de Inteligência Artificial para produzir arte. Já um monte de gente falou isso. É arte mesmo? Já ganharam prêmios em concursos usando imagens geradas por IA; ganhou, mas não levou. Todo mundo está discutindo isso. O Cardoso já postou isso. Tá, todo mundo está falando disso, com a mesma discussão de sempre, mas eu estava pensando por outro lado. Como definir o que é arte e como diferenciá-la do que não é arte, apenas meras imitações ou engodo?

O que faz arte ser arte e se sobressair?

Continuar lendo “Robôs, arte e celeumas atuais”

O falso preconceito da Inteligência Artificial que possui uma inteligência falsa e nem artificial é

Vi um artigo do Ronaldo no Meio Bit que eu morri de rir. Já comecei rindo no título. Eu gosto dos textos do Ronaldo, mas este em especial é absurdamente idiota em toda a sua extensão e por todos os motivos. Mal aê, Ronaldo, mas eu sou honesto, cara. O título do artigo é IAs continuam reproduzindo preconceitos humanos.

Se você não entendeu a parte engraçada, eu irei explicar. Se entendeu, irei explicar também. Isso é um blog, cacete. É justamente para eu escrever, ora bolas! Continuar lendo “O falso preconceito da Inteligência Artificial que possui uma inteligência falsa e nem artificial é”

Máquinas podem ter consciência? A resposta não irá agradar a vocês

Eu estava vendo o último vídeo do Café e Ciência. O Café e Ciência é um canal de divulgação científica no YouTube, cujo mantenedor é tipo um misto de Raul Seixas e Neil deGrasse Tyson, sem as músicas chatas do primeiro e o paunocuzismo do segundo. No referido vídeo intitulado “Poderia as Máquinas obterem Consciência?” o Felipe discute… bem, ele não discute se as máquinas poderiam ter consciência. Ele comenta o que uma pesquisa em periódico classifica como sendo os diferentes níveis de consciência.

Mas máquinas podem ter consciência?

Versão curta: não se tem versão curta. Por quê? Porque a pergunta está errada. Vamos ao vídeo?

Continuar lendo “Máquinas podem ter consciência? A resposta não irá agradar a vocês”

O Medinho da Inteligência Artificial

Mais uma vez, pessoal fica com frescura sobre os medos da Inteligência Artificial. Eu não sei como eles conseguem dormir, já que a qualquer minuto o Skynet será ativado e instalará a Matrix e todos nós estaremos ferrados.

Esta bobagem é propagada até pelo Stephen Hawking, que eu acho que já morreu faz tempo, sua cadeira criou consciência e está trollando todo mundo.

E sim, eu sei que já tinha falado sobre isso. Essa é só a versão em vídeo, pois parece que pessoal do Tubo não lê meus artigos.

Continuar lendo “O Medinho da Inteligência Artificial”

Nós Vivemos na Matrix?

Algumas teorias dizem que chegará a um momento em que poderemos simular verdadeiros mundos com todos os detalhes possíveis. Já conseguimos chegar bem perto com o Second Life, por exemplo. Mas aí vem o questionamento.

Um computador hiperpoderoso poderia simular esta realidade que aqui vivemos. Nós mal seríamos capazes de distinguir o que é real do que é simulado, e isso nos faz pensar: Isso que nós vivemos é real ou será que nós vivemos numa simulação por computador?

Seria possível que nós estejamos na Matrix? A resposta está bem no vídeo.

Continuar lendo “Nós Vivemos na Matrix?”

Thay, a inteligência preconceituosa graças ao melhor da Humanidade

Você já deve ter visto a quantidade de matérias e notícias sobre o caso envolvendo a Tay, um chatbot com algoritmos de aprendizado de máquina que era projetada para aprender e aumentar seu vocabulário conforme vai se comunicando. É uma ideia linda, ainda mais porque o chefe DVDM tinha ido pegar um café. Quando voltou era tarde demais pro Departamento do Vai Dar Merda fazer alguma coisa. Tay estava apresentando discurso de ódio, preconceituoso e até sendo favorável ao Trump.

Microsoft demorou pra agir, mas acabou tirando o chatbot do ar, com várias pessoas indignadas e outras criticando o futuro da Inteligência Artificial, um bando de manés que não sabem nem fazer uma planilha no Excel. Já eu vi algo fascinante (e não foi com a Thay).

Continuar lendo “Thay, a inteligência preconceituosa graças ao melhor da Humanidade”

Pesquisadores estudam cérebro para fazer coisa melhor artificialmente

Inteligência Artificial é algo que vem sendo pesquisado há muito, muito tempo; e continuará sendo pesquisado por mais tempo ainda. Dois dos pioneiros em pesquisa de IA foi Ray Solomonoff e Marvin Minsky(este falecido no dia 25/01). Minsky achava que computadores iam ultrapassar seres humanos, mas eu acho bem difícil disso acontecer. O cérebro humano é muito complexo e plástico, moldando-se e adaptando-se, criando ligações sinápticas e várias novas conexões para sinais eletroquímicos. Nenhum processo artificial pode sequer chegar perto do cérebro humano. Pelo menos, atualmente.

Bem, se não se pode fazer algo melhor que o cérebro humano hoje, então o segredo é entender como o cérebro realmente funciona em maiores detalhes.

Continuar lendo “Pesquisadores estudam cérebro para fazer coisa melhor artificialmente”

O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial

No alvorecer da Revolução Industrial (você aprendeu isso no colégio), o mundo mudou a forma como encarava os sistemas de comércio e produção. O que você não estudou foi como isso mudou a vida dos trabalhadores, que já não era lá essas coisas, mas ficou muito pior. Surgiu algo que já se conhecia há muito tempo, mas começou a se espalhar: A Automação. Surgiu, então, a figura de Ned Ludd, a quem se atribuiu o ataque a uma fábrica de meias, destruindo as máquinas. Todos os ataques desse gênero ficaram conhecidas como obra de seus seguidores: os luditas. Hoje, o termo "ludita" é relacionado a pessoas que têm aversão à tecnologia. Qualquer tipo, já que "tecnologia" não quer dizer "computadô", meus pobres ignorantes.

A bola da vez é a Inteligência artificial (IA). Um monte de gente mostrando-se preocupadas com o advento do que poderia ser um Skynet ou algo semelhante. Curiosamente, não o seu Manoel da padaria, mas pessoas que estão intimamente ligadas às modernas tecnologias. Afinal, o que temos a temer?

Continuar lendo “O absurdo medo ludita da Inteligência Artificial”

Pesquisadores estudam luva que ensina Braile

Louis Braille podia ser mais um cego no século XIX, dependente de outras pessoas. Tendo perdido a visão aos 3 anos de idade, Braile podia ser um desses mimizentos que reclamam da vida, sem nem poder ter acesso à leitura e/ou escrita. Anda assim, ele ingressou no Instituto de Cegos de Paris e, aos dezoito anos, tornou-se professor de lá. Ele se inspirou na técnica de usar "pontos e buracos" inventado por um oficial para ler mensagens durante a noite em lugares onde seria perigoso acender a luz, Braille melhorou o sistema, de forma que cegos pudessem escrever textos e ler livros. Em 1829, ele publicou seu trabalho e, assim, foi criado o Sistema Braille.

Milhões de cegos hoje usam este sistema para ler e escrever, mas sempre podemos melhorar o aprendizado desta técnica. Esta é a meta de pesquisadores em Computação: como fazer o corpo aprender sem estar plenamente consciente deste aprendizado?

Continuar lendo “Pesquisadores estudam luva que ensina Braile”